“Os Ilustríssimos e Reverendíssimos Cardeais hão mister ~ua ilustríssima e reverendíssima reformação.” (Documento)

| 9 Nov 19

Numa intervenção no Concílio de Trento, em 1562, frei Bartolomeu dos Mártires exprimiu a opinião de que, para concretizar a reforma da Igreja, era necessária a reforma do estilo de vida e missão dos cardeais. A sua frase “Os Ilustríssimos e Reverendíssimos Cardeais hão mister de uma ilustríssima e reverendíssima reformação” ficou célebre. É esse episódio que Frei Luís de Sousa conta, no Capítulo X de A Vida de Frei Bartolomeu dos Mártires, que leva o título “Das pregações que o Arcebispo ordenou esta Quaresma, e da instância que fez por que se tratasse da reformação pessoal do clero, e da liberdade com que votou nela.” É esse capítulo que aqui se reproduz, a propósito da cerimónia de leitura do decreto de canonização que neste domingo, 10 de Novembro, decorre em Braga, formalizando a existência de mais um santo português no calendário católico.

 

Entrou a Quaresma deste ano de 1562 e, ainda que as ocupações que todos tinham eram grandes e contínuas, quis o Arcebispo que os menos ocupados também de sua parte ajudassem, animando ao trabalho e acendendo em devação os que, com suor e fadiga contínua, cavavam na vinha do Senhor; e ordenou pera este efeito algumas pregações particulares dos Padres portugueses que havia em Trento.

Tocou o primeiro domingo da Quaresma ao Padre Fr. Anrique de S. Jerónimo, aliás de Távora, seu companheiro, e foi ouvido por essa rezão de grande parte dos Padres do Concílio. O sermão foi tal que redundou em honra da Ordem e do Arcebispo, a quem se davam os parabéns por muitos prelados, dizendo que bem se parecia o filho com o pai e o discípulo com o mestre. Não dissimulava o Arcebispo o contentamento que estas novas lhe davam pera dar graças a Deus, conforme ao que está escrito: Filius sapiens laetificat patrem. E não era adulação, que os de melhor voto afirmavam que até aquele dia se não ouvira naquele sapientíssimo senado outro sermão tão perfeito em todas suas partes.

Logo pera a terceira sexta-feira convidou o Arcebispo muitos prelados italianos e de outras nações pera ouvirem o sermão da Vinha, do Padre Mestre Fr. Francisco Foreiro (…). Acudiram a ele todos os espanhóis, pola fama de suas letras e eloquência, que este dia ficou de novo acreditada com a obra e foi causa de o fazerem continuar na Quaresma do ano seguinte, com extraordinário concurso e aplauso, e com uma clara confissão que andava em alto ponto, entre os portugueses, aquele santo ministério do púlpito.

 

Emendar o mundo, mas emendar primeiro a Igreja

Entretanto não se descansava em discorrer e ventilar em juntas quasi quotidianas as matérias que haviam de ser sojeito da futura sessão. Mas não eram as que o Arcebispo tinha assentado em seu ânimo que deviam ser as primeiras, porque lhe parecia que, como o fim principal daquela sagrada e gèral congregação era emendar o mundo e purificá-lo de vícios, convinha começar a obra pola parte mais grave dele, que era o eclesiástico, e pola melhor do eclesiástico, que eram os prelados; e daí passar às cousas de menos consideração e a tudo o mais que havia que remedear, e isto dizia que era proceder com ordem, e tudo o mais chamava prepóstero e desconcertado; mas achava votos contra si, que reformação em casa, inda que seja tomada com as próprias mãos, não é cousa saborosa e, como negócio em que os maiores e mais poderosos eram os mais interessados, dissimulavam todos e iam pegando doutras matérias, discutindo e difinindo, sem tratarem desta.

Porém o Arcebispo não mudou de ânimo e, tomando forças da mesma contrariedade, instava, rogava, persuadia e aconselhava, em público e em particular, que não gastassem em cousas de pouca importância uma tão preciosa ocasião como tinham entre mãos pera grandes efeitos; que começassem logo polo que mais convinha, que era alimpar e apurar o ouro da Igreja, que era o estado eclesiástico, que estava escurecido com costumes depravados de dilícias e pompas, e com muitos vícios que daqui brotavam; que, reduzido isto a bom termo, então se procederia ao mais, com ordem, e seria fácil o remédio em tudo; que, pois eram todos médicos e pera curar a Cristandade estavam ali juntos, curassem primeiro a si mesmos, que, em boa física, quando há mal no corpo, sempre é costume acudir primeiro aos membros mais nobres e, pois eles eram os principais do corpo da Cristandade, não perdessem tempo em curar o que menos importava; que assi persuadiriam eficazmente ao mundo, e aos hereges, o aos membros podres da Igreja que sofressem o ferro e o cautério onde fosse necessário, sem poderem dizer: Medice, cura te ipsum.

Venceu em fim que se entendesse neste ponto, em cabo de muitos dias que aporfiou; e tocando-lhe falar em junta, fez uma eloquentíssima invenctiva cheia de doutrina e zelo cristão, contra o fausto e vaidades com que viviam alguns prelados e outros eclesiásticos (e nomeou a nação em que mais se enxergava esta superfluidade). E procedendo, queixava-se com grande espírito de se quererem defender com título de fazerem por esta via mais venerável e respeitada a dignidade; e mostrava que era tão digna de reprensão a desculpa como a mesma culpa, e que usavam dela por não ter outra nenhuma a que pudessem arrimar-se. Em fim provava e concluía com vivas rezões e força de exemplos que muito maior é a autoridade e respeito que nos prelados e príncipes da Igreja cria e grangea a virtude e zelo da honra de Deus e da salvação das almas que, todo o que podem mindigar e aquirir por vaidades e meios humanos.

Procedeu-se na matéria e propôs-se aos Padres em primeiro lugar se era razão que as pessoas dos cardeais fossem na reformação comprendidas. (…)

Fr. Bartolomeu dos Mártires

 

Quando tocou dizer ao Arcebispo…

Começaram a votar os que por esta rezão ficavam precedendo e um após outro, nemine discrepante, foram dizendo com a cortesia costumada que os Ilustríssimos e Reverendíssimos Cardeais não haviam mister reformados. Quando tocou dizer ao Arcebispo, disse assi, aproveitando-se das mesmas palavras e termo dos que tinham votado, mas com liberdade e espírito de varão apostólico: Illustrissimi et Reverendissimi Cardinales indigent illustrissima et reverendissima reformatione [Os ilustríssimos e reverendíssimos cardeais precisam de uma ilustríssima e reverendíssima reformação.]

Palavras formais, que foram celebradas por toda a Cristandade com honra do Arcebispo, e o são inda hoje. E não tenho dúvida que, como o ouro e outras cousas boas que ganham fineza e valor com o tempo, serão mais estimadas quanto mais ao longe lembrarem, visto como o mundo cada dia se vai aventajando a si mesmo em criar nos que mandam ânimos mais imperiosos, e nos que obedecem espíritos mais cativos. Por isso vão postas como saíram da boca de quem as disse. A linguagem é:

– “Os Ilustríssimos e Reverendíssimos Cardeais hão mister ~ua ilustríssima e reverendíssima reformação.”

E logo, virando com muita segurança pera onde estavam os Cardeais Legados e fazendo uma mui cortês inclinação, disse, com voz grave e sonora:

– Vossas Senhorias Ilustríssimas são as fontes donde todos os prelados bebemos, e portanto convém que esta água esteja mui limpa e pura. Aqui se mostrou bem quanto poder tem reformar um homem primeiro em si o que pretende emendar nos outros.

Como era pública e conhecida a muita religião e rigor de vida do Arcebispo, não somente não causou alteração esta liberdade nos Cardeais Legados, mas antes se afirma que ficaram muito edificados dela.

Pera todos os mais Padres foi matéria de gravíssimo espanto e a que nenhum se atrevera. E não os admirou menos a confiança com que se declarou e, sobretudo, verem suas palavras não só toleradas, mas bem recebidas dos cardeais.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco