O refugiado não é apenas um migrante

| 20 Jun 20

“Acolher um refugiado é um dever ético incontornável.” Foto © ACNUR

 

Importa perceber que os refugiados são migrantes, mas as razões que os levam a deixar os seus países são bem diferentes e mais dolorosas que as da maioria dos migrantes. Estes, em regra geral, procuram melhorar as suas condições económicas. Os refugiados fogem a perseguições, prisões políticas, torturas, discriminações desumanas… Não por serem pessoas criminosas, mas somente por pensarem diferente dos regimes que governam os seus países, professarem religiões que não a dominante, fazerem opções políticas opostas às praticadas, aderirem a grupos que defendem direitos humanos fundamentais. O simples migrante procura subsistir, o refugiado quer sobreviver. Acolher um migrante é uma decisão solidária. Fazê-lo a um refugiado é um dever ético incontornável.

Em dezembro de 2000, a assembleia geral das Nações Unidas instituiu o dia 20 de junho como Dia Mundial do Refugiado. Para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, este dia constitui-nos na obrigação de reconhecer e valorizar a coragem, a força para conquistar a liberdade de todas as mulheres, homens e crianças forçadas a deixar para trás as suas casas e família para conseguirem ser tratadas como pessoas e respeitadas na sua dignidade.

Acolher refugiados não é um inútil esforço. Em muitos países, inclusive Portugal, os migrantes e refugiados preenchem lacunas no mercado de trabalho ao colmatarem insuficiências de mão-de-obra. Os sectores mais abrangidos são o turismo, serviços e agricultura. Os empregos que lhes são oferecidos estão, muitas vezes, em categorias profissionais muito pouco qualificadas. São trabalhos sem atratividade, com árduas condições, por vezes a tocar a escravatura, e níveis elevados de insegurança. Mesmo nestas circunstâncias, é significativo o contributo para a economia dos países de acolhimento que, para além do trabalho prestado, pagam impostos e as taxas devidas ao sistema da Segurança Social.

Diante do crescimento de fundamentalismos e o aumento de conflitos armados fratricidas, o número de refugiados não para de crescer. A Organização das Nações Unidas (ONU) deveria ter autoridade para aplicar sanções a países que violem direitos humanos naturais, que são os que se aplicam a qualquer pessoa; têm caráter universal, imutável e atemporal.

Os países que integram a ONU, não só os que compõem o Conselho de Segurança, deveriam convergir no sentido de se encaminharem para a construção de nações alicerçadas em indicadores humanos de solidariedade e cooperação e, assim, assumirem a responsabilidade pelo desenvolvimento humano integral e pela proteção e participação das pessoas em movimento, de modo especial os refugiados. Um compromisso deste tipo implica o reconhecimento de que as migrações, independentemente das causas que as motivam, são uma oportunidade para as nossas sociedades construírem uma “casa comum” mais próspera e global, onde todos possam participar e viver com dignidade.

Os Governos de qualquer país só têm legitimidade para exercerem a prática governativa se defenderem e protegerem os migrantes forçados. Onde for necessário, há que rever o quadro legislativo de modo a suprir faltas na proteção e inclusão de refugiados, requerentes de asilo e trabalhadores migrantes, incluindo trabalhadores sazonais, temporários, assim como assegurar a reunificação familiar e proteção dos membros da família.

Compete aos Governos garantir que os empregadores não descartam as suas responsabilidades garantindo condições dignas de trabalho; compete-lhes investir, incondicionalmente, no combate contra o tráfico de seres humanos – um dos negócios mais rentáveis do mundo –, bem como todas as formas de exploração; compete-lhes promoverem a consciencialização da população em geral, mas fundamentalmente dos cidadãos e cidadãs que trabalham em serviços públicos e organizações da sociedade civil relacionados com os direitos humanos e a multiculturalidade; compete-lhes reforçarem a capacidade, formação e mandados de inspeções laborais, para que cheguem a todos os locais de trabalho onde os trabalhadores migrantes estão concentrados.

Ao referir-se à crise pandémica que atravessa o mundo, o Papa Francisco, na sua mensagem para o 106.º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado (que a Igreja Católica assinala no próximo dia 27 de setembro), afirma: “Este não é o tempo para o esquecimento. A crise que estamos a enfrentar não nos faça esquecer muitas outras emergências que acarretam sofrimentos a tantas pessoas.” Na mensagem, Francisco faz seis recomendações: (i) É preciso conhecer para compreender; (ii) É necessário aproximar-se para servir; (iii) Para reconciliar é preciso escutar; (iv) Para crescer é necessário partilhar; (v) É preciso coenvolver para promover; (vi) É necessário colaborar para construir.

Somos um povo a caminho da “terra da salvação”. Não esperemos que ela esteja só ao nosso alcance após a “passagem” para a vida eterna, mas comecemos a construí-la desde já aqui e agora.

 

Eugénio Fonseca é presidente da Cáritas Portuguesa

[Nota do 7MARGENS: A propósito deste Dia Mundial do Refugiado, o projecto Global Sisters Report, do National Catholic Reporter, disponibizou um livro electrónico sobre algumas situações de refugiados no mundo, nomeadamente América Latina, Europa, Médio Oriente e África. As pessoas interessadas podem aceder ao livro, em inglês, nesta ligação.]

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This