Excertos da Índia

Olhares baços no horizonte baço

| 24 Ago 2021

Índia

“O sorriso apagado e a dor de sentir que a vida lhe roubou o direito ao amor.” Foto: Captura de ecrã do vídeo

 

É nas terras de horizonte baço
que os direitos são mais negligenciados,
pensava eu ao caminhar por ruas tranquilamente infernais
numa tentativa de compreender o que via e sentia.

Meninos descalços, sem nome
São meninos de olhos vazios e mão estendida
E eu, que sou também mãe, filha, irmã, sobrinha, tia, neta, amiga, amante… amada
Porque me daria a vida sobras de afeto se a eles nada disso pode dar?

E eu, ser egoísta e mimado, que morreria se, por um só dia, os papéis se invertessem.
E eu, que não mais pude parar de me interrogar

O menino descalço, sem nome, doente de amargura
que, de punho fechado e dentes cerrados,
me atinge o ventre furioso.
Que fazes tu aqui de visita ao nosso inferno – pensaria eu –
se nem uma moeda nos trazes, odiosa visitante
que testemunhas a nossa humilhação?

E o meu coração que suplica perdão sem que se ouça.
Tanto lhes faz, a agonia permanece.

E outro menino descalço, sem nome, que geme
com lágrimas já secas e decorarem-lhe as faces imundas.
E eu, que nada mais sei do que ser um comum humano, com nome e sobrenome,
podre, egoísta, indiferente, sensível, acomodada.

E outro menino descalço, sem nome,
e mais lágrimas e mais desespero e mais súplicas e mais puxões
E eu, que não lhes dou moedas, não aqueço da indignação que magoa,
quase desisto, mas rendo-me de uma vez e deixo de temer o toque.

E eu, que lhe passo a mão pela cabeça, que lhe roubo um sorriso
que lhe peço um tempo para partilhar o momento
E ele, que permanece sorrindo
E ele, que tenta
E ele, que desiste
E eu, que tiro do bolso um papel e lápis de cor
E ele, que se senta a meu lado e desenha sem parar,
torce os lábios de concentração e esforço
Reflete, aprecia o seu próprio desenho e mostra-mo esperando aprovação
Eu aplaudo e, finalmente, ele se orgulha
talvez pela primeira vez na sua breve vida.
Volta ao desenho para me provar a destreza.
Eis que a ponta do vermelho, pelos vistos a sua cor favorita, se esgota
E eu procuro outra cor entre os lápis espalhados
E eu, que lhe explico como usar um afia para resgatar a ponte vermelha
E ele, que novamente sorri.
Admirado, experimenta e consegue
E sorri de novo.

Não lhe dei nenhuma moeda senão o melhor de mim
que ainda é tão pouco.
É pela vida fora que vou descobrindo o quão pobre e fraca sou
cobarde, negligente, egoísta.
Não trago comigo senão a eternidade daquele momento
o desenho esforçado daquele menino descalço
de olhos tão baços quanto o horizonte da sua terra

E ele, que não levou senão um par de lápis de cor
colocado cuidadosamente no bolso mais seguro das rotas vestes.
O sorriso apagado e a dor de sentir que a vida lhe roubou
o direito ao amor para dar de sobra aos meninos de outras terras
só porque lá o horizonte é mais azul.

“Não lhe dei nenhuma moeda senão o melhor de mim que ainda é tão pouco.” Foto: Captura de ecrã do vídeo.

 

(Vídeo e declamação do texto. Ver)

 

Ana Sofia Brito é performer e artista de rua por opção, embora também mantenha a arte de palco; frequentou o Chapitô e estudou teatro físico na Moveo, em Barcelona.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This