Olhares sobre as pessoas com deficiência

| 1 Mar 19

Há dias recebi, pelo Facebook, o discurso de uma jovem actriz que revela bem a urgência de olharmos as pessoas com deficiência com outro olhar que não o do modelo médico, que analisa os défices, procurando compensá-los para devolver à sociedade uma pessoa “integrável”, ou seja, conforme às normas sociais no comportamento, no padrão de beleza, na capacidade de competir, etc., etc. Este modelo continua a dominar e, nas últimas décadas, acrescido do receio de os médicos poderem ser processados se “deixarem nascer” seres com anomalias genéticas, sobre as quais impende o prognóstico irracional de serem pessoas cuja vida não vale a pena ser vivida. Quase sempre é dito que será um “vegetal”, assustando os futuros pais em nome duma “raça pura”. Ou passámos para o modelo da prescindibilidade, usado em Esparta na Antiguidade, mas também por Hitler… Raça pura? Zero defeitos? Quem tem?

A diversidade humana é imensa e o olhar com que se olha os outros catalogando-os, é um risco que Sarah Gordy bem descreve. Ouvi-la (ou lê-la, neste caso) é um encanto. Na sua simplicidade, fala para todos nós, que nos sentimos tantas vezes com dúvidas sobre o nosso valor e o sentido das nossas vidas ao longo do ciclo vital! O que ela diz vem directo do coração e dos seus afectos e a força da sua convicção brota da experiência vivida e da vontade de superação e aceitação do que ela é. Aprendamos com ela a olhar a vida com esperança, acreditando que todos temos um lugar único em todas as fases da vida. Em muitos momentos da nossa vida nenhum de nós corresponde às normas sociais referidas acima.

Para os cristãos, quando se preparam para iniciar o tempo de Quaresma, esta mensagem de esperança e de redenção pode tocar muito, como a mim me tocou:

Vamos embora, construir o futuro!

Discurso de Sarah Gordy, actriz de comédia britânica (que por acaso tem trissomia 21). Ela foi recentemente condecorada pela Rainha britânica e é a primeira pessoa com trissomia 21 a receber um diploma honorário numa universidade britânica. A Universidade de Nottingham homenageou a sua carreira de actriz que milita pela inclusão das pessoas com esta diferença genética.

“Não dêem ouvidos à dúvida. Não liguem às etiquetas que vos põem. Acredite em si! Ninguém conhece o seu potencial. Ninguém conhece o seu futuro. Este tem que ser construído por cada um.

Muitas pessoas, frequentemente médicos, pensaram que eu ia viver uma vida muito limitada. Presentemente eu não digo; ajo, faço. Aprendi de cor textos de escritores talentosos. Actuei na televisão, em palcos, na rádio. Não me limito a falar: faço campanhas, sou militante. Sou uma embaixadora da Associação Mencap e falei nas Nações Unidas, no Dia Internacional da Trisomia 21. Não me limito a andar: agora danço!

Se tivesse acreditado no que as pessoas diziam que eu podia ou não podia fazer, não teria feito nada disto. E não estaria aqui, diante de vós, neste palco, olhando para vós com os vossos maravilhosos diplomas!

Nas vossas vidas existirão talvez momentos em que alguém duvidará de vós… Existirão momentos em que duvidarão de vós mesmos. Não dêem ouvidos à dúvida. Não liguem às etiquetas que querem colar-vos à vossa pele. Acreditem em vós! Ninguém conhece o vosso potencial. Ninguém conhece o futuro. Compete-nos a nós construí-lo. Compete-nos a nós decidir o que queremos fazer.

Vamos embora, construir o futuro! Obrigada.”

Artigos relacionados

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia 

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Cultura e artes

Rosa Luxemburg: revolucionária, pacifista, um ser humano total

O nome desta mulher foi desde a sua morte, em 1919, utilizado por diversos sectores da sociedade de diferentes modos: sanguinária, sectária, comunista, esquerdista, marxista-leninista, anarquista, ecologista, feminista… afinal, quem foi verdadeiramente Rosa Luxemburg?

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

O que nos aconteceu? A pergunta do cardeal Tolentino e os pactos necessários

São precisos novos pactos – na comunicação, entre gerações, na comunidade e para o ambiente. Ideias defendidas pelo cardeal Tolentino Mendonça, que vê este tempo como uma oportunidade para novas experiências que a Igreja Católica deve fazer para se aproximar de quem se afastou. E que aponta uma necessária “conversão ecológica” por parte das comunidades cristãs, que ainda não integraram a encíclica Laudato Si’, na sua prática.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco