O velho equívoco político da Igreja 

| 11 Set 19 | Entre Margens, Últimas

Os ecos da promiscuidade político-religiosa de países do continente americano soam estranhamente na Europa, a quem a modernidade ensinou a separar as águas, para benefício mútuo dos Estado e das religiões.

 

No islão, mesmo os países considerados democráticos revelam uma grande dificuldade em respeitar o princípio laico da liberdade religiosa. Tal circunstância decorre duma certa interpretação corânica inspirada na sharia, que resulta em não conseguir separar a vida pública da religião nem da vida privada dos cidadãos. No Ocidente vemos hoje emergir fenómenos sociais de recorte populista também através da via religiosa, como nos Estados Unidos com figuras como Donald Trump, ou no Brasil, com Bolsonaro, enquanto versão tropical do primeiro.

Do ponto de vista do cristianismo, consideremos a vertente católica-romana como ocupando um lugar à parte, tanto pelo facto de se organizar em sistema de pirâmide, como por ter a sua sede mundial num território independente – o Vaticano – e por isso o seu chefe máximo se apresentar como chefe de Estado, sendo também um líder político, embora sui generis. Isto permite exercer uma influência inigualável por comparação com as demais confissões cristãs. Embora o arcebispo de Cantuária ocupe o lugar de líder espiritual da Igreja de Inglaterra e referência da Comunhão Anglicana – sendo a rainha a sua chefe formal –, a verdade é que os anglicanos não possuem a mesma visibilidade ou poder político.

Porque o mundo protestante não se organiza em estrutura de pirâmide, é raro surgirem líderes que os representem a nível global. O evangelista americano Billy Graham (falecido em 2018) foi uma excepção, dada a sua notoriedade, que lhe advinha do facto de ter pregado em grandes campanhas evangelísticas por todo o mundo. Foi o primeiro a conseguir juntar lado a lado, num mesmo estádio, negros e brancos na África do Sul ainda sob o regime do apartheid, e o único a ter acesso a regimes comunistas antes da queda do Muro de Berlim. Mas também se tornou conhecido por ter desempenhado o papel de conselheiro de presidentes dos Estados Unidos, como Eisenhower, Nixon, Johnson, Bill Clinton e os Bush.

O facto é que as igrejas cristãs sempre procuraram mover-se próximo do poder secular. E as que não tinham acesso aos corredores do poder ansiavam por isso, numa evidente contradição com o princípio bíblico e os ensinamentos de Cristo, que sempre afirmou: “O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” (João 18:36). E quando foi confrontado com uma questão política, a partir duma pergunta sobre o pagamento de impostos a Roma, fez questão de separar as águas: “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Lucas 20:25). Podemos então dizer que foi o próprio Jesus Cristo o primeiro a invocar o princípio do estado laico.

Então por que motivo a Igreja nalguns países revela ânsia de estar perto do poder, para o influenciar ou mesmo exercer? Talvez porque a Igreja se deixou seduzir pela glória dos homens, que Jesus sempre rejeitou: “Eu não recebo glória dos homens” (João 5:41). Ou porque deixou de acreditar que a Igreja pertence a Cristo e que é Ele mesmo quem a defende e não a classe política: “(…) edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16:18). Alguns dos líderes judaicos punham a sua fé no Nazareno mas não o assumiam em público por causa dos radicais (fariseus) que os poderiam expulsar do meio religioso: “Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus” (João 12:43).

Grupos neopentecostais e igrejas evangélicas tomam Bolsonaro como ungido de Deus, atirando assim para o lixo os seus próprios princípios éticos, além da boa educação e do senso comum. O mesmo fazem os evangélicos americanos à volta de Trump. A sede do poder é tão grande que cega o entendimento. No caso brasileiro trata-se duma reacção epidérmica a décadas de corrupção, à persistente insegurança e à agenda fracturante dos governos anteriores.

Mas este sector religioso tem vindo a investir fortemente e há décadas na política, fazendo eleger os seus pastores – que deviam dedicar-se antes ao ministério – como prefeitos, vereadores e parlamentares, através do sistema do “curral eleitoral” (fazendo campanha nos púlpitos e dando aí indicação pública de voto!) a fim de beneficiar as igrejas. Uma dupla perversão, quer do múnus pastoral, quer do verdadeiro propósito da política. Um desastre, que levou até a chamada “bancada (parlamentar) da Bíblia” a revelar-se como a mais corrupta do país…

A cereja em cima do bolo foi agora a unção com óleo e oração – com pompa e circunstância – por um líder neopentecostal corrupto em favor do católico Bolsonarodepois de já anteriormente ter prestado apoio pelo menos a Lula, Dilma e Temer. Ou seja, o que interessa mesmo é estar colado ao poder. E tanto melhor quando se retribuem os favores.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
21
Ter
Viagem pela Espiritualidade – Conversa com Luís Portela @ Fund. Engº António de Almeida
Jan 21@18:15_19:15

Conversa em torno do livro Da Ciência ao Amor – pelo esclarecimento espiritual, de Luís Portela, com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e a participação de Isabel Ponce de Leão, Luís Carlos Amaral, Luís Miguel Bernardo, Luís Neiva Santos,
Manuel Novaes Cabral e Manuel Sobrinho Simões

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco