Apelo à ação imediata

OMS e igrejas juntas para discutir crise alimentar

| 31 Mai 2022

Nyanchau Teny, de dois anos, em Rumbek, Sudão do Sul, a beber uma infusão de folhas de árvore que permite tratar tosse, diarreias e vómitos, resultados da má nutrição. Foto © UNHCR/Rocco Nuri

Nyanchau Teny, de dois anos, em Rumbek, Sudão do Sul, a beber uma infusão de folhas de árvore que permite tratar tosse, diarreias e vómitos, resultados da má nutrição. Foto © UNHCR/Rocco Nuri

 

Um enviado especial da Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu uma ação imediata sobre a crise alimentar que afeta o mundo, numa reunião organizada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI).

Sobre a mesa esteve a discussão da crise alimentar global que a guerra na Ucrânia exacerbou e trouxe à tona, mas também pistas e soluções uma vez que, para este responsável, citado num comunicado do CMI, a humanidade pode e deve tomar medidas corretivas neste campo, no da justiça económica e da crise climática.

Numa reunião realizada com participantes de todo o mundo, especialmente de África, David Nabarro, enviado especial da OMS para a Covid-19, exortou as igrejas e os líderes comunitários da sociedade civil a tomarem medidas imediatas.

Para David Nabarro alertou: “Precisamos de agir para que não tenhamos que lembrar o ano de 2022 como o ano em que se produziu uma crise de civilização porque, após a pandemia, a humanidade não conseguiu encontrar uma forma de promover a equidade, a realização de direitos e o bem-estar, não só das pessoas, mas também do nosso belo planeta.” E completou: “Desta forma, poderemos oferecê-lo às gerações futuras como um lugar de esperança e crescimento.”

O enviado especial da OMS explicou que antecipou o atual estado das coisas em julho do ano passado, “ouvindo muitos ministros da Agricultura, que participaram numa reunião em Roma, dizendo um após o outro que isto não está a funcionar: as mudanças climáticas, a Covid-19 e os conflitos estão a colocar a segurança alimentar dos nossos povos numa situação verdadeiramente preocupante”.

Sistemas de comércio não funcionam

Para Nabarro, citado pela mesma fonte, os sistemas de comércio mundial não funcionam e os países dependem de importações devido à crise da Covid-19 e não podem obter os produtos de que precisam. “Devido às mudanças climáticas e à Covid-19, os agricultores, e especialmente os pequenos agricultores e pescadores, não conseguem produzir o que precisam”, apontou o responsável.

Já Marianne Ejdersten, diretora de Comunicações do CMI, estabeleceu a cronologia dos fatores que desencadearam a crise atual: “O mundo está  a enfrentar uma crise alimentar desencadeada pela guerra num dos principais ‘celeiros’ do mundo, deixando muitos outros lugares a enfrentarem fome severa; no entanto, o planeta já estava a viver uma crise alimentar antes do início da guerra na Ucrânia.”

O cenário é pouco otimista, pintado com as letras mais carregadas: “Uma nova crise global está a surgir da guerra na Ucrânia, com o potencial de fazer milhões passarem fome, aumentar os preços dos alimentos e provocar distúrbios para além da zona de conflito.” E Marianne Ejdersten destacou que 811 milhões de pessoas deitam-se com fome todas as noites.

“Juntas, Rússia e Ucrânia respondem por mais de um quarto da oferta mundial de trigo que é exportada para países como o Egito, o Líbano, a Turquia, o Iémen e a Somália, entre muitos outros”, explicou Marianne Ejdersten. “Nesses países estão as populações mais vulneráveis do mundo.”

Por sua vez, Sofía Monsalve Suárez, secretária-geral da FIAN Internacional, uma organização internacional de direitos humanos sobre o direito à alimentação e nutrição, destacou que é fundamental analisar quando a crise começou.

“Poderíamos dizer que estamos em crise desde 2007, se nos lembrarmos da primeira grande crise alimentar que tivemos naquela época e das desigualdades em termos de controlo da terra e dos recursos naturais, bem como em termos de justiça fiscal, a questão da dívida — são todos exemplos das causas estruturais desta crise alimentar”, afirmou Sofía Suárez.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This