ONU proclama 22 de agosto como Dia Internacional das Vítimas da violência religiosa

| 5 Jun 19 | Direitos Humanos, Liberdade religiosa, Newsletter, Sociedade - homepage, Últimas

A assembleia geral da Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou o dia 22 de agosto como o Dia internacional das Vítimas da violência religiosa. Com este importante passo, a ONU pretende condenar todos os atos de violência contra as pessoas por causa da sua religião ou crenças.

De acordo com Martin Kugler, presidente do Conselho Executivo do Observatório sobre a Intolerância e a Discriminação contra os Cristãos na Europa, “as Nações Unidas estabeleceram muitos dias de memória, mas até agora nenhum deles havia sido dedicado à liberdade de religião”. O mesmo responsável denunciou ainda que, “em particular, a perseguição contra os cristãos é um drama atual que, muitas vezes, não recebe a devida atenção: as elites ocidentais, culturais e não somente políticas, têm relutância em falar em voz alta sobre esse problema e em pronunciar abertamente o nome dos cristãos em tal contexto”.

A deliberação da ONU de dedicar o dia 22 de agosto à memória das vítimas de violência por motivos religiosos foi apresentada pelo ministro polaco Jacek Czaputowicz. O diplomata defendeu que o propósito da ONU deve ser o de “erradicar o ódio e os atos de violência relacionados com a religião ou as crenças e fortalecer o diálogo inter-religioso”, disse.

Esta medida, proposta pelo Brasil, Canadá, Egipto, Iraque, Jordânia, Nigéria, Paquistão, Polónia e Estados Unidos da América (EUA), foi aceite por consenso.

Os EUA, no entanto, aproveitaram a ocasião para acusarem o governo chinês de violência religiosa contra os seus cidadãos. O representante americano no Conselho Económico e Social da ONU, Austin Smith, afirmou que na região chinesa de Sinkiang “mais de um milhão de pessoas de várias minorias religiosas foram presos arbitrariamente em campos desde abril de 2017”. O diplomata americano adiantou ainda que há “indícios de trabalhos forçados, torturas e mortes nesses campos”. E pediu à comunidade internacional para que pressione a China a respeitar os direitos dos muçulmanos, cristãos, budistas tibetanos e membros do movimento religioso Falun Gong.

Por sua vez, o representante chinês na ONU respondeu que os alegados campos eram centros de formação profissional e educativa contra a pobreza. E perante as acusações dos EUA, contra-atacou recordando o tratamento dos norte-americanos aos seus povos indígenas.

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco