[Os dias da semana] A liberdade de informar e a liberdade de ser informado

| 18 Mai 21

“A Liberdade de Informação não é só a liberdade de informar mas é fundamentalmente a liberdade de ser informado” – Sophia de Mello Breyner Andersen. Foto @ Wonderlane / Unsplash

 

“A Liberdade de Informação não é só a liberdade de informar mas é fundamentalmente a liberdade de ser informado”. A declaração da autoria de Sophia de Mello Breyner Andresen, datada de pouco depois de 25 de Abril de 1974, revela-se, ainda hoje, uma oportuna chamada de atenção que vale a pena convocar, e não apenas por termos assinalado, no domingo, 16, o Dia Mundial das Comunicações Sociais.

Não por acaso, referindo os resultados de um estudo da OCDE, aliás muito citados, que indicam que um em cada dois alunos portugueses com 15 anos de idade não sabe distinguir um facto de uma opinião, o provedor do leitor do Público, José Manuel Barata-Feyo, observava, na coluna de sábado,15, que não são apenas os jovens que se confundem. Para o demonstrar, exemplificava como o mau jornalismo produz má opinião, elucidando que, “quando o jornalista informa mal, é inútil esperar que o comentador, baseando-se no que leu e ouviu, comente bem”. O texto do provedor do leitor terminava com uma advertência: “Nunca é por demais repetir que cada jornalista, em cada uma e todas as notícias que assina, é sempre e só o fiel depositário da confiança que o cidadão deposita na Imprensa e no seu jornal. Trair essa confiança é trair a opinião pública e trair o jornalismo.”

O diagnóstico feito por Sophia de Mello Breyner Andresen há mais de quarenta anos não deixa de conservar bastante pertinência: “A Informação que a Imprensa fornece ao público – salvo as excepções pontuais que sempre existem – ora é sectária, ora é incompleta, deficiente, mal articulada. Problemas gravíssimos não têm sido expostos nem com a clareza nem com a continuidade equacionada e articulada que eram necessárias”. Décadas depois, abundantes exemplos continuam a demonstrá-lo.

Para Sophia de Mello Breyner Andresen, “problemas urgentes, como o problema da saúde, o problema do ambiente, os problemas do trabalho, ora são expostos de forma ocasional e fragmentária ora de forma partidária ou especulativa e raramente a Imprensa oferece aos seus leitores uma Informação onde exista uma exposição completa e equacionada dos problemas e dos factos”. A consequência de ontem não difere da consequência de hoje: a situação, como era dito e pode ser repetido, muito tem contribuído para o clima de confusão em que temos vivido.

A declaração de Sophia de Mello Breyner Andresen lembrava um problema ainda não resolvido em 1975: a identificação dos “trabalhadores da Informação que antes do 25 de Abril funcionavam como informadores da PIDE”, uma situação então de óbvia gravidade uma vez que a presença de tais elementos nos meios de informação era ameaçadora da liberdade. É que, explicava a poeta, “a Liberdade de Imprensa não depende apenas das leis que regem a Imprensa mas também da idoneidade moral e da fidelidade à ética profissional de todos aqueles que na Imprensa trabalham”.

Este Dia Mundial das Comunicações Sociais pode servir para reflector que não há um problema com jornalistas que tivessem sido informadores da PIDE, mas há com os que, demasiadas vezes, estão enredados noutras ligações perigosas. É, de resto, curioso que, ainda para mais no momento em que a Assembleia da República trata das vigarices associadas ao caso BES (o que tem constituído uma oportunidade para certos devedores fazerem figura de parvos), continue sem se saber quem são os jornalistas que beneficiaram do “saco azul do BES”, uma dúvida suscitada pelo Expresso que, há anos, cauciona a generalização de uma suspeita quanto à “idoneidade moral” e à “fidelidade à ética profissional” da classe jornalística. A liberdade de ser informado não beneficia com este género de desconfianças.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This