Os bodos de S. Sebastião na Beira Baixa

| 18 Mar 19 | Entre Margens, Últimas

Nesta fase inicial do ano, sobretudo perto do dia litúrgico de S. Sebastião (20 de janeiro), que o povo conhece por “mártir santo”, várias aldeias e localidades da Beira-Baixa são palco de festas comunitárias, designadas por “santos bodos”, tradições que vêm de há muito e se foram mantendo vivas até aos nossos dias. A palavra “bodo”, segundo o etnólogo Leite de Vasconcelos, tem a sua origem no latim “votum”, que evoluiu para “vodo” e, finalmente, “bodo” – com sentido de promessa.

A palavra “bodo” terá a sua origem no latim “votum”, que evoluiu para “vodo” e, finalmente, “bodo” – com sentido de promessa. Foto © Florentino Beirão

 

A festa dos bodos é uma secular tradição, com raízes profundas na religiosidade popular das terras beirãs, com populações pobres a viverem nas encostas da serra da Gardunha, entre as cidades do Fundão e de Castelo Branco. Desta vez, vamos referir-nos apenas aos bodos o início do ano, que se celebram nas povoações de S. Vicente da Beira, Lardosa, Louriçal do Campo, Soalheira e Atalaia do Campo.

Trata-se, quanto a nós, de um valioso património imaterial secular do povo beirão que vale a pena conhecer, dada a sua importância para a história religiosa local. Recorde-se que estes santos bodos da Beira-Baixa fazem parte já de uma secular tradição popular que tem contado ora com a colaboração ora com a oposição ativa da Igreja, ao longo dos séculos.

A raiz e a razão dos atuais bodos a S. Sebastião tem a ver com uma antiga promessa dos antepassados que pediram a este santo mártir que protegesse a sua povoação das malditas pragas de gafanhotos que, ciclicamente, invadiam esta região, oriundos das serras fronteiriças de Espanha.

À procura da origem da tradição, os estudiosos têm avançado com algumas pistas no sentido de compreender melhor as suas complexas e prováveis raízes ancestrais. Segundo Teófilo Braga, poderão remontar até aos povos celtas, uma vez que eles já celebravam festas e rituais próprios, para garantir a fecundidade dos campos e de abundantes colheitas. O sociólogo Moisés Espírito Santo inclina-se mais para que as “folias/ bodos” estejam mais ligados a antigas práticas judaicas, para implorar a chuva e a proteção divina, contra a fome e a guerra.

Seja como for, o certo é que, com a implantação do cristianismo, no séc. IV, com o imperador Constantino, mas já com o Império Romano em declínio e a chegada dos povos bárbaros, as poucas populações já evangelizadas sofreram algumas transmutações, em relação ao primitivo significado das festas dos bodos. A sua continuação só foi mantida, certamente, devido à acelerada missionação e cristianização do espaço peninsular e europeu. Com o avanço e consolidação do cristianismo foi-se tornando cada vez mais proibido o costume de se sacrificar aos deuses pagãos, a favor dos mortos, uma vez que se operou uma significativa viragem nas mentalidades e costumes das populações à medida que eram evangelizadas.

Ao libertar-se dos ritos e festas aos deuses do paganismo, o cristianismo propunha agora sublinhar a necessidade de se proceder ao sufrágio das almas dos fiéis defuntos, através de dádivas “bodos”, a favor dos mais pobres e necessitados da comunidade cristã. Embora Santo Agostinho, bispo de Hipona (354-430), não morresse de amores por estes bodos, ainda com cheiro aos dos pagãos, o certo é que eles se foram propagando, acabando por conquistar lugar de relevo nas primitivas comunidades cristãs.

Ao libertar-se dos ritos aos deuses do paganismo, o cristianismo propôs sublinhar a necessidade de se proceder ao sufrágio das almas dos defuntos através dos “bodos”, a favor dos mais pobres e necessitados da comunidade cristã. Foto © Florentino Beirão

 

Saltando para o séc. XIV, por influência da esmoler Rainha Santa Isabel – esposa do rei D. Dinis, que a tradição popular diz ter transformado o pão em rosas –, os bodos ainda existentes, ligados à festa do Divino Espírito Santo, com grandes festividades nos Açores, foram-se difundindo, a partir de Alenquer (1323). Segundo a investigadora Adelaide Salvado, esta terá sido a primeira igreja portuguesa dedicada ao Divino Espírito Santo.

Com o andar dos anos, esta festa comunitária relativa aos santos bodos foi galgando várias povoações, sobretudo as situadas entre os rios Zêzere e Tejo, por ação conjunta da Ordem de Cristo, de Tomar (onde se mantém ainda a Festa dos Tabuleiros), apoiada na ação missionária dos frades franciscanos, os grandes difusores da popular e enraizada devoção ao Espírito Santo, na Beira Baixa. Com a descoberta e povoamento das ilhas e das terras ultramarinas, estas festividades foram-se difundindo de tal modo, que ainda hoje manifestam grande exuberância, seja em comunidades brasileiras seja nas ilhas açorianas, onde atingem um grande esplendor.

Estes bodos ou folias foram-se transformando em grandes festejos e, em vez de serem a favor dos pobres da povoação e arredores, os festeiros foram-se fechando sobre si, fazendo grandes jantaradas para consumo de alguns, esquecendo o espírito primitivo das festas.

Será dentro deste contexto que os bispos da Igreja tridentina, a partir do séc. XVI, apelando à austeridade dos costumes, decidiram promover uma guerra aberta a estas práticas excessivas. Como estes desvirtuamentos se continuaram a manter, em algumas paróquias escondidas ou mais longe dos poderes políticos e religiosos, encontramos ainda o bispo da Guarda, D. José Alves Mattoso, a assinar um decreto, datado de 15 de maio de 1928, a “proibir a participação dos católicos nos bodos e folias do Espírito Santo”.

No ciclo do Natal, os bodos estão ligados à festa de S. Sebastião, cuja data era considerada dia santo de guarda, e cuja invocação estava presente em várias capelas em honra do santo, espalhadas pela maior parte das paróquias desta região. Pode ter-se tratado de uma missionação concertada, ao longo do séc. XVII, entre os frades franciscanos e a poderosa Ordem de Cristo, de Tomar, politicamente senhora destas terras beirãs.

Apesar de condenados, os festejos foram resistindo, transmutando-se embora em novas práticas, mais próximas da sua primitiva raiz: fazer, pelo menos uma vez no ano, uma festa popular para se oferecer comida a quem tem fome.

É dentro deste espírito que ainda hoje, nas terras beirãs, em várias épocas litúrgicas do ano (Natal-Páscoa, Espírito Santo e Nossa Senhora da Assunção), se realizam alguns bodos que teimam em permanecer vivos. Sinal de que as populações os incorporaram na sua vida, tornando-os uma parte significativa e indestrutível da sua história religiosa local.

Os bodos em terras beirãs, em várias épocas litúrgicas mostram que estas festividades permanecem vivas e que as populações os incorporaram na sua vida religiosa. Foto © Florentino Beirão

Artigos relacionados

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Teatro em Lisboa sobre a emergência climática

Uma peça de teatro sobre o “tema premente” das alterações climáticas será levada à cena neste sábado e domingo, 8 e 9 de Junho, pelo TUT – Teatro Académico da Universidade de Lisboa.

Missa de Pentecostes ou a festa da linguagem

No próximo domingo, 9 de Junho, dia de Pentecostes, a celebração da eucaristia (11h30) na Capela do Rato, em Lisboa, contará com os Sete Lágrimas a interpretar uma vez mais a minha Missa de Pentecostes (2011).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco