Jogos Olímpicos

O sonho de fraternidade de Francisco na Vila Olímpica de Tóquio

| 23 Jul 2021

jogos olimpicos foto jan jack russo media

“O que é visível com as bandeiras é muito mais evidente quando entras na messe e te dás conta de que estás num banho entre todas as cores do mundo”, afirma o capelão que acompanha uma das delegações nos Jogos Olímpicos. Foto © Jan Jack Russo Media.

 

“Na Vila Olímpica salta-me desde logo à vista a alameda arvorada de bandeiras. São dos países participantes nos Jogos desta Olimpíada, dezenas e dezenas de bandeiras”: esta é a primeira impressão relatada pelo capelão católico que acompanha uma das delegações presentes em Tóquio para participar na competição cuja cerimónia oficial de abertura decorreu nesta sexta-feira à tarde (hora de Lisboa), dia 23.

Num texto da agência noticiosa italiana Ansa, o padre Gionatan de Marco, de Itália, afirma: “o que é visível com as bandeiras é muito mais evidente quando entras na messe e te dás conta de que estás num banho entre todas as cores do mundo”.

“Cada delegação com a sua divisa e as suas cores, mas misturadas em harmonia num mar de cores que exaltam as diferenças de cada uma sem as opor, amalgamando-se num conjunto de unicidade que torna visivelmente concreta aquilo que comummente chamamos fraternidade”, assinala.

Na Vila Olímpica, acrescenta o padre, “toca-se pela mão aquilo que o Papa Francisco escreve na encíclica Fratelli tutti, reiterando como o mundo existe para todos, porque todos nós, seres humanos, nascemos nesta Terra com a mesma dignidade”.

Para Gionatan de Marco, “as diferenças de cores, religião, capacidade, lugar de origem, lugar de residência e muitas outras não se podem antepor ou utilizar para justificar os privilégios de alguns em detrimento dos direitos de todos”.

“Aqui toca-se pela mão a beleza de sermos únicos, mas no interior de uma comunidade extraordinária, em que cada atleta vive a sua experiência olímpica com o direito a sonhar uma vitória, sentindo que todos têm as mesmas oportunidades de subir ao pódio, independentemente de estar equipado com a camisola de um país rico ou com a de um país pobre”, acentua.

Nos Jogos Olímpicos, “as periferias desaparecem e há um único centro de gravidade: a alegria de ter realizado o sonho comum” de participar, conclui o padre Marco, diretor do Departamento Nacional para a Pastoral do Tempo Livre, Turismo e Desporto da Conferência Episcopal Italiana.

Não é a primeira vez que Gionatan de Marco acompanha uma delegação olímpica: a estreia foi em 2018, em PyeongChang (Coreia do Sul), nos Jogos Olímpicos de Inverno. Antes de partir, declarou: “A fé e o desporto têm muitas coisas em comum: a coragem, o treino, a alegria, o altruísmo e a fantasia de encontrar a maneira própria de exprimir a beleza que cada um traz consigo.”

A Igreja Católica “está comprometida no mundo do desporto para anunciar a alegria do Evangelho, o amor inclusivo e incondicional de Deus por todos os seres humanos”, afirmara em 2016 o Papa Francisco.

 

Rui Jorge Martins, na página do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura

 

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This