O terceiro ponto da ordem de trabalhos

| 25 Ago 2022

Mapa da Aldeia, Posto de Saúde de Jocotan, Guatemala © Luis Castanheira Pinto | 2022

Mapa da Aldeia, Posto de Saúde de Jocotan, Guatemala. Foto © Luis Castanheira Pinto | 2022.

 

Camotán é um município rural do departamento de Chiquimula, Guatemala. Situado a cerca de 200 kms da capital. Mesmo junto à fronteira com a vizinha Honduras. Aproximadamente 35.000 habitantes. Mais de 4 horas de carro. Estrada sinuosa. Descomposta. Uma das mais mortíferas da América Central, dizem. Paisagens verdes. Vulcões ao fundo. Alguns activos. Montes e vales. E montanhas. Plantações. Agricultura de subsistência. Níveis de desnutrição infantil elevadíssimos. Muito. Mesmo.

A Guatemala não é um país pobre. Não quando comparado com outros países com que trabalho. Trabalhamos. Ali se observa o chamado “paradoxo da nutrição”. Investimento em massa nas últimas décadas. Governos consecutivos, ONGs e organizações internacionais. Programas armados e orientados por muitos. Especialistas. Políticas públicas. Trabalho nos gabinetes e no terreno. Concertado. Aparentemente. 

Estamos agora no posto de saúde Jocotan. Uma aldeia do município de Camotán. Emília é ali a única enfermeira. E a única administrativa. A única funcionária. A única pessoa que ali trabalha, na verdade. Vacinas. Medicação. Consultas de obstetrícia. Sessões de planeamento familiar. Urgências. Registo de dados. À mão, evidentemente. Cadernos que leva semanalmente à vila, para processamento no computador que não existe no seu posto de saúde. Na parede da sala, o mapa feito à mão das habitações da aldeia. Cada utente conhecido e seguido criteriosamente. Cada criança. Cada mãe. Individualmente. Emília conhece-os todos. Nasceu ali.

Fazemos as perguntas possíveis. Ou impossíveis, não sei. Procuramos não ferir ainda mais. Emília responde a todas com empenho. Dir-se-ia que entusiasmadamente. Não esconde o orgulho. Há uma aura de alegria à sua volta. Será? O desafio maior chega por palavras, sem rodeios, apesar de envergonhadas. A falta de água para lavar as mãos. Está lá tudo. O lavatório portátil. O depósito à medida. O sistema engenhoso de activação. Mas falta a água. Do que Emília mais sente falta neste momento.

Regressamos à ‘cabeça do município’, como lhe chamam. A reunião é da COMUSAN. Um espaço de governação integrada, municipal. Preside o Alcaide. Sentam-se à mesa os demais representantes. Muitos. Quase todos os que de direito. Aldeias, ministérios, associações locais, projectos. A todos é devida a voz. O programa assim o determina. Trata-se nada menos que da Grande Cruzada pela Nutrição da Guatemala. 

A tenda improvisada teima em contrariar o ambiente formal que se impõe. O tom é solene. Estão cá convidados. De Washington. A agenda de trabalhos é longa. O primeiro ponto da agenda é a abertura. Palavras de cortesia do senhor Alcaide. O agradecimento atento, respeitoso e minucioso a cada representante. Conhece-os todos. Um a um. Na formalidade do momento destoa o sentimento de proximidade. Descobre-se uma beleza subtil nesta intimidade mal disfarçada. 

O segundo ponto da agenda é a aprovação da ordem de trabalhos. Simples. Curto. Sem margem para discussão, diríamos. E no entanto. Dois pontos adicionais propostos. Incluídos e aprovados de forma expedita. Nenhuma voz fica por ouvir.

Segue-se então a ordem estipulada da agenda. Ponto por ponto. E o seguinte estava lá escrito. Desde o início. Muito antes da reunião começar. A oração. O terceiro ponto da ordem de trabalhos.

O microfone pertence agora ao funcionário do município. Não ao Alcaide. Não ao padre. Não aos voluntários das associações religiosas presentes. Não. A oração cabe ao funcionário. Todos de pé. Todos. Cabeça baixa. Vertem-se então as palavras de agradecimento e de prece. Por este momento. Por todos os presentes. Pelo seu trabalho. Pelas crianças deste município. Pelos seus líderes. Pelo pão e água na mesa. Pelo fim último desta reunião. Agradece-se ao Pai. Numa prece tanto dita como sussurrada. E sobretudo sentida. 

Assalta-me uma comoção mal contida. Junto-me a esta oração que parece de todos e de cada um, ao mesmo tempo. Desajeitado, peço por Emília. Que este sopro divino lhe traga a água de que tanto precisa.

Luís Castanheira Pinto é licenciado em economia, tem-se dedicado às questões do conhecimento, aprendizagem e desenvolvimento de competências e trabalha no Banco Mundial, em Washington DC (Estados Unidos). É casado e pai de três filhos. Viveu anteriormente no Porto, Lisboa, Bruxelas e Copenhaga.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores