O Sétimo Selo 2.0

| 25 Mar 20

A pandemia de covid-19 parece ser a nova peste negra da Idade Média. Se antes a Igreja aterrorizava os fiéis com o inferno, agora correm o risco de despersonalização através do isolamento social.

O Sétimo Selo, de Ingmar Bergman

Imagem de O Sétimo Selo, de Ingmar Bergman

 

Faleceu recentemente, aos noventa anos, o actor franco-sueco Max von Sydow, que interpretou em O Sétimo Selo um cavaleiro da Idade Média regressado das Cruzadas e foi confrontado com a peste negra na sua terra. O filme, a preto e branco, é de 1956 e foi dirigido pelo consagrado Ingmar Bergman.

O filme desenrola-se em quadro apocalíptico num dos períodos medievais mais negros. Claramente inspirado no livro bíblico do Apocalipse (ou Revelação de S. João), move-se sobre a ideia de que Deus tem na mão um livro selado com sete selos e que a abertura de cada um desses selos redunda num mal para os homens, sendo que o último deles dará lugar ao fim dos tempos, mergulhado no terror apocalíptico do fim do mundo, ou da morte e devastação provocadas pela peste.

Parece que Bergman utiliza o pano de fundo da Idade Média com a intenção de partilhar a angústia do tempo em que o mundo vivia quando escreveu a peça de teatro que veio a dar origem ao filme. Na altura em que esta obra cinematográfica viu a luz do dia ainda se lambiam as feridas da II Guerra Mundial e o medo duma hecatombe nuclear ensombrava seriamente a vida das populações da Europa.

Depois, ainda havia que digerir os traumas da guerra com o seu cortejo impressionante de mortos, feridos, destruição e desorganização social, assim como o escândalo do Holocausto nazi, bem como a postura comprometedora de boa parte das igrejas em toda essa loucura. Persistia uma sensação geral de que tudo isso fora uma espécie de aviso para a verdade embaraçosa, de que o ser humano seria o responsável pelo apocalipse final que estava para chegar.

O enredo da estória centra-se no medo da morte. Regressado das Cruzadas, o cavaleiro tem que lidar com a simbolização da morte através duma personagem cujos encontros não consegue evitar e a quem desafia para uma partida de xadrez, no intuito de conseguir ganhar tempo, de modo a tentar descortinar o sentido da vida e preparar-se para o desenlace final.

Sendo a religião a chave para o entendimento do mundo e da vida na época, a verdade é que ela vai sendo fortemente questionada através das figuras que a representam, como aqueles que, através do teatro, falam em nome de Deus e recorrem ao terror do inferno para submeter o povo aos ditames de uma Igreja decadente e oportunista que associa a epidemia à ira divina. Aliás, quem mais fala em nome de Deus é uma personagem cujo passatempo favorito é furtar joias dos mortos, e que dez anos antes tinha convencido o cavaleiro a partir para as Cruzadas.

O isolamento social a que temos estado obrigados, primeiro moralmente e depois por força de lei, a prolongar-se demasiado vai provocar uma série de perturbações emocionais e familiares que não são de desprezar, pois a natureza dos humanos é gregária. Por outro lado, já há notícia de um aumento vertiginoso de divórcios na região chinesa mais castigada pela covid-19. Mas os efeitos futuros do ponto de vista das relações sociais pós-quarentena permanecem uma incógnita, tanto quanto a evolução concreta desta nova doença.

O facto é que a experiência da pandemia tanto pode potenciar uma maior coesão relacional e solidariedade, na esteira de alguns sinais que se vão já percebendo, como o seu contrário, na sequência do egoísmo que se tem verificado aqui e ali, e que levou ao açambarcamento inexplicável de produtos alimentares e de higiene, ou às notícias falsas difundidas nas redes sociais no sentido de provocar o pânico generalizado, como, por exemplo, inventar um número alucinante de mortos que estariam a ser propositadamente escondidos da comunicação social e das populações.

Relativamente à presente pandemia diz Joaquim Franco: “Solta-se a ameaça do mitológico caos, que remete para a matéria primordial, como se a ordem das coisas implicasse a coexistência com uma desordem originária e simultaneamente restauradora.”

Assim, o Sétimo Selo na sua actual versão pandémica seria, na cabeça dos mais aflitos, uma espécie de instauração do caos, na linha apocalíptica do fim do mundo, e presta-se à necessidade de encontrar um sentido e uma leitura hermenêutica. Mas é apenas mais um evento dos muitos em que a História tem sido fértil, desde o bug do milénio às previsões do fim do mundo por Nostradamus (1999) ou do calendário Maya (2012), passando por toda a espécie de epidemias.

Porém, os cristãos deveriam ter em conta que Jesus Cristo apenas se referiu aos últimos tempos em privado, e em resposta a uma pergunta dos discípulos. Não o fez por sua iniciativa: “E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?” (Mateus 24:3). É curioso, até porque revela que ele tinha mais que fazer e o foco da sua mensagem nunca foi esse.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Peste Malina novidade

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Afinal, quem são os evangélicos?

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco