400 mil deslocados

O vulcão Nyiragongo irrompe em mais uma tragédia no Congo

| 1 Jun 21

Populações da região de Goma, no leste do Congo, em fuga do vulcão Nyiragongo. Foto: Direitos reservados.

 

Cerca de 400 mil pessoas estão a deixar as suas casas na região Leste do Congo, por causa das ameaças de mais erupções do vulcão Nyiragongo. As autoridades obrigaram à evacuação de dez distritos da cidade de Goma, situada a 20 quilómetros do vulcão, junto ao lago Kivu e à fronteira do Congo com o Ruanda.

Esta é mais uma tragédia a juntar à guerra, à pobreza extrema, ao trabalho escravo, aos surtos de ébola e covid, à depredação de recursos, aos cinco milhões de deslocados que já existem e outras calamidades que assolam a região. Até ao momento, a actividade vulcânica custou já a vida a pelo menos 30 pessoas, que morreram na sequência de uma erupção no dia 22, como recorda a Deutsche Welle, rádio pública alemã.

Muitos milhares puseram-se, entretanto, em fuga e o governador militar do Kivu Norte, tenente-general Constant Ndima Kongba, decretou a evacuação “obrigatória” dos 10 distritos da cidade, por receio de que possa ocorrer um desastre de consequências ainda mais dramáticas. A região continua a sofrer terramotos de até 4,5 na escala de Richter, com casas a cair como castelos de areia. A Cáritas Congo já referiu que os danos causados pela erupção vulcânica são colossais.

Antecipando uma nova possível catástrofe e de acordo com os vulcanólogos, as autoridades decretaram a saída da população para a cidade de Sake, disse Constant Ndima, citado pelo jornal digital congolês 7Sur7.

O militar apelou à saída calma e sem precipitação, mas as cenas dos últimos dias mostram que poucos o terão ouvido: muita gente amontou-se à espera de barcos, camiões ou carrinhas de transporte, em luta por um lugar.

“As pessoas devem levar o mínimo possível [15 quilos de bagagem, no máximo], para dar a todos uma oportunidade de embarcar e depois de terem tido o cuidado de fechar as suas casas”, acrescentou ainda o responsável, citado pela mesma fonte, garantindo que os serviços de segurança pública iriam patrulhar os bairros “para garantir a segurança de bens e pessoas”.

De acordo com Constant Ndima, a evacuação é obrigatória e as actuais actividades sísmicas na cidade indicam a presença de magmas sob o solo urbano de Goma com uma extensão equivalente à do Lago Kivu – ou seja, mais de 40 quilómetros.

 

Confiar poder aos militares, que violam os direitos humanos

Populações à espera de transporte, em fuga do vulcão Nyiragongo. Foto © ACN Portugal.

 

Enquanto o vulcão natural pode provocar um desastre, os outros vulcões já o fazem diariamente: a Rede de Paz para o Congo (RPC) avalia de forma muito negativa a militarização de todo o Leste do país, após mais de 20 anos de violência. No dia 6 de Maio, de forma a tentar resolver o problema da violência na região, o Presidente Felix Tshisekedi deu plenos poderes aos militares em Ituri e Kivu-Norte, a região onde se situa o vulcão Nyiragongo e a cidade de Goma.

“Parece surpreendente confiar plenos poderes aos militares, quando as forças de segurança nacionais parecem ser responsáveis por quase metade dos actos de violência cometidos”, assinala um comunicado da Rede, uma associação com origem nos missionários católicos italianos que trabalham na região Leste do Congo.

Neste documento, citado pelo serviço de notícias das Obras Missionárias Pontifícias, a Rede avalia um mês de militarização. O comunicado cita dados de Março passado, do Comité Conjunto das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), segundo os quais 47% das violações dos direitos humanos são cometidas por agentes estatais, ou seja, membros do exército e da polícia, e os restantes 53% pelos vários grupos armados.

“A concessão de plenos poderes aos militares é portanto”, diz o texto, “uma questão de grande preocupação não só para as organizações de direitos humanos, mas também para a própria população local”. Especialmente, acrescenta, porque as medidas tomadas no contexto do estado de sítio, ou lei marcial, têm sido particularmente radicais.

O comunicado cita ainda a Human Rights Watch, segundo a qual “as autoridades militares podem realizar buscas em casas particulares tanto de dia como de noite, impedir publicações e reuniões que possam ser consideradas violações da ordem pública, restringir a circulação e o movimento de pessoas, e deter qualquer pessoa suspeita de perturbar a ordem pública”. Além disso, os tribunais militares irão substituir os tribunais civis, o que a Rede contesta por ser “contrário às normas nacionais e internacionais”.

A RPC recorda ainda que “muitos soldados do exército congolês são antigos membros de grupos armados que aí foram integrados na sequência de sucessivos acordos de paz entre o governo” e esses grupos. “A integração de antigos membros de grupos armados no exército foi sempre um fracasso, tanto devido à sua falta de profissionalismo e disciplina, como devido à sua tendência para desertar novamente”, acusa a Rede.

Razões, acrescenta o texto, que levam a concluir que “tentar reconstruir a paz com os mesmos actores que semeiam o caos há vinte anos é uma aposta arriscada para o Presidente Tshisekedi”. A solução militar não tem em conta que “as causas da insegurança são, de facto, muitas: ausência de autoridade estatal, exploração ilegal dos recursos naturais, conflitos territoriais, rivalidades políticas, fracasso dos programas de desarmamento, desmobilização e reintegração”, acrescenta o documento, numa reafirmação do que tem sido denunciado por diferentes pessoas e grupos e que o 7MARGENS já referiu em outras ocasiões.

A destruição levada a cabo por esses grupos continua, aliás, a fazer-se sentir na região. Num depoimento em vídeo enviado à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, o bispo católico da diocese de Butembo-Beni, Paluku Sekuli Melchisédech, denuncia a destruição de escolas e hospitais. Professores, alunos e mesmo doentes nos hospitais – há pessoas mortas diariamente, diz.

“Muitos assistiram à morte dos seus pais, há muitos órfãos e viúvas. Aldeias foram queimadas. Estamos num estado de miséria total”, resumia o bispo, sobre uma situação que tem sido marcada, como recorda a mesma fonte, por conflitos étnicos, pilhagem de matérias-primas e o aparecimento de bandos armados, que muitas vezes se reivindicam do extremismo jihadista.

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Acordo histórico

G7 estabelece em 15% a taxa mínima de IRC

Os ministros das Finanças dos setes países ocidentais mais ricos chegaram a acordo durante os encontros paralelos da cimeira do G7, que decorreram sexta e sábado, 5 de junho, em Londres, para fixar a taxa de IRC sobre as empresas num mínimo de 15 por cento. A decisão dá início a um processo de reforma do sistema financeiro mundial da maior importância, pondo em causa os paraísos fiscais e a tendência de décadas de redução das taxas sobre lucros das empresas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Cardeal Marto: sem espiritualidade, caímos em novas escravaturas

O bispo de Leiria-Fátima, cardeal António Marto, defendeu neste domingo o respeito pela dignidade humana, ligada à dimensão espiritual: “Sem esta dimensão espiritual, a vida em sociedade torna-se um caos, fica entregue à lei do mais forte”, afirmou neste domingo, 16.

Entre margens

Entre Margens

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Entre Margens

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Homenageando o artesanato

Os novos tempos transformaram, ainda que provisoriamente, os hábitos que muitos de nós tínhamos bem arreigados. O conceito de descanso, tantas vezes associado a férias em paragens longínquas, passou a contemplar simplesmente sair de casa e chegar-se a destinos que, apesar de próximos, não tinham ainda sido, para muitos, explorados.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco