O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

| 13 Nov 19 | Entre Margens, Últimas

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso, a ser abordado com todo o cuidado e não escondendo a dificuldade de argumentar e definir. Um tema que já aparece no século II, com Suetónio, passando pela Utopia, de Thomas More (século XVI) até aos nossos dias.

O folheto em questão merece ser discutido e criticado. A primeira reacção geral foi a de sentir que os “autores” ainda não sabem “ouvir bem” a “oposição”, sem preconceitos e sem se assumirem como juízes supremos. Não há bom diagnóstico sem paciente auscultação.

Este artigo reflecte diversas posições em discussões informais. Com liberdade e profundo respeito por todos. Cada frase representa uma posição, por vezes sem aparente ligação lógica. Pressupõe-se o conhecimento do folheto.

Eutanásia, aborto, suicídio referem situações-limite, que apenas podem ser analisadas com muita honestidade e humildade. O resultado desse estudo deverá ser, primeiramente, o máximo respeito pelas pessoas e o reconhecimento da impenetrabilidade dos sentimentos. Portanto, quer o Estado, quer a Igreja, quer quaisquer outras instâncias humanas não podem impor procedimentos concretos, sem mais.  Muito menos as “direitas” ou “as esquerdas”, que abusam de temas semelhantes para atrair adeptos ou combater instituições “reacionárias” (preferivelmente religiosa?).

 

1ª questão: O que é?

A eutanásia é um profundo e natural desejo do ser humano. Consciente de que nasce e morre por natureza, procura, como animal racional, não só eliminar sofrimento como potenciar os factores de agrado durante a sua existência.

Suicídio assistido não é equiparável a eutanásia. A comparação é forçada (por motivos ideológicos?). Quem pode dar definições exactas? Nem parece anti-humano recusar o prolongamento da vida – sem melhoria da qualidade de vida (cada qual é que sabe o que é). Aliás, a Associação de Médicos pretende que estes sejam independentes de leis (pouco racionais!) e atendam à razoabilidade da posição do doente que diga manifestar-se em “plena consciência” (tê-la-ão os nossos políticos, os médicos “de 10 minutos”, os líderes religiosos…?). Quanto à “obstinação terapêutica”, que impede “que a natureza siga o seu curso”, falta acrescentar os consequentes sacrifícios de ordem financeira e emocional. É possível educar para o maior bem de toda a Humanidade, sem limites de tempo e de espaço. A minha qualidade de vida implica a qualidade de vida de todos os demais. O que fica dito concorda com o parágrafo dos cuidados paliativos.

 

2ª questão: É lícito provocar a morte de uma pessoa a seu pedido?

Se a justificação for o mais possível razoável, sim. (Porém, a expressão “é lícito”, já implica uma lei previamente aceite). O perigo vem dos “assistentes”. Não faz sentido falar de direito à vida mas sim de direito a qualidade de vida. Quanta gente não foi internada como louca por motivos políticos? E pelos mesmos motivos, quantas pessoas são deixadas “à solta”? Mais uma vez, é patente que se disputa num terreno fatalmente desconhecido – onde se adensa o mistério da vida.

Falar de homicídio será uma posição preconceituosa. De novo, o perigo vem “dos outros”, que podem ter “interesses homicidas”.

 

3ª questão: É lícito provocar a morte para eliminar o sofrimento?

Outra pergunta sem sentido. Lembra a história do missionário que matava os recém-baptizados para lhes garantir o céu…

Trabalhar arduamente provoca a morte… A intenção é crucial – mas quem a pode avaliar? Por isso, cabe-nos aprofundar a complexidade destas situações, sem cair na tentação de mandamentos e muito menos de leis sujeitas a jogos políticos. Segundo o folheto, “o Estado afirma que a vida de pessoas doentes e em sofrimento já não merece protecção, não é digna de ser vivida”. Será assim? Já aconteceu na história recente; e a nível local, ainda acontecerá.

Ora é localmente que se pode agir com humanidade. Aliás, não é o tratamento médico que mais importa – mas o carinho que revela um amor incondicional perante quem sofre e está a morrer. Sacerdotes e instituições religiosas educam os seus membros para serem úteis e reconhecidos como úteis até ao fim da vida? E que sentido se dá a “útil para a sociedade”? Quanto ao suicídio, será uma fuga à dureza da vida, muito subjectiva e que não inclui necessariamente a realidade da morte.

