Papa prefacia livro sobre transição ecológica

“Os jovens ensinam os adultos: criticam, mas também mudam o estilo de vida”

| 23 Mai 2023

 

“Sejamos realistas: o desenvolvimento económico irresponsável a que nos entregámos está a provocar desequilíbrios climáticos que pesam sobre os ombros dos mais pobres, sobretudo na África subsaariana”. Assim se expressa o Papa Francisco, no prefácio a um livro que está a ser apresentado por estes dias em Itália, o qual constitui um apelo à mudança de estilos de vida e à afirmação de que a transição ecológica é “um caminho para a felicidade”, como o subtítulo do livro enuncia.

O livro intitula-se “Il gusto di cambiare” [o gosto de mudar] e é o resultado de um diálogo improvável entre o fundador de Slow Food Italia, gastrónomo e ativista ecológico Carlo Petrini e o jesuíta especialista em economia e questões climáticas Gaël Giraud. A editora apresenta a obra como uma justificação, com muitos exemplos, da insustentabilidade do atual modelo económico-alimentar e da necessidade da ação da sociedade civil no sentido de “tomar as rédeas para dar vida a um novo paradigma”. O prefácio de Francisco – que já tem um livro de diálogos com Petrini – foi publicado em acesso aberto pelo Osservatore Romano.

Para o Papa, neste livro, os autores “elaboram uma análise fundamentada e convincente do modelo económico-alimentar em que estamos imersos, que, para usar a famosa definição de um escritor, ‘sabe o preço de tudo e o valor de nada’. Enfatiza, por outro lado, o facto de, ao longo das cerca de 170 páginas, serem proporcionados “vários exemplos construtivos, experiências estabelecidas, histórias singulares de cuidado com o bem comum e os bens comuns que abrem ao leitor um olhar de bondade e confiança sobre o nosso tempo”.

Um primeiro aspeto a que Francisco dá realce, no seu prefácio, é à valorização que tanto Giraud como Petrini dão ao papel dos jovens nas mudanças climáticas. Isto apesar de os dois andarem, respetivamente, pelos 50 e 70 anos e ser comum o discurso adulto de desvalorização das gerações mais jovens.

“Em vez disso – escreve o Papa – temos de admitir com sinceridade que são os jovens (…) que nos pedem, em várias partes do mundo, para mudar. Mudar o nosso estilo de vida, tão predatório em relação ao ambiente. Mudar a nossa relação com os recursos da Terra, que não são infinitos. Mudar a nossa atitude para com elas, as novas gerações, a quem estamos a roubar o futuro”.

“E [os jovens] – acrescenta – não se limitam a pedir-nos, estão já a fazê-lo: saem à rua, manifestam a sua discordância em relação a um sistema económico injusto para os pobres e inimigo do ambiente, procurando novos caminhos. E fazem-no a partir da sua vida quotidiana: fazem escolhas responsáveis em matéria de alimentação, de transportes, de consumo”.

O Pontífice realça o facto de os autores do livro citarem movimentos de várias partes do planeta, em que se procura avançar conjuntamente com dois aspetos que o Papa entende deverem andar unidos: as exigências quer da justiça climática quer da justiça social. “Os jovens estão a educar-nos neste sentido!”, remata o Papa. “Optam por consumir menos e viver mais as relações interpessoais; têm o cuidado de comprar objetos produzidos de acordo com normas estritas de respeito ambiental e social; são imaginativos na utilização de meios de transporte coletivos ou menos poluentes”.

Noutro ponto do seu texto, Francisco alude à “urgência de nos libertarmos desta perspetiva economicista, que parece desprezar o lado humano da economia, sacrificando-o no altar do lucro como bitola absoluta”. Ela está visível no conceito de prosperidade “que está em voga atualmente”, segundo o qual o “PIB é um ídolo ao qual são sacrificados todos os aspetos da vida em comum: respeito pelo ambiente, respeito pelos direitos, respeito pela dignidade humana”.

O prefácio sublinha ainda dois aspetos que caraterizam o livro: o facto de ter sido construído sob a forma de um diálogo, já que “é o confronto que nos enriquece, não a manutenção das nossas posições” ou “o fundamentalismo que barra o caminho à novidade” ou ainda “a certeza hermética de que estamos sempre “com a razão”.

Por outro lado, valoriza também o facto de os dois autores serem interlocutores com pontos de vista e origens culturais diferentes, um crente e um agnóstico. O que – faz notar o Papa –“não os impede de manter uma conversa intensa e construtiva que se torna o manifesto de um futuro plausível para a nossa sociedade e para o nosso planeta, tão ameaçados pelas consequências nefastas de uma abordagem destrutiva, colonialista e dominadora da criação”.

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This