Editorial 7M

O tempo está a esgotar-se

, , e | 3 Mar 2023

Da esquerda para a direita: o presidente da CEP, José Ornelas, o vice-presidente, Virgílio Antunes, e o secretário, padre Manuel Barbosa, antes da conferência de imprensa desta sexta-feira. Foto © António Marujo/7Margens

 

Os bispos católicos tinham pela frente uma tarefa que não era fácil: estar à altura, nas medidas que viessem anunciar, da coragem de ter criado uma Comissão Independente para estudar os abusos sexuais de crianças nos espaços da Igreja e do impacto público que o relatório e as recomendações dessa Comissão deixaram em suspenso.

Como é evidente, as expectativas eram elevadas e provavelmente nem todas coincidentes. Mas era necessário que não ficassem dúvidas de que a Igreja Católica, através dos seus mais altos responsáveis, coloca as vítimas no centro dos seus cuidados; que assume responsabilidades incondicionais sobre a violência e a destruição por ela própria infligida, em evidente contradição com a mensagem que prega e deveria testemunhar; e que adota medidas claras e consistentes para restaurar a confiança perdida.

Pode dizer-se que a meia dúzia de medidas anunciadas são positivas, em si mesmas. Desde logo, a disposição para assegurar o apoio espiritual, psicológico e/ou psiquiátrico às vítimas de violência e abuso sexual que o desejarem. E devemos também registar que o comunicado traduz o mínimo denominador comum, entre os que querem avançar (com o presidente da CEP, José Ornelas, à cabeça), e os que consideram que o trabalho da CI já bastou para lhes dar dores de cabeça.

A criação de uma comissão independente para continuar a receber denúncias e a escutar novos casos de vitimização e abuso foi um compromisso assumido pelo presidente da CEP. Importa que a designação que lhe foi dada (“grupo específico”) e a articulação com a Equipa de Coordenação Nacional das Comissões Diocesanas de Proteção de Menores não coloquem em causa as suas funções de garante da escuta independente das vítimas e de acompanhamento da concretização dos compromissos assumidos pelos bispos.

Na conferência de imprensa alguém perguntou ao bispo José Ornelas se o que foi agora anunciado poderia ser visto como uma “mão cheia de nada”, ao que ele respondeu que, pelo contrário, se tratava de uma “mão cheia de compromissos”. Esperamos que esses venham a dar resultados. Mas nada, nem o comunicado nem tais compromissos, contempla a vontade de enfrentar com seriedade e determinação a razão principal dos abusos: o clericalismo e o que ele significa de poder sem controlo, de impunidade sem limites.

A verdade é que, quer entre jornalistas quer entre vários comentadores, a sensação que ficou, depois de terminado este encontro, foi o de um certo vazio. De alguns conteúdos importantes, de tom e atitude. Faltou compaixão e assertividade e, perante a tragédia do que está em causa, esperavam-se ambas as coisas. E se na véspera o bispo Américo Aguiar dizia que a “tolerância zero e transparência total” teriam de ser efetivas a partir das resoluções desta assembleia, ficamos, mais uma vez, com a sensação de que essas são apenas expressões de momento, sem adesão à realidade.

 

Afinal não há nada de sistémico?

conferencia de imprensa apos a 204a assembleia plenaria da CEP, em Fatima, 10.11.2022. Foto c Clara Raimundo

A presidência da CEP com jornalistas em Novembro passado. Foto © Clara Raimundo/7Margens.

 

A questão da lista de mais de uma centena de alegados abusadores acabou, de certa forma, esvaziada. Como é óbvio, seria inaceitável acusar quem quer que fosse sem factos e provas. E é mais do que compreensível o esforço que fez o presidente da Conferência Episcopal a explicar que não basta ter um nome sobre a mesa, para desencadear uma ação. Mas o bispo pode acionar a figura da suspensão de funções nos casos em que haja risco de vitimização, enquanto se reúne informação que permita avaliar se há ou não motivos para um processo. A mensagem que importa assegurar é que as potenciais vítimas não corram riscos; e que se atuará de imediato, mal haja comunicação de uma denúncia.

Por outro lado, ao decompor a lista geral distribuindo-a pelas dioceses e remetendo para o bispo de cada diocese a apreciação dos respetivos casos, estamos a perder a perspetiva de conjunto, ignorando que tipo de situações existem, onde é que se concentram e o que podem significar. Por outras palavras: não estamos aqui perante um problema meramente administrativo ou canónico, mas de lógica de funcionamento da Igreja, em termos hierárquicos, que surge como mero agregado de dioceses, sem uma estratégia comum.

Um facto notório no texto final foi a ausência da questão da cultura sistémica de encobrimento e de silêncio. Já se viu que é conceito que não faz parte do vocabulário dos bispos portugueses. Nem uma vez ele surge no comunicado e, quando um jornalista o colocou, não encontrou resposta.

Ora, se como diz, e bem, o comunicado que saiu da assembleia episcopal, quem comete abusos “tem de assumir as consequências dos seus atos e as responsabilidades civis, criminais e morais daí decorrentes”, não deveria acontecer o mesmo com quem encobre, esconde e varre para debaixo do tapete?

Os bispos, que manifestam justamente alto apreço pelo trabalho desenvolvido pela Comissão Independente, não se pronunciam, uma vez que seja, pelo que se diz nesse relatório sobre o comportamento de pelo menos alguns de entre eles. E fogem quanto podem do que lá se diz sobre a natureza sistémica da cultura dos abusos.

Por outras palavras: os bispos são contundentes na afirmação da “tolerância zero” relativamente aos abusadores de crianças e outras pessoas vulneráveis (ainda que não expliquem o que tal quer dizer em concreto). Mas são completamente omissos quanto aos comportamentos de ocultação e encobrimento desses abusos. Acaso a tolerância zero não tem de se aplicar também a estes?

Não basta, por conseguinte, que os bispos façam, em Igreja, um ato de pedido de perdão ou deixem registado um memorial às vítimas da própria Igreja (e não apenas dos perpetradores de abusos). Como faz notar o Papa Francisco, na intenção de oração para este mês, não basta pedir perdão.

Dizia o presidente da CEP, já na parte final da conferência de imprensa, “não ter dúvida de que é preciso mudar uma cultura [subjacente aos abusos] na Igreja e na sociedade”. Mas que é senão manifestação dessa cultura o poder clerical(ista) que não se põe em questão, mesmo quando é visível para toda a gente que é também uma certa forma de entender e exercer esse poder que produz a cultura dos abusos – de crianças, de pessoas vulneráveis, especialmente mulheres?

Em certa medida, os bispos deram dois passos em frente ao criarem uma Comissão competente e independente para estudar os abusos. Mas se não deram, agora, um passo atrás, pelo menos não terão conseguido colocar a Igreja, perante si mesma e perante a sociedade, num caminho que a credibilize naquilo que ela já faz em vários setores: ser uma Igreja de proximidade, de serviço aos mais descartados, um sinal de esperança na vida de muita gente.

Ainda está a tempo. Mas não por muito mais tempo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This