“O sangue congolês está na nossa tecnologia – Caddy Adzuba denuncia feminicídio no Congo

| 16 Dez 19 | Destaques, Direitos Humanos, Newsletter, Religiões e Mulheres, Sociedade - homepage, Últimas

Caddy Adzuba, na conferência de imprensa em que denunciou, em Madrid, o feminicídio por causa do minério procurado para processadores de telemóveis e outros objectos tecnológicos. Foto © Manos Unidas

 

A jornalista e activista de direitos humanos congolesa Caddy Adzuba denunciou na organização católica de desenvolvimento Manos Unidas (Mãos Unidas), em Espanha, o “feminicídio” que se verifica no seu país e que equivale a um genocídio. Tudo por causa das riquezas do país e que a leva a afirmar que “o sangue congolês está na nossa tecnologia”.

“O que acontece às mulheres não é um conto, mas uma realidade diária”, que se pode qualificar como genocídio. “É um feminicídio e como tal queremos que seja tipificado no Tribunal Penal Internacional. Por isso, o meu objectivo é lutar para que a voz das mulheres – dessas mulheres – seja escutada”, afirmou Adzuba, citada na página da Manos Unidas.

Nascida en Bukavu, na região dos Grandes Lagos da República Democrática do Congo, Caddy Adzuba recebeu quinta-feira, 12 de Dezembro, o Prémio Internacional Manos Unidas “em reconhecimento pelo seu contínuo compromisso com as mulheres vítimas da guerra e a sua dedicação e coragem em denunciar as causas e consequências, especialmente entre os mais vulneráveis, dos conflitos na República Democrática do Congo (RDC)”.

A jornalista disse que só viveu 14 dos seus 38 anos de idade numa situação de paz. “Sou a prova viva desta situação: toda a minha vida foi violência e conflito”, afirmou, citada pela mesma fonte. Mas, apesar disso e do medo que tem perante a realidade, considera-se uma privilegiada em comparação com outras mulheres “que vivem constantemente num pesadelo”.

“Na RDC a definição de violação, tal como se conhece nos países ocidentais, está amplamente superada”, afirmou a jornalista, que já recebeu em 2014 o Prémio Princesa de Astúrias da Concórdia. “No meu país, que tem no nome a palavra democrático, parece que matar seres humanos, mulheres, se tornou algo democrático”, ironizou Adzuba, a propósito da guerra que se verifica no país desde 1996 e onde se “experimenta o ódio pela vida humana”.

 

“Deus amaldiçoou-nos com a nossa riqueza”

Vender objectos e água para sobreviver na RDCongo. Foto © Emeric Fohlen/AIS-Portugal

 

As riquezas do Congo são a causa desta guerra, acusa a jornalista. “Mas o que acontece na RDC não diz respeito apenas à RDC, mas a toda a humanidade, porque a maldade do ser humano na busca das riquezas da RDC deveria interpelar-nos”, acrescenta.

Caddy Adzuba referia-se ao coltan, palavra que resulta da contracção de columbite e tantalite, minérios de onde se extraem o nióbio, também conhecido por columbite, e o tântalo, ambos fundamentais para fabricar microprocessadores, microcircuitos e baterias, que permitem o funcionamento de mísseis, foguetões espaciais, airbags ou telemóveis e jogos electrónicos, como se explicava e era conhecido já em 2002.

“O sangue congolês está na nossa tecnologia e é difícil evitá-lo”, mas é preciso “lutar para mudar as coisas, mudar as consciências da população e apelar às multinacionais para conseguir uma reparação de todo o dano que provocaram”. As mulheres da RDC “precisam que se faça justiça” e isso deve passar pela reparação do que lhes está a acontecer, de apoio financeiro para poder reorganizar a sua vida, de acesso à educação e à saúde e de protecção para elas e os filhos. “E, sobretudo, ter voz nos assuntos do país.”

O missionário espanhol Aurelio Sanjuan, que viveu 40 anos na RDC, sublinhou, na mesma conferência de imprensa em que participou a jornalista, a ideia da responsabilidade das multinacionais nesta guerra esquecida, que se regista desde 1996, e que já só raramente aparece nos média internacionais: “Eles dizem ‘Deus amaldiçoou-nos com a nossa riqueza’”, referiu o missionário dos Padres Brancos.

 

Requintes inimagináveis de crueldade

A guerra no Congo terá provocado já perto de quatro milhões de mortos e largos outros milhões de outras pessoas tiveram de fugir de suas casas.

Caddy Adzuba acrescentou que, ao contrário dos capacetes azuis da ONU, os militares que fazem a guerra no seu país passam fome. “Por isso vão pilhar, roubar, violar…” A violência sexual chega a requintes de crueldade inimagináveis: introduzem facas, varas ou garrafas de plástico a arder no sexo das mulheres atacadas. “A algumas meteram-lhes granadas, que explodiram dentro do seu corpo.”

Há casos ainda como a história de Mónica, que saiu uma manhã para comprar legumes: os militares apareceram, obrigaram o filho mais velho a violá-la, mataram o marido, violaram-na de novo eles, os homens armados, descreveu ainda, citada pelo Religión Digital.

Nos últimos cinco anos, Manos Unidas, que trabalha há décadas na RDC, apoiou projectos no valor de 6,7 milhões de euros. “Manos Unidas esteve sempre presente em todas estas dificuldades”, elogiou o missionário espanhol.

Crianças e deslocados de guerra no campo de Kanyaruchinya, em Goma (RDCongo), em Novembro de 2012. Foto © ACN/Portugal.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa avisa contra notícias falsas e louva a Bíblia como “história de histórias”

O Papa Francisco considera que a Bíblia é uma “história de histórias”, que apresenta um Deus “simultaneamente criador e narrador”. Na sua mensagem para o 54º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que a Igreja Católica assinala em Maio, o Papa desenvolve o tema “‘Para que possas contar e fixar na memória’ (Ex 10, 2). A vida faz-se história”.

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Bispo Jacques Gaillot: o que permanece novidade

Faz por estes dias 25 anos que Jacques Gaillot, arcebispo de Évreux (n.1935), foi dispensado da sua diocese, por intervenção e denúncia de católicos conservadores, manifestantes contra as suas causas sociais, os seus testemunhos e defesas formais em tribunal pelas “periferias,” pelos cidadãos sem documentos, pelos mais frágeis na sociedade. Parténia foi a sua “virtual” diocese sem fronteiras, em sequência. Hoje vive em Paris, com os padres Sanatarianos.

Franz Jägestätter

Foi com imenso agrado que vi o filme de Terrence Malik Uma vida escondida, sobre a vida de Franz Jägestätter, um camponês austríaco (beatificado em 2007) que, por razões de consciência, recusou prestar fidelidade a Adolf Hitler (em quem via incarnada a subversão completa dos valores cristãos) e assim servir o exército nacional-socialista, recusa que lhe custou a vida.

Taizé: continuar o caminho deste novo ano

Estive presente em mais uma etapa da peregrinação da confiança – o encontro europeu anual promovido pela comunidade de Taizé. A cidade que acolheu este encontro foi Breslávia (Wrocław), na Polónia, e nele estiveram presentes mais de 15 mil jovens de todo o mundo.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco