Abusos de poder e sexuais

Onze freiras rompem “o véu do silêncio”

| 24 Nov 2021

freiras religiosas abusos foto c hemera

Várias freiras referem situações reiteradas de “abusos de poder e abusos psicológicos ou emocionais, principalmente por meio de atos de crueldade, humilhação e negação de assistência médica ou psicológica”. Ilustração © Hemera.

 

“Não sei para onde ir, só quero seguir Jesus, e aqui não é possível …  porque sei que a minha congregação não se importa comigo”. O desabafo é de uma religiosa australiana que se diz abusada por um padre, em declarações reunidas num livro acabado de sair, com os relatos de violências por parte de 11 freiras.

O livro, intitulado Il Velo del Silenzio (O Véu do Silêncio),  é da autoria do jornalista italiano Salvatore Cernuzio, tem prefácio da irmã missionária Nathalie Becquart, subsecretária do Sínodo dos Bispos, e introdução do padre jesuíta Giovanni Cucci. Este último é professor de psicologia e filosofia na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, e escreveu há cerca de um ano um artigo que na altura causou impacto, no qual chamava a atenção da Igreja para uma problemática mais larga de abusos, presentes sobretudo em comunidades religiosas femininas.

Quem trouxe a matéria do livro a público foi a jornalista Cindy Wooden, da agência Catholic News Service, num artigo que o site da revista America, da Companhia de Jesus, acaba de publicar.

A ideia do livro surgiu há cerca de um ano, poucos dias depois de ter sido publicado o artigo de Cucci, quando o autor encontrou uma amiga de infância que tinha estado dez anos numa comunidade de freiras de clausura. Ainda magoada com o que lhe sucedera, acabou por contar-lhe que, ao fim desse tempo todo, um “tribunal” de irmãs mais velhas decidiu que ela não tinha vocação e mandou-a embora.

A amiga concordou em contactar outras mulheres com histórias semelhantes e assim surgiram as entrevistas que compõem boa parte de O Véu do Silêncio. Uma das ex-freiras conta que foi abusada sexualmente por um padre, mas que, ao contar o sucedido às superioras, elas concluíram que foi ela que o seduziu.

Várias referem situações reiteradas de “abusos de poder e abusos psicológicos ou emocionais, principalmente por meio de atos de crueldade, humilhação e negação de assistência médica ou psicológica”. No noviciado, por exemplo, eram obrigadas a “pedir permissão para fazer ou ter qualquer coisa – inclusive para tomar banho ou ter produtos higiênicos durante o ciclo menstrual”.

A religiosa que diz ter sido abusada por um padre, estando agora em busca de condições para abandonar a comunidade, comenta: “Como já ouvi tantas vezes: a culpa é sempre de quem sai (…). ‘Resguardar’ o bom nome da instituição religiosa é a prioridade, sacrificando a vítima”.

capa livro o veu do silencio velodelsilenzio_cover

O livro, intitulado Il Velo del Silenzio (O Véu do Silêncio),  é da autoria do jornalista italiano Salvatore Cernuzio.

No prefácio, a subsecretária-geral do Sínodo, Nathalie Becquart, citada no artigo que vimos seguindo, nota que a Igreja deve ouvir as vítimas deste tipo de abusos e reconhecer que “a vida consagrada em toda a sua diversidade, como qualquer realidade na Igreja, pode gerar o melhor ou o pior” nas pessoas.

“O pior é quando os votos religiosos são interpretados e implementados de uma forma que infantiliza, oprime ou mesmo manipula e destrói pessoas”, em vez de “um caminho de crescimento humano e espiritual, um caminho de amadurecimento que faz crescer a liberdade das pessoas porque a autoridade é chamada a promover a dignidade”, acrescenta.

Na introdução do livro, o padre Cucci chama, por sua vez, a atenção para alguns aspetos transversais aos casos das 11 mulheres entrevistadas. Um deles é “a tendência de algumas ordens mais tradicionais de manter o mesmo superior ou superiores no cargo por décadas, o que pode levá-las a “confundir a sua vontade com a vontade de Deus” para as irmãs na sua comunidade. Por outro lado, “confundem uniformidade com a unidade ou paz dentro da comunidade”, tratando qualquer forma de questionamento como “um desafio ao superior” ou mesmo “uma rejeição à vontade de Deus”.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This