Ao contrário do que se entende no folheto, cada pessoa deve ser útil até à morte. Sentir-se útil, sentir-se reconhecida como útil… Porque é sinal da dignidade da vida e leva toda a gente a reflectir sobre a coragem de viver – geradora de verdadeira alegria e mesmo de prazer. Vale a pena lembrar a inaciana “indiferença” por mais ou menos agrado.

Portanto não é correcto afirmar que a eutanásia “elimina a vida”. Mais correcto seria dizer:  é a vida que elimina a vida… (afirmação biologicamente aceitável, aliás).

 

4ª questão: A vida tem apenas um valor individual?

O Personalismo, sistema filosófico inegavelmente promotor da dignidade da pessoa, não escapa às limitações próprias do pensamento humano. Abriu caminho a posições individualistas, pouco atentas ao fenómeno da vida na sua globalidade. A vida é, para nós, a mais alta forma de energia, que nos possibilita dominar progressivamente toda a realidade, a partir da capacidade intelectual.

A vida da Humanidade vai surgindo na infinidade de manifestações ou surtos de vida singulares. Se estes não enriquecem a grande vida, são como flores sem fruto. O nado-morto, o soldado desfeito ou o velho “apagado”, mesmo que pareçam ignorados, contribuem para a expansão e aprofundamento do pensamento humano. Falar de qualidade de vida a nível individual não é lógico: os conceitos de vida e qualidade requerem experiência partilhada (sem incluir igualdade); moralmente, é uma farsa, se não há preocupação pela vida de todos. Nesta linha de pensamento, porém, posso (e até devo) “dispor da minha vida” para bem da Humanidade. Como pensamos que fez Jesus Cristo?

 

5ª questão: Quais as necessidades do doente em fim de vida?

Se temos a certeza que está em fim de vida, por que não cuidar sobretudo da sua “eu-tanásia”? O “alívio do sofrimento físico e psíquico” e o “apoio espiritual”, tudo bem condimentado por afectividade autêntica, só não são uma farsa se praticados ao longo da vida, nos maus e bons momentos. Como diz o povo: “As flores dão-se em vida e não só na morte.”

 

6ª questão: Quais as consequências da legalização da eutanásia?

A confiança entre médico e doente não é abalada por haver ou não uma lei: assenta, sim, no nível de formação espiritual de cada qual. De acordo com o que se disse ao princípio: não deve haver leis para casos extremos (que até deixariam de ser “extremos”…). Deve haver um esforço de auto-educação. E para tal, ninguém pode ficar indiferente. As instituições mais ligadas à educação e às humanidades devem proporcionar debates honestos e cada vez mais fundamentados na verdade que não é monopólio de ninguém. Por outro lado: a eutanásia não se opõe à medicina. É um caso extremo a que nenhum médico pode ficar alheio. Mas é sobretudo uma situação profundamente humana, da qual todos nós devemos tomar consciência. O problema é mais agudo justamente devido ao progresso da medicina, das técnicas de bem-estar, e da consciência de solidariedade social.

As Igrejas cristãs, entre outras, são contra eutanásia e aborto, mas não sabem acompanhar e ajudar, sem preconceitos e com verdadeira solidariedade e amor, o sofrimento dos que vivem a situação – e que podem achar mais sensato evitar um altamente provável sofrimento – para o próprio e para os outros.

Aliás, é toda a Humanidade que devia chorar por tantas perdas e sofrimento – lutando para que nada disso seja necessário. O que implica uma realista organização social (e planeamento familiar) – sem leis, mas com bom senso e boa informação dos factores em jogo.

 

7ª questão: A legalização da eutanásia é um progresso civilizacional?

Por tudo o que aqui foi dito, claro que não. Apelar muito a leis é sintoma de não querer ter o trabalho de pensar. Nomeadamente, não ter medo de reflectir sobre os valores que mais nos questionam. Nenhum valor é eterno ou inatacável.Valores não são dogmas: precisam de ser objecto de honesta e contínua reflexão pois, quer o assunto valorizado quer a expressão das valorizações se vão alterando ao longo do tempo, e por vezes devido a tragédias. Se amamos a vida da Humanidade, temos que nos saber educar.

Aborto, suicídio, eutanásia… têm que ser abordados com humanidade e não com legalidade.

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar novidade

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro novidade

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Taizé e os jovens: uma experiência que marca

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

Foi na Praça de São Pedro, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab.

Cultura e artes

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
14
Sáb
3º Concerto de Natal da Academia de Música de Santa Cecília @ Basílica do Palácio Nacional de Mafra
Dez 14@21:00_22:30

Entrada gratuita mediante o levantamento de bilhetes nos Postos de Turismo de Mafra e Ericeira

 

A Academia de Música de Santa Cecília, escola de ensino integrado de música, apresenta o seu terceiro concerto de Natal nos dias 14 e 15 de Dezembro, no Palácio Nacional de Mafra, classificado recentemente como Património Cultural Mundial da UNESCO.

Neste concerto participa um coro constituído por 250 crianças e jovens dos 10 aos 17 anos e uma orquestra de cordas de alunos da escola, a soprano Ana Paula Russo e ainda o conjunto, único no mundo, dos seis órgãos da Basílica de Mafra.

No programa estão representados vários compositores nacionais e estrangeiros, destacando-se a obra “Seus braços dão Vida ao mundo”, sobre um poema de José Régio, da autoria da jovem Francisca Pizarro, aluna finalista do Curso Secundário de Composição da Academia de Música de Santa Cecília.

O concerto assume especial importância não apenas pela singularidade do conjunto dos seis órgãos do Palácio Nacional de Mafra mas também pela dimensão do número de jovens músicos envolvidos.

A relevância do concerto manifestou-se em edições anteriores (2016 e 2017), pela sua transmissão integral na RTP2, tendo o concerto de Natal de 2017 sido difundido em directo para a União Europeia de Rádio. O concerto tem o patrocínio da Câmara Municipal de Mafra.

Programa do concerto

Arr. Carlos Garcia (1983)
Ó Pastores, Pastorinhos (tradicional de Alferrarede)

Francisca Pizzaro (2001)
Seus braços dão Vida ao mundo (sobre um poema de José Régio), obra em estreia absoluta, encomendada para a ocasião; Francisca Pizarro é aluna do curso secundário de Composição da AMSC

Arr. Fernando Lopes-Graça (1906-1994)
O Menino nas Palhas (tradicional da Beira Baixa)

Eurico Carrapatoso (1962)
Dece do Ceo (sobre um poema de Luís de Camões)

Arr. Carlos Garcia
Gloria in excelsis Deo (tradicional francesa) *

Franz Xaver Gruber (1787-1863) Arr. Carlos Garcia
Stille Nacht

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Alleluia, do moteto Exsultate, jubilate

Tradicional francesa
Quand Dieu naquit à Noël

Louis-Claude Daquin (1694-1772)
Noël X

Arr. Malcolm Sargent (1895-1967)
Zither Carol (tradicional da República Checa)

Tradicional do País de Gales
Deck the Halls

John Henry Hopkins Jr. (1820-1891); Arr. Martin Neary (1940)
We three Kings

Arr. Mack Wilberg (1955)
Ding! Dong! Merrily on High (tradicional francesa)

Arr. David Willcocks (1919-2015)
Adeste Fideles (tradicional), com a participação do público.

CANTORES E MÚSICOS
Ana Paula Russo, soprano

Ensemble Vocal da AMSC
Coro do 2º Ciclo da AMSC
Coros do 3º Ciclo e Secundário da AMSC

Orquestra de Cordas da AMSC
Pedro Martins, percussão

Rui Paiva, órgão da Epístola
Flávia Almeida Castro, órgão do Evangelho
Carlos Garcia, órgão de S. Pedro d’Alcântara
João Valério (aluno da AMSC), órgão do Sacramento Liliana Silva, órgão da Conceição
Afonso Dias (ex-aluno da AMSC), órgão de Sta. Bárbara

Carlos Silva, direcção da orquestra

António Gonçalves, direcção

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco