Este fim de semana

Organizações religiosas unem-se a “mobilização histórica” pelo fim dos combustíveis fósseis

| 15 Set 2023

Ecologia, combustíveis

Ativistas exigem atenção à crise climática durante um protesto na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas em Karlsruhe, Alemanha, em setembro de 2022. Foto © Paul Jeffrey/WCC.

 

Mais de 50 instituições religiosas, pertencentes à rede GreenFaith, vão manifestar-se este domingo, 17 de setembro, em Nova Iorque (EUA), integrando a Marcha para Acabar com os Combustíveis Fósseis, na qual são esperadas cerca de 15 mil pessoas. A associação ambientalista portuguesa ZERO também irá marcar presença nesta ação.

A marcha acontece a três dias de os líderes políticos se reunirem naquela que será a primeira Cimeira de Ambição Climática das Nações Unidas, convocada por António Guterres, secretário-geral da ONU, em dezembro de 2022, para que sejam definidas “ações climáticas novas, credíveis e sérias” que ajudem a reverter a crise ambiental. António Guterres já avisou que “o bilhete para entrar” é estar comprometido com o fim da expansão dos combustíveis fósseis e deverá pedir aos governos que reforcem os seus planos para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

Entre as organizações religiosas que já confirmaram a sua presença incluem-se o movimento católico Laudato Si’, o Conselho Mundial de Igrejas (organização que reúne mais de 350 igrejas e comunidades cristãs), várias instituições muçulmanas (como a Green Muslims of New Jersey), e também judaicas (é o caso da American Jewish World Service).

“Este é um momento crítico para a mobilização em massa em torno dos combustíveis fósseis, o que poderá levar Biden a uma eliminação progressiva mais forte dos combustíveis fósseis antes das eleições de 2024”, refere a GreenFaith no site de divulgação do evento.

Antes da marcha, haverá uma celebração inter-religiosa, em que “pessoas de diversas religiões e comunidades espirituais irão reunir-se para uma Invocação – convidando o espírito do divino dentro das nossas tradições, bem como os espíritos dos nossos ancestrais, das gerações futuras, da natureza, das plantas, dos animais, dos elementos e de todos os lugares. da terra afetada pelo que acontece em Nova Iorque para marchar connosco e ajudar-nos a ter o amor, a força e a coragem de que precisamos para criar um mundo justo e próspero”, assinala ainda a GreenFaith.

 

Piora a crise climática, crescem os protestos

Mar e semáforo. Alterações climáticas

 “A escala desta mobilização e a urgência do momento sublinham os impactos devastadores do recente recorde de calor, das inundações mortais e do aumento dos fenómenos meteorológicos extremos.” Foto © Kelly Sikkema / Unsplash.

 

“A mensagem chave é muito clara: temos de acabar com a nossa dependência da energia fóssil que está a poluir e a aquecer o planeta, sendo causa de uma crise ambiental e climática que está a colocar em causa a habitabilidade de muitos locais no mundo”, defende a associação ambientalista ZERO, que irá estar representada na marcha em Nova Iorque, e também na cimeira.

Em comunicado enviado aos meios de comunicação, esta associação portuguesa alerta que “as alterações climáticas estão neste exato momento a provocar incêndios, inundações e tempestades chocantes em todo o mundo, nomeadamente na Europa”. Mas “enquanto as comunidades locais sofrem, as empresas de carvão, petróleo e gás, envolvidas nesta destruição, arrecadam lucros astronómicos. A ZERO entende que já chega”, pode ler-se no texto, onde o apelo é claro: “os governos têm de deixar de ser cúmplices destas empresas, e obrigá-las a pagar os custos dos seus danos”.

Além da marcha em Nova Iorque em que participarão as instituições religiosas e a associação ZERO, estão planeados inúmeros protestos em 54 países ao longo de todo o fim de semana, que deverão reunir, de acordo com a agência Reuters, mais de um milhão de pessoas. Esta poderá tornar-se, assim, na maior ação internacional pelo clima desde o período anterior à pandemia de covid-19, quando o movimento liderado pela ativista sueca Greta Thunberg mobilizou milhões de pessoas em todo o mundo.

“Esta mobilização histórica renova e reforça os esforços coordenados globalmente, focados em acabar com a era dos combustíveis fósseis”, diz um comunicado da organização desta ação de protesto a nível internacional. “A escala desta mobilização e a urgência do momento sublinham os impactos devastadores do recente recorde de calor, das inundações mortais e do aumento dos fenómenos meteorológicos extremos”, acrescenta o texto, para concluir: “A crise climática está a aumentar e, em resposta, o mesmo acontece com o movimento global pela justiça climática. Em todo o mundo, estamos a unir-nos para lutar contra a indústria dos combustíveis fósseis e os seus facilitadores”.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This