Os jovens do Torne na luta por “uma Igreja nova num Portugal novo”

| 24 Set 20

Na década de sessenta do século passado, e até 1974, surgiu na paróquia de São João Evangelista (Vila Nova de Gaia), da Igreja Lusitana, Católica, Apostólica, Evangélica (IL), um grupo de jovens, que se intitulou Jovens do Torne – JT. No princípio englobado na “Liga do Esforço Cristão de Gaia”, foram prosseguindo um caminho ecuménico, alargado a todas as religiões e ateus.

O ano de 1964 foi importante dado o surgimento de uma espécie de rutura naquela Igreja, que não se consumou. Um grupo de cerca de 200 pessoas assinava um manifesto que colocava em causa o acordo com a Confissão Velho-Católica e aproximação à Igreja Católica Romana, mercê do dinamismo do seu bispo D. Luís Pereira, que colocava a ênfase nos primórdios da Igreja Lusitana, como católica, seguindo a sucessão apostólica e o Evangelho.

O manifesto refutava, entre outras coisas, o uso de velas ou a cor dos paramentos. A luta contra a guerra colonial, o maio de 1968 em França, a questão do Vietname ou o espezinhar dos negros americanos, assim como a crise académica em Portugal, colocaram os jovens lusitanos na busca de uma Igreja nova, para um Portugal novo. Os jovens provindos da Igreja Lusitana e outros do lugar do Torne (alguns tinham frequentado a Escola do Torne, pertença da Igreja Lusitana) deram corpo a um convívio ecuménico, onde se juntaram jovens lusitanos, católico-romanos, metodistas e presbiterianos e alguns agnósticos e ateus.

As correntes católicas romanas progressistas deram um contributo muito essencial a esse rumar juntos. E, mesmo, na dinamização da Igreja Metodista em Valdosende, uma localidade que passou da Igreja Católica Romana para a Igreja Metodista, onde fizemos campanhas de alfabetização, sem olhar ao credo.

Apoiados sempre pelo seu bispo D. Luís César Rodrigues Pereira – que veria um seu filho preso pela polícia política –, os Jovens do Torne prosseguiam o seu caminho criando inúmeras seções, como Filatelia, Teatro, Desporto, Bar e tantas outras que realizavam “convívios”, mas também exposições de pintura, de cantares de luta, fotografia, corridas de corta-mato e tantas e tantas realizações, saindo muito da apertada mão de uma Igreja não comprometida e resignada ao que se passava à sua volta.

Até que nos fins de 1969 e princípio de 1970, sentiu-se a necessidade de publicar uma revista em forma de jornal, policopiada, e que tinha uma edição de 1000 exemplares, que circulavam por todos o país. O jornal oficioso da Igreja Lusitana – O Despertar – dava conta disso e incitava os jovens nesta caminhada.

Em abril de 1970 sairia o esboço-3, terceiro número, dedicado ao Ano Internacional da Educação, pugnando “pela democratização da cultura”. Entrou, então, no jogo a Comissão de Censura, proibindo a sua publicação em maio de 1970. Os CTT proibiram a sua circulação, o que também fez ao esboço-1 e esboço-2.

Carta da Comissão de Censura (Estado Novo) a proibir o jornal dos Jovens do Torne.

Ficámos amarrados ao medo das estruturas da Igreja Lusitana, à pressão da polícia política, com interrogatórios efetuados por essa polícia, ao envio de alguns jovens forçadamente para a guerra colonial, como castigo, e reuniões dos órgãos da Igreja Lusitana. Se nenhum dos jovens foi preso isso deve-se à atitude do bispo D. Luís Pereira e à sua intervenção junto da embaixada britânica, dado a sua esposa ser inglesa e estarem em andamento as conversações com a Comunhão Anglicana para a integração da Igreja Lusitana na mesma, o que se veio a concretizar.

Se, apesar de tudo, continuámos a nossa atividade com Cadernos Informativos, isso deveu-se à determinação e defesa da nossa posição efetuada pela presidente da nossa direção central, a agora professora doutora Fernanda Rodrigues – que viria a presidir ao “Plano Nacional de Acção para a Inclusão”, em Portugal, e é vereadora da Câmara Municipal do Porto. Fê-lo de forma categórica e, por isso, não se deve deixar de lhe prestar os encómios que merece.

Agora, em 2020, quando se celebram 50 anos do Ano Europeu da Educação e 50 anos da proibição da nossa pró-revista, não quis a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, a Confraria Queirosiana – Solar dos Condes de Resende e o Arquivo Histórico da Igreja Lusitana, deixarem de refletir sobre os factos passados. Será dia 26 de setembro, a partir das 14h, no Solar dos Condes de Resende, em Gaia, que terá um colóquio, reduzido a um máximo de 60 pessoas, de acordo comas normas da Direcção-Geral da Saúde. Cristãos e não cristãos continuarão a querer “Uma Igreja nova, num Portugal novo”.

 

Joaquim Armindo é diácono católico da diocese do Porto, doutorado em Ecologia e Saúde Ambiental

 

África tem défice de perto de 500 milhões de doses da vacina anti-covid

OMS denuncia situação dramática

África tem défice de perto de 500 milhões de doses da vacina anti-covid novidade

No momento em que os países do hemisfério Norte se congratulam com o relativo sucesso do processo de vacinação e reduzem fortemente as restrições da pandemia, o continente africano enfrenta um défice de quase 500 milhões de doses relativamente à meta mundial que havia sido definida de imunizar totalmente 40 por cento da população até ao final de 2021. 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This