O refugiado não é apenas um migrante

| 20 Jun 20

“Acolher um refugiado é um dever ético incontornável.” Foto © ACNUR

 

Importa perceber que os refugiados são migrantes, mas as razões que os levam a deixar os seus países são bem diferentes e mais dolorosas que as da maioria dos migrantes. Estes, em regra geral, procuram melhorar as suas condições económicas. Os refugiados fogem a perseguições, prisões políticas, torturas, discriminações desumanas… Não por serem pessoas criminosas, mas somente por pensarem diferente dos regimes que governam os seus países, professarem religiões que não a dominante, fazerem opções políticas opostas às praticadas, aderirem a grupos que defendem direitos humanos fundamentais. O simples migrante procura subsistir, o refugiado quer sobreviver. Acolher um migrante é uma decisão solidária. Fazê-lo a um refugiado é um dever ético incontornável.

Em dezembro de 2000, a assembleia geral das Nações Unidas instituiu o dia 20 de junho como Dia Mundial do Refugiado. Para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, este dia constitui-nos na obrigação de reconhecer e valorizar a coragem, a força para conquistar a liberdade de todas as mulheres, homens e crianças forçadas a deixar para trás as suas casas e família para conseguirem ser tratadas como pessoas e respeitadas na sua dignidade.

Acolher refugiados não é um inútil esforço. Em muitos países, inclusive Portugal, os migrantes e refugiados preenchem lacunas no mercado de trabalho ao colmatarem insuficiências de mão-de-obra. Os sectores mais abrangidos são o turismo, serviços e agricultura. Os empregos que lhes são oferecidos estão, muitas vezes, em categorias profissionais muito pouco qualificadas. São trabalhos sem atratividade, com árduas condições, por vezes a tocar a escravatura, e níveis elevados de insegurança. Mesmo nestas circunstâncias, é significativo o contributo para a economia dos países de acolhimento que, para além do trabalho prestado, pagam impostos e as taxas devidas ao sistema da Segurança Social.

Diante do crescimento de fundamentalismos e o aumento de conflitos armados fratricidas, o número de refugiados não para de crescer. A Organização das Nações Unidas (ONU) deveria ter autoridade para aplicar sanções a países que violem direitos humanos naturais, que são os que se aplicam a qualquer pessoa; têm caráter universal, imutável e atemporal.

Os países que integram a ONU, não só os que compõem o Conselho de Segurança, deveriam convergir no sentido de se encaminharem para a construção de nações alicerçadas em indicadores humanos de solidariedade e cooperação e, assim, assumirem a responsabilidade pelo desenvolvimento humano integral e pela proteção e participação das pessoas em movimento, de modo especial os refugiados. Um compromisso deste tipo implica o reconhecimento de que as migrações, independentemente das causas que as motivam, são uma oportunidade para as nossas sociedades construírem uma “casa comum” mais próspera e global, onde todos possam participar e viver com dignidade.

Os Governos de qualquer país só têm legitimidade para exercerem a prática governativa se defenderem e protegerem os migrantes forçados. Onde for necessário, há que rever o quadro legislativo de modo a suprir faltas na proteção e inclusão de refugiados, requerentes de asilo e trabalhadores migrantes, incluindo trabalhadores sazonais, temporários, assim como assegurar a reunificação familiar e proteção dos membros da família.

Compete aos Governos garantir que os empregadores não descartam as suas responsabilidades garantindo condições dignas de trabalho; compete-lhes investir, incondicionalmente, no combate contra o tráfico de seres humanos – um dos negócios mais rentáveis do mundo –, bem como todas as formas de exploração; compete-lhes promoverem a consciencialização da população em geral, mas fundamentalmente dos cidadãos e cidadãs que trabalham em serviços públicos e organizações da sociedade civil relacionados com os direitos humanos e a multiculturalidade; compete-lhes reforçarem a capacidade, formação e mandados de inspeções laborais, para que cheguem a todos os locais de trabalho onde os trabalhadores migrantes estão concentrados.

Ao referir-se à crise pandémica que atravessa o mundo, o Papa Francisco, na sua mensagem para o 106.º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado (que a Igreja Católica assinala no próximo dia 27 de setembro), afirma: “Este não é o tempo para o esquecimento. A crise que estamos a enfrentar não nos faça esquecer muitas outras emergências que acarretam sofrimentos a tantas pessoas.” Na mensagem, Francisco faz seis recomendações: (i) É preciso conhecer para compreender; (ii) É necessário aproximar-se para servir; (iii) Para reconciliar é preciso escutar; (iv) Para crescer é necessário partilhar; (v) É preciso coenvolver para promover; (vi) É necessário colaborar para construir.

Somos um povo a caminho da “terra da salvação”. Não esperemos que ela esteja só ao nosso alcance após a “passagem” para a vida eterna, mas comecemos a construí-la desde já aqui e agora.

 

Eugénio Fonseca é presidente da Cáritas Portuguesa

[Nota do 7MARGENS: A propósito deste Dia Mundial do Refugiado, o projecto Global Sisters Report, do National Catholic Reporter, disponibizou um livro electrónico sobre algumas situações de refugiados no mundo, nomeadamente América Latina, Europa, Médio Oriente e África. As pessoas interessadas podem aceder ao livro, em inglês, nesta ligação.]

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

O ressentimento não melhora o país

O ressentimento não melhora o país novidade

“O ressentimento é hoje um sentimento amplamente partilhado. Experimentado por muitos, o ressentimento é também bastante fomentado e instrumentalizado, designadamente pelos que julgam poder obter benefícios políticos ao assanhar emoções – através das redes sociais, sobretudo – e devastar a concórdia cívica.” A reflexão de Eduardo Jorge Madureira, no À Margem desta semana.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

É notícia

Entre margens

E o Seminário, terá responsabilidade?

E o Seminário, terá responsabilidade? novidade

Atravessei a década de 80 entre os muros de seminários. Três, ao todo. Dar-me-á esta circunstância a legitimidade para falar abertamente do meu susto? O meu susto é este: conheço pelo menos dois políticos portugueses (que os leitores facilmente identificarão) formados em seminários, cuja opção política está do lado daqueles que, na História, pensaram o povo como um rebanho de gente acéfala e incapaz. [Texto de Paulo Pereira de Carvalho]

Sínodo é representativo ou participativo?

Sínodo é representativo ou participativo?

Quando Francisco, na Jornada Mundial da Juventude, clamou “Todos, Todos, Todos” – e certamente também queria dizer “Tudo, Tudo, Tudo”–, não estava a confinar o chamado “Sínodo dos Bispos” a uma “representatividade saloia” baseada nas estruturas – algumas não existem! – da Igreja Católica Romana. Se assim fosse não seria necessário a inauguração de um novo enriquecimento da Igreja com a consigna “Todos, Todos, Todos”, mas tinha-se apoiado nas estruturas existentes. [Texto de Joaquim Armindo]

A propósito das eleições…

A propósito das eleições…

Uma das coisas boas que a revolução de 1974 nos trouxe foi a possibilidade de escolhermos os nossos representantes políticos. Para a geração dos meus pais, a revolução foi um momento intenso. Finalmente chegara a liberdade. Começaram a participar activamente na vida política, viram o fim da guerra colonial e uma descolonização tumultuosa, assistiam com interesse a debates políticos na TV, debatiam ideologias e as propostas de diferentes partidos políticos. [Texto de Marco Oliveira]

Cultura e artes

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

Sete Partidas

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This