O sofrimento como elemento axiomático da reflexão sobre a eutanásia

| 19 Fev 20

 

Graça Morais, Série “Sombras do Medo”, 2012; Aguarela e acrílico sobre papel. Col. Graça Morais

 

Após umas notas na página do 7MARGENS no Facebook, pedem-me para lhes dar forma de artigo a fim de poder ser publicado. Está bem. Por alguma razão, que não estará fora do entendimento de quem venha a ler estas linhas, lembrei-me de ir buscar à estante o disco Requiem for My Friend, do compositor contemporâneo Zbigniew Preisner. Há muito que penso que gostaria de o ter no meu funeral e, por maioria de razão, se algum dia eu for sujeito a eutanásia, no momento da passagem. Lamentavelmente não o encontrei, levando-me a recorrer a Schubert e à sua Missa dos Mortos. Não é a mesma coisa, mas serve… Considerando que estive prestes a encontrar o Senhor ainda há semanas, a perda daquele disco instrói-me no sentido de em breve passar por uma loja de música para o readquirir pois, como aconselha o Evangelho, devemos estar sempre preparados.

Tenho lido alguns artigos sobre a eutanásia. Apreciei especialmente o de Francisco Teixeira da Mota, o de André Lamas Leite e o de Paulo Bateira, aqui no 7MARGENS.

Este último tocou-me especialmente por ser o único (dos aqui publicados) que tem em devida conta a dimensão do sofrimento, elemento que, na minha perspectiva, deveria ser o eixo da nossa conversa sobre o tema da eutanásia. Há outros dois temas necessários que são a dignidade e o amor; no entanto, sem o sofrimento não pode haver lugar a qualquer discussão legítima sobre a eutanásia, a boa morte. É tudo por causa dele. Sublinhe-se, não é pela vida, nem pela morte, mas sim pela associação do sofrimento à vida e à morte.

Os demais artigos do 7MARGENS, todos com evidentes méritos e contributos importantes para a reflexão, parecem ignorar esta dimensão micro ou pessoal para se afundarem num mar de macros (cuja relevância não se nega), da evolução societária à filosófica. Nada tenho contra este nível da reflexão, desde que não venha por vias ínvias justificar ou explicar a necessidade do ranking do sofrimento físico e moral às portas da morte, como se fosse um corredor penitenciário que, quanto mais longo, melhor.

Também ao contrário de Tolentino Mendonça (citado por Luísa Ribeiro Ferreira), considero que dizer que “a vida dos fracos vale tanto como a dos fortes” é uma mensagem perturbadora porque, ainda que verdadeira, não serve para nada nesta conversa, pela simples razão de que não é de todo disso que se trata. Esta conversa é sobre a relação das pessoas com o sofrimento extremo junto a uma morte previsível, mas que tarda, mau grado a ajuda da ciência. E a este propósito é inteira – e decerto involuntariamente – falsa a afirmação da autora que “com o avanço da medicina, hoje podemos ter esperança de morrer serenamente”. Estamos longe de tal ocorrer, seja por falta de acesso a cuidados médicos, seja por impossibilidade científica.

Para mim, tão pouco colhe a ideia de Helena Valentim de que “confrontados com hipóteses como a da legalização da eutanásia, temos que valer-nos exatamente da capacidade de nos transcendermos” porque, de novo, parece situar-se nessa lógica de dissociação cognitiva da realidade vivida, alimentando a corrida ao ranking do sofrimento que refere Paulo Bateira. Quanto à evocação do hiper-capitalismo, sendo um facto incontestável que nele vivemos com os custos morais inerentes, parece-me ser igualmente dispensável, porque a dor mais profunda ante-morte há-de ser colocada em todas as situações da humanidade e em todas as culturas.

Também tenho dificuldade em acompanhar Jorge Wemans: “Não queremos ver, queremos esquecer… façamos de conta que não existe. Não é connosco, por favor alguém trate deles.” A mim parece-me o contrário: é porque vejo que não esqueço e não faço de conta que não existe; é comigo na qualidade de eventual cuidador ou de putativo candidato à eutanásia.

Parece-me a mim, na minha insignificância, que o que sapientemente refere o teólogo Andrés Torres Queiruga que mais premente é no debate actual: “Estou interessado em insistir que a eutanásia não é imediatamente um problema religioso mas um problema moral: procurar que recursos médicos, leis civis, auxílios pessoais são os mais adequados para ajudar a pessoa a enfrentar a sua morte com dignidade”. Porém, acredito que esta ideia precisa de ser completada com o referido aspecto do sofrimento.

Por outro lado, a questão da dignidade salientada na citação é algo precioso e especialmente oportuno face à corrente da valorização da vida – que a mim me parece ser da vida pela vida, como se esta fosse um valor absoluto e cimeiro. A dignidade na morte deveria suceder à dignidade da vida. Se a vida fosse o bem moral (não necessariamente jurídico) supremo, Jesus não teria – julgo eu – aceite o sacrifício lamentando “Pai, Pai, porque me abandonaste?”; nem haveria mártires dando a vida por Jesus ou pela justiça; nem a Igreja teria aceite a guerra, em condições extremas (tema especialmente complicado mas relevante para a causa).

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor

 

Por fim, o argumento do amor: “A legalização da morte assistida é tão só uma questão de concreta humanidade e de amor ao próximo” (Teixeira da Mota, no referido artigo). O amor é tudo, precisa de ser tudo e deve ser a chave das decisões. Para mim, amar o outro de quem dependo ou que de mim possa depender, implica reconhecer aquele tal sofrimento insuportável, naturalmente balizado eticamente e por normas rigorosas (sim, sempre falíveis). Neste quadro, e apenas neste quadro, a derradeira pergunta deveria ser: esse sofrimento desnecessário revela o quê? E releva para quê?

Um aspecto positivo de todos os artigos referidos é não haver relação directa entre a necessidade de cuidados paliativos e a eutanásia, nomeadamente do tipo daquela que vem da direita ultramontana, tristemente resumida nesta frase apanhada no Facebook: “Deixemo-nos de tretas. A eutanásia é um problema de custos. Fica mais barato do que montar uma rede de cuidados paliativos à séria“, o que constitui uma obscena e repugnante manipulação da opinião pública.

Noutro plano, é de referir que a eutanásia requer inequivocamente a concordância de duas partes: a do doente, expressa com consciência anteriormente ou no momento do pedido, ou presumida legitimamente em dado momento, e a do cuidador ou pessoal de saúde (a que o Conselho Nacional de Ética chamou de objecção de consciência). Tal como a ausência de concordância desta segunda parte não é superável por qualquer entidade ou pessoa, também não deve ser motivo para que a eutanásia deixe de ter consagração legal.

Uma última palavra para a sui generis mas interessante ideia de Jorge Wemans quanto ao referendo, que possibilitaria uma acalmia social e um reforço da validação democrática: “É possível e desejável auscultar os eleitores através de referendo sobre se consideram, ou não, que o tema deva ser objecto de legislação por parte da Assembleia da República durante esta legislatura”.

A terminar, relembro um recente testemunho, na televisão, de um candidato francês à eutanásia: “A vida é um direito, não um dever“, dizia ele, em sofrimento. Eu acrescentaria, no sossego da escrita: a vida é um direito e o dever é levá-la a sério.

Isto faz-me sentido. E a vocês?

(Entretanto, o Requiem terminou e passei a ouvir a voz de Amy Winehouse, espero que não se importem.)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

A esperança é uma coisa perigosa

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada…

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco