Olhares sobre as pessoas com deficiência

| 1 Mar 19

Há dias recebi, pelo Facebook, o discurso de uma jovem actriz que revela bem a urgência de olharmos as pessoas com deficiência com outro olhar que não o do modelo médico, que analisa os défices, procurando compensá-los para devolver à sociedade uma pessoa “integrável”, ou seja, conforme às normas sociais no comportamento, no padrão de beleza, na capacidade de competir, etc., etc. Este modelo continua a dominar e, nas últimas décadas, acrescido do receio de os médicos poderem ser processados se “deixarem nascer” seres com anomalias genéticas, sobre as quais impende o prognóstico irracional de serem pessoas cuja vida não vale a pena ser vivida. Quase sempre é dito que será um “vegetal”, assustando os futuros pais em nome duma “raça pura”. Ou passámos para o modelo da prescindibilidade, usado em Esparta na Antiguidade, mas também por Hitler… Raça pura? Zero defeitos? Quem tem?

A diversidade humana é imensa e o olhar com que se olha os outros catalogando-os, é um risco que Sarah Gordy bem descreve. Ouvi-la (ou lê-la, neste caso) é um encanto. Na sua simplicidade, fala para todos nós, que nos sentimos tantas vezes com dúvidas sobre o nosso valor e o sentido das nossas vidas ao longo do ciclo vital! O que ela diz vem directo do coração e dos seus afectos e a força da sua convicção brota da experiência vivida e da vontade de superação e aceitação do que ela é. Aprendamos com ela a olhar a vida com esperança, acreditando que todos temos um lugar único em todas as fases da vida. Em muitos momentos da nossa vida nenhum de nós corresponde às normas sociais referidas acima.

Para os cristãos, quando se preparam para iniciar o tempo de Quaresma, esta mensagem de esperança e de redenção pode tocar muito, como a mim me tocou:

Vamos embora, construir o futuro!

Discurso de Sarah Gordy, actriz de comédia britânica (que por acaso tem trissomia 21). Ela foi recentemente condecorada pela Rainha britânica e é a primeira pessoa com trissomia 21 a receber um diploma honorário numa universidade britânica. A Universidade de Nottingham homenageou a sua carreira de actriz que milita pela inclusão das pessoas com esta diferença genética.

“Não dêem ouvidos à dúvida. Não liguem às etiquetas que vos põem. Acredite em si! Ninguém conhece o seu potencial. Ninguém conhece o seu futuro. Este tem que ser construído por cada um.

Muitas pessoas, frequentemente médicos, pensaram que eu ia viver uma vida muito limitada. Presentemente eu não digo; ajo, faço. Aprendi de cor textos de escritores talentosos. Actuei na televisão, em palcos, na rádio. Não me limito a falar: faço campanhas, sou militante. Sou uma embaixadora da Associação Mencap e falei nas Nações Unidas, no Dia Internacional da Trisomia 21. Não me limito a andar: agora danço!

Se tivesse acreditado no que as pessoas diziam que eu podia ou não podia fazer, não teria feito nada disto. E não estaria aqui, diante de vós, neste palco, olhando para vós com os vossos maravilhosos diplomas!

Nas vossas vidas existirão talvez momentos em que alguém duvidará de vós… Existirão momentos em que duvidarão de vós mesmos. Não dêem ouvidos à dúvida. Não liguem às etiquetas que querem colar-vos à vossa pele. Acreditem em vós! Ninguém conhece o vosso potencial. Ninguém conhece o futuro. Compete-nos a nós construí-lo. Compete-nos a nós decidir o que queremos fazer.

Vamos embora, construir o futuro! Obrigada.”

Artigos relacionados

Breves

Asteroide batizado com nome de astrónomo jesuíta do Vaticano

O asteroide, designado 119248 Corbally, tem cerca de um quilómetro e meio de diâmetro e foi descoberto a 10 de setembro de 2001 por Roy Tucker, engenheiro recentemente reformado, que trabalhou na construção e manutenção dos telescópios usados pelo padre jesuíta.

“Lei de naturalização dos sefarditas” num debate em vídeo

“A lei de naturalização dos sefarditas” é o tema de um debate promovido pela Associação Sedes, nesta quinta-feira, dia 2 de Julho, entre as 18h e as 20h. A iniciativa conta com a participação de Maria de Belém Roseira e José Ribeiro e Castro, dois dos mais destacados opositores à proposta de alteração à lei da nacionalidade apresentada pela deputada Constança Urbano de Sousa (PS).

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia 

Entre margens

Economista social ou socioeconomista? novidade

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

O valor da vida não tem variações

Na verdade, o valor da vida humana não tem variações. Não é quantitativo (não se mede em anos ou de acordo com qualquer outro critério), é qualitativo. A dignidade da pessoa deriva do simples facto de ela ser membro da espécie humana, não de qualquer atributo ou capacidade que possa variar em grau ou que possa ser adquirido ou perder-se nalguma fase da existência. Depende do que ela é, não do que ela faz ou pode fazer.

Iniciativa Educação: Uma janela aberta à aprendizagem

Há uns anos – ainda era professora do ensino secundário –, uma pessoa amiga tinha duas filhas com personalidades muito diferentes. Foi chamada à escola do 1º ciclo do ensino básico. A professora disse-lhe que a filha mais nova não conseguira chegar aos objectivos propostos e que caberia a ela, mãe e responsável pela educanda, decidir se a filha deveria passar para o ano seguinte ou não.

Cultura e artes

Arte, literatura e renovação cristã

Se falo de um renovador da arte a partir de uma perspetiva cristã, devo recordar o exemplo de Graham Greene (que o arquiteto João de Almeida bem conhecia e admirava). E dou o exemplo de Monsignor Quixote (1982, tradução portuguesa: Europa-América, 1984), o relato de uma viagem à Espanha pós-franquista, num tempo de diálogo com o comunismo e de renovação do catolicismo pós-conciliar.

Aos 101 números, “Le Monde des Religions” deixa de se editar em papel

“Nas nossas sociedades em que o religioso é constantemente tema de debate, em que a busca de sentido se torna cada dia mais premente, Le Monde des Religions propõe uma descodificação das religiões, espiritualidades e sabedorias da humanidade, numa abordagem laica e não confessional”. A constância e a premência referidos no início do texto agora em destaque no site da revista francesa poderiam indiciar um reforço do trabalho editorial, mas na realidade anunciam apenas o fim da publicação da revista em papel.

Vaticano pede aos media que dêem “notícias justas e precisas” sobre as questões religiosas

A delegação da Santa Sé pediu aos media que não se escondam “atrás da liberdade de expressão como justificação para a discriminação, hostilidade ou violência contra uma religião ou seus membros”. O apelo foi feito durante uma reunião sobre a liberdade de expressão, dinamizada pela Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que decorreu esta terça-feira em Estrasburgo.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco