Prevenção e sensibilização

Oikos: “Ativa-te contra o Tráfico de Seres Humanos”

| 31 Jul 21

trafico humano, Foto ONU

A Oikos pretende sensibilizar para o tema do tráfico humano. Foto © ONU

 

O tráfico de pessoas é crime e é ao mesmo tempo o terceiro negócio mais lucrativo do mundo com cerca de 30 mil milhões de euros de lucro por ano, afirma a Oikos, uma ONG que acaba de lançar uma campanha para combater o problema.

A campanha intitula-se “Ativa-te contra o Tráfico de Seres Humanos” e destina-se, segundo um comunicado da organização, citado pela agência Ecclesia, a “informar e sensibilizar jovens e adultos” perante a realidade do tráfico de pessoas, “desconhecido e invisível” para a maioria.

“Este é um fenómeno que, apesar de real e próximo das pessoas, é ainda desconhecido e invisível para a maioria”, pode ler-se no comunicado.  Em Portugal, segundo a Oikos, existem “281 casos sinalizados, um aumento de 38% face a período comparável”, a “maior parte das vítimas sinalizadas são do género masculino e adultas” e maioritariamente “exploradas para fins laborais em explorações agrícolas”. As “vítimas do género feminino adultas estão maioritariamente associadas ao tráfico para exploração sexual”.

Para apoiar esta campanha, foram produzidos diversos materiais pedagógicos, formativos e informativos, fanzines, guias e roteiros, que podem ser consultados no site aberto para o efeito.

 

 

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar novidade

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Esta é a Igreja que eu amo!

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This