Bispo alemão

Ordenação de mulheres é “uma questão de tempo”

| 10 Abr 2022

mulheres religiosas alemanha ordenacao, Foto Direitos Reservados

Ordenação de mulheres continua em cima da mesa. Foto Direitos Reservados

 

Vão-se multiplicando as vozes de membros da hierarquia católica que se abrem à possibilidade de as mulheres poderem ser ordenadas. Foi agora a vez do bispo alemão de Mainz (Mogúncia), Peter Kohlgraf, 55 anos, que se expressou favoravelmente sobre essa possibilidade durante uma entrevista à agência de notícias católica alemã KNA, citada pelo italiano Il Messagero.

“É uma questão de esperar e ter paciência e mais cedo ou mais tarde chegará”, assim se exprimiu o prelado, admitindo que esta será uma reforma a implementar no médio ou longo prazo, provavelmente já depois de terminar o seu ministério episcopal.

“Às vezes, os processos na Igreja são mais rápidos do que algumas pessoas podem imaginar”, observou. “Na Igreja nunca se deve dizer nunca. Se houver boas razões – e elas existem – para ordenar mulheres, então esse tópico não pode ser varrido de cima da mesa.”

Apesar de, na Igreja alemã, em particular, serem insistentes os pedidos vindos da base, no sentido de as mulheres poderem ser ordenadas – o Sínodo em curso no país tem sido um patamar onde o tema tem sido debatido – Peter Kohlgraf diz-se ciente de que, se algum bispo ordenasse alguma mulher, seria, à luz do atual direito canónico, considerado cismático, ela seria excomungada e o ato seria declarado nulo. “Quem beneficiaria com isso?”, pergunta o bispo.

Já no que se refere à questão da homossexualidade – outra questão importante sobre a qual os bispos alemães pedem uma mudança no texto atual do Catecismo – o bispo de Mainz deixa claro que o horizonte deve ser ampliado. “Focar a sexualidade apenas no ato da procriação é uma visão muito estreita. Mas se outras dimensões da sexualidade forem mais valorizadas, então disposições e modos de vida não heterossexuais poderão ser reconhecidos”. Por isso, entende ele, o Catecismo deve ser atualizado.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This