Os cristãos devem promover a ética: A Economia de Francesco vista pela economista Maria João Marques

| 22 Nov 20

Minas. Crianças. Trabalho infantil. Congo

Criança a separar minerais no Lago Malo (RDCongo), em Maio 2015: “Começa a haver a noção de que o capitalismo desmesurado foi longe demais”, diz Maria João Marques. © Amnesty International e Afrewatch.

 

Uma “iniciativa muito válida, porque a economia está no fulcro das discussões políticas, culturais, sociais que têm de ser pensadas, também do ponto de vista ético – no qual os católicos têm também um papel”. É deste modo que a economista Maria João Marques, colunista do Público, olha para o encontro A Economia de Francesco, que terminou no sábado, coma publicação de uma declaração final e uma mensagem do Papa Francisco aos participantes.

No final de Agosto, Maria João Marques escreveu, na sua coluna semanal no jornal, que há “católicos prenhes de vontade de tornar o aborto no único assunto da política, promovendo uma política económica egoísta, bem como ódio a tudo o que é diferente e inovador” e que vários deles “partilham a propaganda dos mais populares sites de fake news de extrema-direita”.

Também por isso a economista valoriza a realização da iniciativa, mesmo admitindo que “só mais tarde se verão as consequências” que esta iniciativa possa vir a ter. E coincide com vários dos diagnósticos e propostas do texto conclusivo do encontro: “É preciso urgentemente mudar o actual paradigma do liberalismo, em que uma ínfima parte enriquece desmesuradamente, mesmo durante a pandemia. Começa a haver a noção de que o capitalismo desmesurado foi longe demais”, afirma a investigadora em declarações ao 7MARGENS.

A história recente ajuda a compreender onde chegámos: durante os últimos 40 anos, assistimos à afirmação de um “liberalismo crescente”, também porque “a economia britânica tinha muitas empresas nacionalizadas”.  O movimento de privatização que se iniciou chegou a um tal ponto “que agora estamos a viver o excesso de tudo isto”, com mercados “completamente desregulados”, apesar das algumas medidas tomadas na sequência da crise  de 2008.

O transporte de mercadorias deixa uma “grande pegada ecológica”, as grandes empresas “exploram populações” inteiras, os níveis de “desigualdade e pobreza crescem”, as “multinacionais abusam do poder que têm, que é um poder desmesurado”, perante o qual nem os governos têm “qualquer poder negocial”. Estamos num momento de “viragem do axioma económico”, conclui Maria João Marques.

 

Sobriedade e despojamento, muito contraditório com mundo actual

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza: “É preciso pôr água na fervura de todo o consumismo, de querer tudo, de comprar barato…”  Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor.

 

Outro dos elementos em que muitas propostas do Papa e também o sentido do documento final do encontro coincidem com análises de cada vez mais economistas e pensadores é na ideia do despojamento e da sobriedade – no consumo, no estilo de vida: o despojamento esteve sempre no discurso católico, mas é “muito contraditório com o mundo actual”, diz a economista. “Mas é preciso fazê-lo: pôr água na fervura de todo o consumismo, da ideia de gastar, de querer tudo, de comprar barato… Este ciclo imparável do consumo tem de ser quebrado e é importante que o discurso da sobriedade seja feito, mesmo se não acredito que seja adoptado por muita gente.”

As pessoas “têm de começar a mentalizar-se que têm de consumir menos”, insiste Maria João Marques. “Não podemos consumir tudo, porque já estamos a roubar recursos às gerações vindouras” e por isso tem mesmo de haver mudanças grandes.”

De qualquer modo, avisa, esta é uma proposta boa “nas sociedades ricas ocidentalizadas; num país pobre em que pessoas só querem poder ter mais dinheiro para viver, não será fácil fazer este discurso”. O que as pessoas desses países querem é “que lhes encomendemos coisas para saírem da pobreza extrema e atentatória da dignidade humana”.

Mas também nos países mais desenvolvidos há outros âmbitos a merecer uma reflexão sobre o despojamento: “A quantidade de tempo que trabalhamos é insana e também aí devemos fazer um esforço de contenção.”

Neste quadro, e como forma de resolver estes problemas, deve haver, por isso, mais cooperação internacional – defende a economista. “Têm de se oferecer estímulos à economia para as pessoas comprarem, mas também desenvolvimento de competências na tecnologia, como no caso da Índia, por exemplo.”

Outro campo em que haverá ainda algum desenvolvimento é o do turismo: “Viajar faz bem e é importante. Mas o turismo continuará a crescer, possivelmente com meios de transporte mais sustentáveis. As pessoas continuarão a gastar dinheiro, mas a gastar menos em objectos que não retirem tantos recursos ao planeta”, antecipa. E em alguns casos, mesmo no Sudeste asiático (como no Laos) o turismo massivo está a dar lugar a um turismo mais em ligação com a natureza.

Assim, a cooperação internacional terá de passar pela reconversão de indústrias nos países ricos, por parar de poluir e pelo uso de métodos de produção mais verdes”. A dívida dos países pobres tem de ser anulada para que muitos dos recursos desses povos não se destinem ao pagamento da dívida, com isso impossibilitando o investimento em infra-estruturas básicas como escolas, esgotos ou acesso a água potável. “É indecoroso pagar dívidas aos países ricos.”

No caso em que muitas populações têm de andar quilómetros para ir buscar água, Maria João Marques diz que essa é uma questão que se relaciona muito também com a promoção da mulher: “Muitas meninas têm de fazer horas e não podem ir à escola.” Ou, quem diz água, diz a construção de fornos comunitários em aldeias, para cozer pão e outros alimentos: quando eles existem, as meninas não têm de caminhar quilómetros, podem frequentar a escola e evitam ficar expostas a violências, incluindo de cariz sexual.

Nestas, como em outras situações, o sucesso ou insucesso das mães é determinante também para o dos filhos, seja na escola, seja na criação de outras condições de vida: “Se a mãe não tem capacidade para ir procurar médicos, por exemplo, os filhos também não terão capacidade de procurar meios de crescer saudáveis ou se desenvolver.”

 

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres novidade

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

O poder no feminino, nas histórias de seis portuguesas negras

O programa Poder no Feminino, que estreia às 19h30 deste domingo, 10 de Janeiro, na RTP África, dará voz a seis mulheres de ascendência africana, portuguesas ou que residem em Portugal, que fizeram o seu percurso profissional na academia, nos negócios, na política, no jornalismo, na psicologia, em Portugal e no mundo.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Papa Francisco e Bento XVI vacinados, e em breve toda a população do Vaticano

A primeira dose da vacina contra a covid-19 já foi administrada ao Papa Francisco e ao emérito Bento XVI, confirmou esta quarta-feira o porta-voz da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. Depois de terem chegado ao Vaticano, no início desta semana, dez mil doses da vacina fabricada pela Pfizer, dentro de poucos dias todos os 4.730 residentes, trabalhadores e religiosos afetos ao pequeno estado estarão imunizados. O Vaticano será assim o primeiro estado do mundo a ter toda a sua população vacinada.

Bispos portugueses determinam suspensão de batismos, crismas e matrimónios

Apesar de as orientações governamentais para o novo período de confinamento permitirem a celebração de cerimónias religiosas com a presença física de fiéis, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou esta quinta-feira, 14 de janeiro, que deverão ser “suspensas ou adiadas para momento mais oportuno” as celebrações de batismos, crismas e matrimónios.

Entre margens

Euforia, esperança ou amnésia coletiva novidade

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Educados por fantasmas

Aliás, se as crianças e os jovens são hoje educados por fantasmas, os adultos estão longe de ser imunes ao seu fascínio. É como se a envolvência de tal mundo, que afecta ambos, não permitisse um pensamento a frio sobre ele. Ainda que o, por assim dizer, crime de pensar, seja precisamente a única forma possível de nos colocarmos ainda diante desse mundo. À distância que nos permite o pensamento crítico verificamos que estes fantasmas falam. São veículos de ideologia.

E se confinássemos?

Inclinado, como é meu hábito, a confiar nas explicações científicas, e até mesmo na humilde incerteza que toda a séria certeza tem, aceito, evidentemente, que estamos a percorrer o caminho mais seguro para limitar a tragédia e assegurar, tanto quanto possível é prever, uma evolução favorável. Igualmente convicto da boa-fé, rectidão de motivos e sentido do serviço público de quem, em tempos tão difíceis, tem conduzido o país, não me resta qualquer paciência para opiniões avulsas ou teorias da conspiração.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This