Ecologia

Organizações católicas pelo clima assumem novo nome, “Movimento Laudato Si”

| 2 Ago 2021

 

O Movimento Católico Global pelo Clima, nascido em 2015, anunciou neste domingo, 1 de agosto, a mudança de nome para “Movimento Laudato Si’”, assumindo-se a inspiração na encíclica ecológica e social do Papa Francisco. A iniciativa congrega mais de 750 organizações e milhares de “animadores Laudato Si’” dos cinco continentes.

A mudança de nome aconteceu após um “processo de discernimento” iniciado em 2020 sobre a identidade, missão, nome e estruturas do movimento.

A nova declaração de missão propõe “inspirar e mobilizar a comunidade católica para cuidar da casa comum e alcançar a justiça climática e ecológica”. “Sentimos que Movimento Católico Global pelo Clima já não representava o que estávamos realmente a fazer. Desde praticamente o seu início, o Movimento desenvolveu as suas atividades a partir da visão integral da Laudato Si, muito mais ampla do que a crise climática”, disse Tomás Insua, diretor-executivo e um dos co-fundadores do movimento.

Um lista de 25 nomes possíveis foi submetida à consulta e votação de centenas de membros do movimento, cardeais e outros líderes eclesiais. “Enviamos ao Papa uma carta explicando o processo sinodal que tínhamos seguido e pedindo a sua bênção para mudar de nome. A resposta do Papa, em forma de mensagem escrita, veio providencialmente na véspera de Pentecostes, durante a Semana Laudato Si’ deste ano”, referiu Yeb Saño, vice-presidente do movimento, com sede nas Filipinas.

Além da mudança de nome, as organizações assumiram uma nova declaração de identidade, apresentando-se como um movimento de “base”, que procura trabalhar “em sinodalidade e comunhão com a Igreja universal por um caminho de conversão ecológica”.

Entre os signatários da declaração está o português Pedro Duarte Silva, da Conferência Internacional Católica do Escutismo. Em Portugal, uma análise ao trabalho das dioceses e movimentos na aplicação da encíclica ecológica do Papa foi feita pelo 7MARGENS e pela Família Cristã, tendo detetado as principais lacunas e apontado alguns dos caminhos, num trabalho que mereceu inclusive o apoio do Vaticano.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This