Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado

| 19 Abr 2021

Amnistia, Cabo Delgado, refugiados, Moçambique

Em Cabo Delgado, os tempos são de sofrimento. Foto © Amnistia Internacional

 

Moçambique tem um amplo destaque na primeira página da edição de hoje e de amanhã do diário francês Le Monde, por causa dos ataques mortais de jihadistas à cidade de Palma e da instabilidade na província de Cabo Delgado, qualificada como “antigo canto do paraíso”. No interior, as páginas 16, 17 e 18 são integralmente dedicadas ao que se passa na região entalada entre “as ambições da indústria do gás e a pressão jihadista”. Os mapas que ocupam toda a página 18 esclarecem o leitor que as segundas mais importantes reservas de gás de África se situam em Moçambique. Outro mapa apresenta o país na rota da heroína. Entre as riquezas naturais e a violência islamista, há abundantes marcações dos percursos dos deslocados internos, cerca de 700 mil, segundo várias estimativas.

O jornal francês, na sexta-feira, tinha dado conta de confrontos que ocorreram, no dia anterior, na cidade de Palma, três semanas depois do ataque jihadista que provocou dezenas de mortos e milhares de deslocados. Simultaneamente, teriam sido realizados outros ataques. Em alguma imprensa portuguesa que se costuma designar como “de referência” o assunto é de reduzido interesse. Folheando as páginas das secções que tratam de assuntos do estrangeiro, fica-se a perceber que um ferido num confronto nos Estados Unidos da América é um assunto de relevo, mas não os milhares de mortos num país africano, incapazes de mobilizarem as atenções.

E, todavia, não falta quem se preocupe com o que se está a passar. Questionado sobre como vê a situação em Cabo Delgado, o padre Jorge Vilaça, do Centro Missionário Arquidiocesano de Braga, sintetiza o que muitos sentem: “Com angústia diária, alguma impaciência e impotência e com um coração que faz mexer as mãos, os pés e a voz. Sabemos que ‘quando os elefantes lutam, quem sofre é o capim [erva]’ e, por isso, estamos comprometidos com a libertação de todas as formas de pobreza, raiz primeira e última daquele conflito. O capim não tem culpa pela luta dos elefantes mas sofre pela violência das suas lutas. E, para alguns elefantes, a pobreza sempre deu muito dinheiro“. “Assusta viver assim”, diz Abudo Gafuro, presidente da Associação Kuendeleya. Acrescenta ele que “todos os dias se vive uma incerteza dolorosa, sobretudo por falta de segurança e de respostas eficazes aos terroristas”.

Em Cabo Delgado, há diversas organizações a tentar minorar o sofrimento humano, não unicamente provocado pelo terror jihadista. A Associação Kuendeleya, o Centro Missionário Arquidiocesano de Braga, a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, a Helpo ou a Oikos têm procurado ajudar, umas vezes, tratando de acorrer a emergências; outras, promovendo projectos que não visam resultados imediatos. Ajudar estas associações, organizações ou entidades é um modo de ajudar os moçambicanos mais carenciados.

Mas a ajuda pode assumir outros contornos. Da capital de Cabo Delgado, Pemba, que tem uma relação que se foi estreitando com Braga desde 2003, Abudo Gafuro, um jovem muçulmano que transformou uma equipa de futebol amador de praia numa associação de acolhimento de deslocados – e ele próprio aloja na sua casa 14 deslocados –, envia uma mensagem clara: “Os portugueses têm o dever, como um povo irmão, de ajudar Cabo Delgado e o país em geral, contra a sua pobreza cultural, formativa, alimentar. E na questão de segurança, pois é necessário responder-lhe imediatamente como a população pretende. Em minha opinião, ainda não vi algum país conseguir resolver o problema de terrorismo sozinho. Os militares portugueses são experientes e muito rápidos nos resgates, fazem-nos falta. É por aí, vejo como uma prioridade a ajuda militar como uma estratégia para poder combater o terrorismo tão violento no norte de Moçambique. Estamos em riscos de o terrorismo chegar em atentados à numerosa Pemba, caso não haja uma intervenção imediata a contê-lo.”

Cabo Delgado tem de merecer outra atenção, que ultrapasse a indiferença, particularmente a do presidente de Moçambique. Por isso, como refere o padre Jorge Vilaça, citando D. Luiz Fernando Lisboa, ex-bispo de Pemba, há três formas permanentes de ajuda: através da oração, da partilha de vida e de bens e, importa sublinhá-lo, “falando do assunto, mantendo-o na ordem do dia das agendas sociais e políticas”.

 

Nota: por informação do padre Jorge Vilaça, soube que a Rádio Sem Fronteiras, da Diocese de Pemba, recomeçou as transmissões online em https://radiosemfronteiras.co.mz

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This