Encontro Together/Juntos

Evangélicos pela primeira vez em São Pedro e um jovem português a cantar sozinho

| 29 Set 2023

A Praça de São Pedro será o local desta vigília ecuménica com participações inéditas. Foto © Arquivo 7MARGENS

 

Vários jovens evangélicos e protestantes, entre pessoas de diferentes proveniências religiosas, estarão pela primeira vez na Praça de São Pedro, no Vaticano, quando na tarde deste sábado umas 20 mil pessoas, sobretudo jovens, se juntarem ao Papa para a vigília de oração ecuménica que irá rezar pelos frutos do sínodo que se inicia formalmente na próxima quarta-feira.

O Together (Juntos) – Encontro do Povo de Deus, proposto pela Comunidade de Taizé ao Papa para a abertura do Sínodo católico sobre a sinodalidade, contará com várias iniciativas de debate e oficinas durante a manhã de sábado, em Roma, enquanto na mesma praça decorre o consistório para a nomeação formal de novos cardeais – entre os quais o português Américo Aguiar.

“Este encontro vem reforçar a importância dada ao Sínodo e confirmar que há realmente uma vontade de ouvir todos”, diz ao 7MARGENS Rita Sousa, 30 anos, enfermeira, chefe de clã num agrupamento do Corpo Nacional de Escutas em Rio de Mouro. “Toda a Igreja Católica, mas também todos os outros cristãos e todos os não crentes”, acrescenta, em Roma, onde chegou nesta sexta-feira para participar no encontro. “Vem reforçar o ideal mais bonito do cristianimo: viver com amor, por amor. A única forma de o fazer é trabalhar activamente para a paz, todos juntos.”

Juntos. Essa é também a palavra escolhida pelo irmão David, de Taizé, a comunidade ecuménica de monges da Borgonha (França), que protagonizou a organização da vigília, juntamente com várias dezenas de movimentos e grupos de diferentes igrejas. “O que mais me marcou, sobretudo nestes últimos dias de preparação mais intensa, foi a alegria de trabalhar juntos, de caminhar juntos para este encontro de oração, no qual vamos pedir ao Espírito Santo para inspirar o trabalho do Sínodo.”

Para este responsável, a iniciativa será “uma boa imagem da Igreja sinodal” que se procura construir. E exemplifica: “Jovens e pessoas de todas as gerações, migrantes e aqueles que se empenham para os acolher, pessoas com deficiência e os que as acompanham, pessoas que se sentem excluídas e marginalizadas, católicos, ortodoxos, protestantes de diferentes igrejas históricas e de movimentos evangélicos estarão reunidos na Praça de São Pedro, para rezar pela assembleia sinodal da Igreja Católica.

Às 13h (meio-dia em Lisboa), os jovens começam por confluir num tempo de louvor na Basílica de São João de Latrão, que será protagonizado sobretudo por jovens evangélicos. Às 14h30, iniciarão uma caminhada até São Pedro, onde entre as 17h e as 19h se realizará a vigília ecuménica presidida pelo Papa. Junto de Francisco, estarão também o Patriarca ortodoxo de Constantinopla (Instambul) Bartolomeu, o arcebispo de Cantuária, Justin Welby, primaz da Comunhão Anglicana, além de responsáveis de outras diferentes igrejas.

 

Portugueses divididos

Concerto de orgão na igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma. Foto © Ricardo Perna

Concerto de órgão em Santo António dos Portugueses: neste sábado, a missa com o novo cardeal levará muitos portugueses à igreja barroca do centro de Roma. Foto © Ricardo Perna

 

Num dos momentos da vigília, um jovem português, João Carvalho, cantará no dialecto local de Assis o Cântico das Criaturas, de São Francisco, com uma música composta por si. Será durante a parte da vigília em que todos os participantes se voltarão “todos juntos para Deus para lhe agradecer tudo o que ele dá como Igreja e como humanidade”, explica o irmão David. “Faremos isso em quatro etapas, apresentadas por diferentes grupos: gratidão pelo dom da unidade e do caminho sinodal, gratidão pelo dom do outro, gratidão pelo dom da paz e gratidão pelo dom da criação.”

A decoração floral concebida para a praça – que acabará por ser aproveitada para o consistório da nomeação dos cardeais – pretende recordar “a beleza da Criação e a urgência de a cuidar melhor”.

Antes da vigília, e a partir do início da tarde, haverá na praça coros de diferentes culturas e continentes a animar o tempo que a precede. Já a parte final da iniciativa, através dos cânticos meditativos de Taizé, da escuta de textos bíblicos e do silêncio e das intercessões, os participantes podem “dispor-se a acolher o que Deus continua a dar”, diz ainda o irmão David, de Taizé.

Haverá portugueses que admitiram ao 7MARGENS sentirem-se divididos entre a participação no encontro e um outro acontecimento: às 16h30, o novo cardeal Américo Aguiar, que acompanhou desde o início a preparação do Together, preside à celebração de uma missa na Igreja de Santo António dos Portugueses. O próprio confirmou ao 7MARGENS a sobreposição de horários, motivada pelo facto de só nos últimos dias o Papa ter confirmado que estaria, em princípio, todo o tempo de duração da vigília. Quando a missa foi marcada, não havia ainda a informação da presença do Papa, justifica o novo cardeal.

De qualquer modo, é possível que mesmo quem esteja longe possa acompanhar a vigília através do canal YouTube do Vatican Media, e de outros meios, como se indica na página do Together na internet: https://together2023.net/info-page/broadcast-of-the-ecumenical-prayer-vigil/

 

A Loucura do Bem Comum

A Loucura do Bem Comum novidade

O auditório está quase cheio e no pequeno palco alguém inicia a conferência de abertura. Para me sentar, passo frente a quem chegou a horas e tento ser o mais discreta possível. Era o primeiro tempo do PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) de 2024 na Fundação Gulbenkian. O tema “Modelos de escuta e participação na cultura” desafiou-me a estar e ganhei esse tempo! [Texto Ana Cordovil]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão novidade

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This