O Vaticano pede paróquias missionárias, mas insiste na norma jurídica e na predominância do padre

| 29 Jul 20

Um documento do Vaticano aponta um “sentido missionário” e um impulso renovador às paróquias católicas, mas gasta mais de metade do texto a repetir normas jurídicas já conhecidas. Chovem as críticas.

Paróquia São Brás. Missa.

Missa numa paróquia católica em Portugal: o documento da Congregação do Clero insiste num modelo centrado no padre. Foto © Arlindo Homem/Ecclesia

 

É um documento que quer as paróquias católicas com um impulso renovador “no sentido missionário”, desafiando-as à “criatividade” e a ser comunidades inclusivas e atentas aos mais pobres, porque as mudanças sociais devem levar a respostas novas, capazes de “transformar tudo”. Mas, apesar desses objectivos, mais de metade da instrução pastoral sobre “A conversão pastoral da comunidade paroquial a serviço da missão evangelizadora da Igreja” repete normas jurídicas sobre nomeações, organização e administração, reafirmando que os leigos não podem ter qualquer papel de liderança e reduzindo vários organismos a um papel consultivo dos párocos.

A instrução, publicada pela Congregação para o Clero (CC), do Vaticano, segunda-feira, 20 de Julho, começa por enunciar um conjunto de boas intenções e princípios, citando várias afirmações do Papa Francisco sobre a necessidade da criatividade ou de desclericalizar estruturas e ideias, por exemplo. Este já pode ser um indicador: o actual Papa fica a perder para o Código de Direito Canónico, que é citado 87 vezes (quase sempre directamente), num total de 183 notas, algumas das quais remetem também para outros documentos normativos da Igreja. Ou seja, abunda visão jurídica, falta visão pastoral, teológica, bíblica e espiritual.

O documento repete “frases feitas e recordações canónicas, sem trilhar propostas novas”, comenta ao 7MARGENS o padre João Alves, responsável da paróquia da Vera-Cruz, em Aveiro. “Parte de uma compreensão canónica da paróquia que limita” a abertura a novos entendimentos para além do território, que ele próprio critica, e não tem em conta “novas abordagens” e experiências: “Parece ser mais uma instrução apologética da ortodoxia do direito do que alimento de outros caminhos, tentando porventura até bloqueá-los”, afirma, estranhando desde logo porque é que um texto sobre paróquias é publicado pela Congregação para o Clero, como se pode ler neste outro texto publicado no 7MARGENS.

Na Alemanha, onde alguns bispos têm começado a tentar novas experiências de orientação paroquial, vários deles manifestaram-se “irritados” com os “padrões anteriores” que o texto traduz e que não ajudam a travar a desmotivação de muitos leigos, criticando a forma e o conteúdo do documento, como se dá conta nesta outra notícia.

Mas, no mesmo país, onde a Igreja Católica iniciou um Caminho Sinodal, o cardeal Walter Kasper, que chegou a presidir ao Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, e noutras ocasiões apareceu como muito crítico de organismos do Vaticano, apoia a instrução e o seu objectivo da “conversão pastoral a um caminho missionário”. A ideia é cara ao Papa Francisco, diz, e um elemento central para o catolicismo contemporâneo, tendo em conta “o número de pessoas que deixam a Igreja Católica na Alemanha” – só entre 2018 e 2019, foram mais 272.771.

 

“Olhar para quem precisa de Deus”

O cardeal Beniamino Stella, prefeito da CC e principal responsável pelo documento, justifica o texto com as ideias de responder à escassez de clero no Ocidente e ao facto de os limites geográficos das paróquias terem desaparecido. Ao Vatican News, Stella disse que a mobilidade e as necessidades das pessoas devem levar a olhar para lá “da paróquia tradicional”, e a olhar para “o mundo juvenil, o mundo daqueles que precisam de Deus, mas não sabem qual estrada tomar”. Mas as reformas, avisava, não podem surgir apenas do “gosto” ou do “capricho de competentes e especialistas”.

No documento, começa por afirmar-se que as paróquias devem estar mais vocacionadas para a evangelização do que para a autopreservação, e encontrar formas de proximidade em relação a todas as pessoas que vivem no seu território, olhando também para lá desse confim: “A crescente mobilidade e a cultura digital dilataram os confins da existência.”

É “urgente envolver todo o Povo de Deus” no rejuvenescimento da Igreja, adequando o serviço “às exigências dos fiéis e das alterações históricas”, lê-se também. A paróquia é ainda chamada a fazer “propostas diversificadas” na acção pastoral e na aproximação à palavra bíblica e deve superar actividades “sem incidência na vida das pessoas concretas”, na “tentativa estéril de sobrevivência, diversas vezes acolhida pela indiferença geral” e que se arrisca a ser “autorreferencial” e a “esclerosar-se”.

A instrução pastoral propõe “a redescoberta da fraternidade” e da “cultura do encontro”, de modo a “desenvolver uma verdadeira e própria ‘arte da proximidade’ que ajude a superar a solidão. E a paróquia deve ser, em síntese, uma “comunidade de comunidades”, “inclusiva, evangelizadora e atenta aos pobres”.

O documento sugere, assim, que a mudança de estruturas exige antes de mais “uma mudança de mentalidade e uma renovação interior. Critica a “clericalização da pastoral”, diz que “o sujeito responsável da missão é toda a comunidade”, uma vez que “a Igreja não se identifica somente com hierarquia” e que o presbítero “não pode” substituir o povo.

 

Corresponsabilidade dos leigos… no sustento das paróquias e dos padres

Moradores de rua na paróquia de S. Miguel, rua Taquari, em São Paulo (Brasil): o texto fala em paróquias inclusivas e atentas aos mais pobres. Foto © Tony Neves

 

Engana-se quem queira retirar destes princípios um maior envolvimento dos crentes nos processos de participação e decisão das paróquias. Toda a segunda parte do texto (capítulos VII a XI, do parágrafo 42 ao 121) se limita a enunciar normas jurídicas sobre a junção de paróquias, a sua liderança pastoral, os cargos e ministérios, os organismos de corresponsabilidade eclesial e as ofertas para a celebração dos sacramentos.

O documento chega mesmo a referir a possibilidade de vários párocos poderem viver em comum – há estudos e inquéritos que apontam a solidão como um dos principais problemas de muitos padres –, mas diz que isso não é uma “obrigação”. Nem sequer reflecte sobre o modelo de formação dos seminários, que muitos teólogos e especialistas têm “culpado” como causa da incapacidade de muitos padres viverem em pequenas comunidades.

Aos leigos, recorda-se que “não podem em nenhum caso proferir a homilia durante a celebração da eucaristia”, e aqueles que integram os conselhos económicos paroquiais fazem-no apenas título “consultivo” – o pároco é quem preside e toma as decisões. No capítulo dos “organismos de corresponsabilidade eclesial”, as regras para os conselhos dos assuntos económicos vêm, aliás, antes das que se referem aos conselhos pastorais – por definição, a estrutura de decisão e programação mais importante da paróquia.

Se os fiéis não podem aspirar a ter mais participação e corresponsabilidade nas decisões, já a sua parte na manutenção das paróquias e dos seus párocos não é esquecida: os sacramentos não são para pagar como se houvesse um “imposto sobre sacramentos”, mas os fiéis devem contribuir para “o sustento dos ministros” do culto e das actividades paroquiais. Por isso, devem sentir a paróquia como “coisa sua” e que serem sensibilizados para a necessidade do contributo. Mas, chama-se ainda a atenção, os padres devem fazer bom uso do dinheiro e ter uma “vida sóbria e sem excessos em nível pessoal”, a par de uma “gestão dos bens paroquiais transparente”.

O documento chega ainda a sugerir expressões de linguagem a evitar, que possam levar a um entendimento exagerado do papel dos leigos ou outros colaboradores. Por exemplo, “confiar o cuidado pastoral de uma paróquia”, “presidir a comunidade paroquial” são expressões que se referem apenas ao “ministério sacerdotal, que compete ao pároco”.

Na conclusão, o texto retoma as propostas iniciais, para insistir em que a paróquia não pode ficar presa do “imobilismo ou duma preocupante repetitividade pastoral” e se deve redescobrir “como lugar fundamental do anúncio evangélico, da celebração da eucaristia, espaço de fraternidade e caridade, de onde se irradia o testemunho cristão para o mundo”.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Papa pede que se evite “espiral de violência” no Médio Oriente

Depois de ataques do Irão contra Israel

Papa pede que se evite “espiral de violência” no Médio Oriente

O Papa pediu este domingo, no Vaticano, que se evite uma “espiral de violência” no Médio Oriente, reagindo aos ataques que o Irão lançou contra Israel, na última noite. “Quanto sofrimento, rezemos pela paz. Basta de guerra, basta de ataques, basta de violência! Que haja diálogo e que haja paz.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Entre margens

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

História de uma alma

História de uma alma

Não me é fácil ler com agrado obras de caráter espiritual com ou sem cariz autobiográfico. Em boa medida, muitas dessas obras refletem conceções com as quais não me identifico. Espelham um cristianismo individualista, voltado para o “aperfeiçoamento” pessoal, sem qualquer atenção a aspetos de natureza social. [Texto de Jorge Paulo]

Cultura e artes

José Carlos Cantante: “A libertação era o tema que me mobilizava na música”

7MARGENS/Antena 1

José Carlos Cantante: “A libertação era o tema que me mobilizava na música”

“O tema que me marcou mais desde o início foi o da libertação: tinha a ver com o problema da falta de liberdade que havia na altura até 1974 e que eu percebi que era um tema fundamental, que me mobilizava.” A afirmação é de José Carlos Cantante, arquitecto de formação, compositor por vocação, autor de algumas dezenas de músicas para a liturgia católica, que aliam a sua experiência de vida e os temas que encontra na realidade à experiência crente e à reflexão sobre a Bíblia.

Sete Partidas

Por quem os sinos dobram

Por quem os sinos dobram

Nas férias da passagem de ano li Não Terão o Meu Ódio, o diário que Antoine Leiris escreveu nos dias que se seguiram ao ataque ao Bataclan [em Paris], onde perdeu a sua companheira. O quotidiano subitamente rasgado pela violência. As coisas simples: a hora do banho do filhinho, as papas que as mães de outras crianças do infantário preparavam para o bebé, os vestígios da existência da companheira no cheiro das coisas espalhadas pela casa, nos rituais. E em tudo, para sempre: a sua ausência. [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

Qual foi o crime do “padre vermelho”?

7Margens/Antena 1

Qual foi o crime do “padre vermelho”?

Deputado “vermelho” e autarca, o padre José Martins Júnior foi suspenso durante 44 anos das suas funções na Igreja. Mas insiste em que o seu “crime” foi, depois do 25 de Abril, ajudar as populações. Readmitido em Julho de 2019, Martins Júnior conta, nesta entrevista, como foi suspenso e diz como olha para a política e a Igreja neste momento.

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This