Obra Vicentina de Auxílio aos Reclusos denuncia limitação nas visitas às prisões

| 1 Out 2020

Eucaristia católica no Estabelecimento Prisional de Lisboa, dia 6 de Março de 2020.

A última eucaristia católica no Estabelecimento Prisional de Lisboa antes de entrar em vigor em Portugal o estado de emergência, 6 de Março de 2020. Foto © Filipe Teixeira/Jornal Voz da Verdade

 

A Obra Vicentina de Auxílio aos Reclusos (OVAR) tem estado em contacto com diferentes grupos parlamentares na Assembleia da República com o objetivo de “sensibilizar” para a “humanização do sistema prisional” em Portugal e lamenta que continue a existir “uma limitação muito grande” nas visitas aos estabelecimentos prisionais.

Um dos grandes objetivos da instituição é que “as prisões deixem de ser ignoradas pela esmagadora maioria da nossa opinião pública”, explicou o presidente, Manuel Almeida dos Santos, em declarações à agência Ecclesia, esta segunda-feira, 28 de setembro.

Para o responsável da OVAR, é preciso “fazer com que as prisões sejam instituições humanas” e ter, no horizonte, o objetivo da “abolição das prisões”, tal como aconteceu no passado “com a abolição da escravatura e da pena de morte”.

Neste momento, uma das preocupações da Obra prende-se com a “retoma” das visitas aos estabelecimentos prisionais, que Manuel Almeida dos Santos considera ser ainda “muito débil”. O presidente da OVAR sublinha que continuam a ser aplicadas limitações não só aos visitadores voluntários da Obra, mas também aos familiares dos reclusos, que “só têm possibilidade de estar com eles uma vez por semana, meia hora, e nos dias úteis”.

“Uma parte central do nosso trabalho é o contacto direto e próximo, respondendo àquilo que são as suas necessidades, não só de natureza espiritual, como material e de ligação à família”, explica Manuel Almeida dos Santos. Um trabalho que tem sido muito dificultado devido às limitações impostas na sequência da pandemia.

Também a Peregrinação Nacional da Pastoral Penitenciária, destinada aos trabalhadores das prisões, assistentes espirituais e religiosos, reclusos e seus familiares, que deveria ter-se realizado em Fátima no passado sábado, foi cancelada.

A Pastoral Penitenciária dinamizou, em alternativa, uma “Peregrinação ao Interior”, para a qual preparou um guião que incluía uma mensagem do bispo Joaquim Mendes (da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana) e do padre João Gonçalves (coordenador nacional da Pastoral Penitenciária), um programa com a oração do terço, a possibilidade de eucaristia ou celebração da Palavra e ainda um momento de oração comum proposto para as 17h, que foi rezado “em sintonia” pelas comunidades de vários estabelecimentos prisionais.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This