Opção pela morte?

| 19 Fev 20

Gustav Klimt, Vida e Morte (1916), óleo sobre tela no Leopold Museum, de Viena, aqui reproduzida a partir da Wikipédia.

 

Li recentemente, numa notícia na Ecclesia que “eutanásia e suicídio assistido não acabam com o sofrimento, acabam com uma vida”. Parece um slogan próprio de grandes marchas públicas. O autor (D. Nuno Almeida, bispo auxiliar de Braga) propõe que a Assembleia da República deve votar “não à eutanásia e suicídio assistido»”, porque se trata de uma “interrupção voluntária do amor e da vida”.

Mais recentemente, apareceu o mote: “Eutanásia é opção pela morte”.

Apreciei positivamente a editorial do Público sob o título “A vida não se referenda”. A meu ver: quem sabe ou pode definir e avaliar a vida? E que valor se pode dar a um referendo? (Entre parênteses: referendo, greve… já foram meios honestos para aproximar a sociedade da melhor ideia possível de democracia – outro conceito frequentemente aviltado. Pertencerão aos novos tabus?)

Muito claramente: sou contra a legislação sobre “situações extremas”. Aquilo que não conseguimos pensar nem descrever (a experiência total é segredo de quem morreu) não pode ser reduzido a um caso jurídico entre outros.

Sou contra o sofrimento que já não é “razoável”. Sou contra legislar sobre o trâmite da morte dos outros – muito mais se as leis partem de gente nova ou de axiomas quer religiosos quer políticos.

Portanto, sou contra qualquer limitação do bom senso e humanidade nesta situação extrema: a liberdade e dignidade perante a morte deve ser totalmente respeitada e favorecida. O que é punível é a perversidade sob qualquer forma. É a grande consequência de levarmos a vida a sério.

O artigo da autoria de Helena T. Valentim, aqui no 7MARGENS, expõe sem rodeios como nas conversas do dia-a-dia se manifestam angústias e atitudes, por vezes contrárias entre si, que nos impedem de tomar posições claras, devido justamente ao nevoeiro ético e sentimental que envolve estas situações.

É perigoso e nada transparente jogar com sentimentos tão fortes e tanto para além dos estudos e reflexões mais aturadas e honestas. A condição humana tem que descobrir a riqueza da sua humildade. Humildade que é o esforço pessoal de se reconhecer devedor a todos os outros, bons ou maus, pobres ou ricos. De todos recebemos lições sobre a vida, cabendo-nos enriquecer o futuro da Humanidade com o mais alto nível dessa muito nobre humildade.

Será que temas como eutanásia, aborto, divórcio… só podem ser notícia quando surgem ameaças, de qualquer parte que seja? Não serão suficientemente sérios para contínua exploração?

Preferimos baixar os braços e suplicar a esmola de um parecer favorável, que nos liberte de ter que pensar?

Que é que nos leva a teimar que podemos ser salvos por leis – impostas por um grupo de poder desprovido de competência para tudo? Se a própria votação é obscurecida pelos slogans, mentiras e baixo nível cultural das assim chamadas discussões  e esclarecimentos? Infelizmente, o mesmo se passa da parte dos próprios líderes religiosos e de diversos ideólogos. A Igreja tem uma quase eterna sucessão de anos litúrgicos, em que os fiéis raramente são chamados à pedra para que não fujam ao trabalho de pensar nos valores da vida – essa energia que se vai concretizando em cada um de nós, do mesmo modo que se concretizou e concretizará indefinidamente e esperemos que criativamente.

De novo lembro uma estratégia merecedora de ser tentada pacientemente: explorando incansáveis trocas de ideias que permitam a cada qual falar claramente, ouvir sem excitação nem pressa de interromper, dar lugar a gente diferente e ideologias diversas… e formular sem preconceitos as posições tidas como mais razoáveis. Este último adjectivo é extremamente importante: é o reconhecimento de que a “verdade plena” está para além do nosso esforço e só abusivamente e perigosamente é apresentada como posse de alguém. A Verdade plena será a Luz que deveria orientar o nosso esforço e da qual apenas nos podemos aproximar – sendo “razoável” esperar que por toda a eternidade…

Sou, sim, a favor de permanente, humilde e honesta reflexão sobre as tentativas de pensar e agir como deve ser, nos casos de eutanásia e aborto, nomeadamente. Se não confiamos na prevalência do bom senso da Humanidade, em que representantes podemos confiar?

Sou a favor da consciente liberdade de escolha quanto aos momentos finais: sofremos para viver – e a morte é o último sofrimento. As instituições culturais (nomeadamente as artísticas) deviam educar as pessoas a enfrentar este sofrimento último. Se não há suficiente razão para prolongar: durante a vida, somos capazes de sofrer pelos outros e de nos privarmos de prazeres por bem daqueles que amamos. Mais do que morrer na dor e na revolta, não vale mais entregar à vida dos que amamos e à de toda a Humanidade os recursos financeiros razoavelmente inúteis e dando exemplo de superar a visão niilista da morte?

Dá-se precisamente o contrário da “interrupção voluntária do amor e da vida”: “Não há maior amor do que oferecer a vida por aqueles que amamos.” Um bom desabafo, atribuído a Jesus, e que devíamos meditar, sem preconceitos nem sombra de fanatismo – e com a grandeza da nossa humildade…

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado.

(No dossiê sobre a eutanásia, do 7MARGENS, estão disponíveis todos os textos já publicados sobre o tema.) 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco