Os lugares do Papa no Iraque: uma viagem de regresso, reencontro e reafirmação de fraternidade

| 6 Mar 21

Os lugares da viagem do Papa ao Iraque erguem memórias que abarcam desde o berço da civilização nas planícies do sul da Mesopotâmia e de toda a sua história até ao berço da expansão judaico-cristã, nos vales e montanhas entre a Assíria e a vizinha Arménia. Ali começou a viagem de Abraão, ali Francisco regressa numa visita que traduz o reencontro e a reafirmação da fraternidade. Um percurso pelos lugares da viagem, ao encontro da memória desses lugares.

Pormenor da Porta de Ishtar, atualmente no Museu Pérgamo, em Berlim. Foto © Francisco Anzola/Wikimedia Commons

A quase totalidade dos lugares da visita papal reenvia para o chão histórico da aventura humana avançada, que se desenvolveu na Mesopotâmia desde há mais de cinco mil anos. Foto: Pormenor da Porta de Ishtar, atualmente no Museu Pérgamo, em Berlim. Foto © Francisco Anzola/Wikimedia Commons

Para acompanhar a histórica viagem do Papa Francisco ao Iraque, procuramos prestar atenção ao significado com que cada um dos lugares visitados pode contribuir. Decorrendo esta viagem em regiões tão representativas da história e da atualidade do Médio Oriente, faz sentido iluminar a própria ideia de lugar com o significado que lhe vem da filologia semítica. Parecendo tão banal, o termo que, em hebraico, designa um “lugar” (maqom) é um substantivo que deriva do verbo “erguer” (qum). Seria assim um sítio onde foram erguidos monumentos, memórias, altares… Sítios, enfim, de denso significado funcional e simbólico. Conteúdos profundos como estes podem andar escondidos nas nossas palavras de usos mais prosaicos.

O conteúdo das memórias que sobem das profundezas deste Oriente traz consigo muito das memórias e vivências do mundo judaico-cristão das origens. O mundo da Mesopotâmia, representado agora pelo Iraque, foi realmente um espaço onde judaísmo e cristianismo deram alguns dos primeiros passos na difusão para fora da Palestina e onde por mais tempo conservaram entre si as cumplicidades da origem. Formas mistas de judaísmo e cristianismo, como os restos do movimento batista e os mandeus, mantiveram-se ali vivos durante séculos e são visíveis ainda nos dias de hoje.

As igrejas cristãs siro-mesopotâmicas e o judaísmo ganharam, entretanto, outras cumplicidades com as raízes culturais do fundo mesopotâmico e acolheram novas sensibilidades no contexto do islamismo, até pelo facto de entre si falarem o árabe.

Na prática, a presença do cristianismo por todo este Oriente, nele incluindo o próprio caso de Israel atual, tem sido um contínuo exercício sofrido, paciente e sempre sob ameaça de extinção.

Há que redescobrir sentimentos de tolerância e solidariedade, de vida e de consciência, entre seres humanos que não têm outra possibilidade senão a de se assumirem como sendo iguais e irmãos, libertando-se da ganga discursiva de doutrinas e estratégias superficialmente religiosas. A realidade histórica ali vivida desde há largos milénios é feita de contínuas misturas de povos, sumérios, semitas, asiânicos autóctones e indo-europeus, organizando-se em sucessivos impérios: Suméria, Acádia, Babilónia, Assíria, Pérsia e ainda os Selêucidas, Romanos, Partas ou Arsácidas e Sassânidas e Otomanos, prolongando-se praticamente até à conquista árabe islâmica em meados do séc. VII d.C.

Ora, a quase totalidade dos lugares da visita papal reenvia para o chão histórico da aventura humana avançada, que se desenvolveu na Mesopotâmia desde há mais de cinco mil anos. Também estes ficaram como conteúdo erguido e profundo em cada lugar da visita. Os três dias da visita espelham o horizonte de três regiões e três épocas clássicas da Mesopotâmia.

 

No horizonte da Babilónia
Relevo de um palácio assírio de Dur-Sharrukin, possivelmente representando Gilgamesh, Iraque

Relevo de um palácio assírio (713-706 a.C.) de Dur-Sharrukin, possivelmente representando Gilgamesh como Mestre dos Animais, escultura agora no Museu do Louvre. Foto Jastrow/Wikimedia Commons.

 

As deslocações da visita têm como plataforma estratégica a região central da Mesopotâmia, onde fica a capital atual perto do sítio onde se situava a cidade da Babilónia. Não sendo a mais antiga, esta cidade acabou por vir a representar toda a Mesopotâmia e a sua história comum. O efeito que teve sobre a memória bíblica é algo negativo, desde a ironia da torre de Babel (Génesis 11) até à memória da destruição de Jerusalém em 587 a.C. (Salmo 137), memória tão trágica que se funde com a de Roma (Apocalipse 17-18) que destruiu Jerusalém e o templo no ano 70 d.C.

O país dá atualmente pelo nome de Iraque, cuja origem pode remeter para o nome da cidade de Uruk, que na Bíblia se diz Erec, situada mais a sul, na Suméria, e que é vista como o berço mundial da escrita e da civilização com que vivemos. Ali, o herói Gilgamesh foi o rei celebrado numa epopeia que se difundiu por todo o antigo Oriente.

Bagdad é capital a partir do período islâmico. Desde há mais de um milénio, com efeito, o Iraque é um espaço de hegemonia muçulmana. A missa de sábado à tarde é na catedral católica S. José, nesta cidade.

 

No horizonte da Suméria
Ur, Iraque, Abraao, José Manuel Rosendo

Ur, que a tradição considera como lugar de origem da família de Abraão, foi capital da terceira dinastia de Ur, o último império mesopotâmico na mão dos sumérios. Foto © José Manuel Rosendo.

 

Os lugares significativos do segundo dia da viagem remetem-nos para a região onde se acentua a memória dos sumérios. Najaf é a terceira cidade santa do Islão xiita. Ali se venera o túmulo-santuário de Ali, genro e primo de Maomé e segunda personagem na galeria do mundo islâmico, cujo nome preside à vertente espiritual do islão xiita, num país que tradicionalmente se tem assumido como sunita. Esta dualidade é fonte de densidade e de tensões, no Iraque e no próprio Islão. Ali se encontra um dos principais centros de estudo teológico xiita. O encontro do Papa é com o ayatollah Al-Sistani, que preside ao instituto Al-Khoei, o qual, com o estudo das diferentes religiões, se propõe educar para o diálogo entre elas.

Na região, existe um cemitério onde os piedosos judeus esperavam o juízo final, tal como acontece em Jerusalém, no vale de Josafat e por toda a encosta do Monte das Oliveiras. Ali existe igualmente o maior cemitério cristão do Iraque, anterior à fundação do próprio santuário muçulmano. Para túmulo de Ali, este lugar apresentava credenciais importantes, vindas da era pré-islâmica. Nas proximidades fica Kerala, outra cidade santa xiita com mesquita-túmulo dedicada os filhos de Ali.

Mais alargado e comunitário é o encontro deste segundo dia com os líderes religiosos do Iraque. Para este foi escolhida a antiga cidade suméria de Ur, que a tradição considera como lugar de origem da família de Abraão e que foi capital da terceira dinastia de Ur, o último império mesopotâmico na mão dos sumérios. Este encontro religioso acontece junto do grande zigurate de Ur, santuário associado ao deus Nana, representado pela lua, símbolo com que o Médio Oriente ainda hoje se identifica.

Este zigurate foi construído por volta de 2100 a.C. por Urnamu, fundador da terceira dinastia de Ur. O recinto forma um quadrilátero com cerca de mil metros de lado. Presentes estarão os adeptos das religiões que se inspiram na figura de Abraão: cristãos, mandeus, sabeus, yazidis, muçulmanos. A representação de judeus, provavelmente ausentes por razões políticas, ficará certamente implícita na presença dos grupos afins de origem judaico-cristã.

 

No horizonte da Assíria

 

Cópia de A porta de Ishtar de Arbela, na Assíria, Iraque

A porta de Ishtar de Arbela, na Assíria, dava entrada no santuário da deusa que concentrava em feminino o imaginário religioso da Mesopotâmia. Foto: Direitos reservados.

 

 

O terceiro dia da visita decorrerá no norte do Iraque, que na antiguidade é conhecido pelo nome de Assíria. É a região iraquiana autónoma do Curdistão. Erbil, a que os gregos chamavam Arbela, é uma cidade conquistada na terceira dinastia de Ur e habitada desde o quinto milénio. O santuário da deusa Ishtar de Arbela era, na Assíria, a divindade que concentrava em feminino o imaginário religioso da Mesopotâmia em todas as suas épocas. Foi capital do reino de Adiabene, cuja realeza se converteu ao judaísmo no séc. I da nossa era, tendo a rainha Helena construído palácio e sepultura em Jerusalém, no tempo de Jesus. Na atualidade, coexiste ali um grande número de religiões, incluindo cristianismo e yazidismo. Na mesma região fica Edessa, importante centro espiritual nas origens do cristianismo. Ali terá sido escrito o Evangelho de Tomé.

Na planície alto-mesopotâmica, fica a última capital dos assírios, Nínive, emparceirando com a mais moderna cidade de Mossul, numa e noutra das margens do rio Tigre. Nínive, tão destacada na história profética sobre Jonas, foi a nova capital de Senaquerib e, com os seus 750 hectares, é o maior sítio arqueológico de todo o Oriente. Nela, a grande biblioteca de Assurbanipal serviu de modelo para a Biblioteca que Alexandre Magno sonhava para Alexandria. Esta região mostrou sempre uma grande mistura de religiões, incluindo várias modalidades de cristianismo (assírios, nestorianos, caldeus e mandeus).

A ocupação por parte do autodenominado Estado Islâmico (EI) e as lutas pelo fim do mesmo deixaram Mossul em completa ruína. Entretanto, a comunidade cristã da região que mais sofreu com o EI foi a de Qaraqosh, a cidade mais cristã do Iraque. A missa de Francisco na Igreja da Imaculada Conceição será certamente marcada pela densidade e intimidade destas memórias e pelo dramatismo das vivências mais recentes. É particularmente simbólico que o Papa lhes vá restituir, devidamente restaurado, o seu livro oficial de orações, o Sidra, que escapou à destruição nos ataques do Daesh.

 

Espírito e lema da viagem
7-Iraque 5-Logo da viagem do Papa ao Iraque

O logotipo da viagem do Papa: Os lugares da viagem erguem memórias que abarcam desde o berço da civilização nas planícies do sul da Mesopotâmia e de toda a sua história até ao berço da expansão judaico-cristã.

 

 

Envolvendo a bandeira do Iraque encimada pela pomba da paz, como em auréola, o programa oficial da visita exibe o lema da viagem: Todos vós sois irmãos. Nos dois extremos está escrito em árabe e em curdo, duas línguas oficiais do Iraque, e no centro superior, com grafismo que a própria escrita naturalmente destaca, vem a língua do cristianismo oriental, o siríaco, na sua modalidade de escrita oriental ou mesopotâmica, chamada estranguelo ou nestoriano. Esta ocupa o centro, mesmo sem ser língua oficial. A fraternidade entre cristãos e muçulmanos é particularmente sublinhada pelo facto histórico de a escrita árabe ter sido adaptada a partir da escrita cristã siríaca, na sua versão ocidental mais linear, que os comerciantes proto-árabes se tinham habituado a usar nas suas viagens e foi assumida para o árabe corânico.

Os lugares desta viagem erguem, portanto, memórias que abarcam desde o berço da civilização nas planícies do sul da Mesopotâmia e de toda a sua história até ao berço da expansão judaico-cristã, nos vales e montanhas entre a Assíria e a vizinha Arménia. Foi nesta última que, segundo a literatura bíblica, a arca de Noé, no fim de um terrível cataclismo, encontrou finalmente chão firme para assentar e acolheu o regresso de uma pomba que trazia no bico um ramo de oliveira, sinal de que a catástrofe chegara ao fim (Génesis 8,12). O símbolo da paz nasceu ali.

A viagem de Abraão começou dali e era de saída e origem como aprofundamento de identidade; a viagem do Papa Francisco para ali é de regresso, reencontro e reafirmação de fraternidade, em cumprimento da sua carta encíclica recente, Fratelli tutti.

 

José Augusto Ramos é professor de História Oriental e Bíblica, da Universidade de Lisboa

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria novidade

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Papa doa 200 mil euros para ajudar migrantes e vítimas de tufão

Preocupado com Bielorrússia e Filipinas

Papa doa 200 mil euros para ajudar migrantes e vítimas de tufão novidade

O Papa Francisco enviou uma contribuição de 100 mil euros à Igreja das Filipinas, para ajudar o país asiático a minimizar as consequências do tufão Rai, que segundo dados das Nações Unidas provocou pelo menos 400 mortos, dezenas de desaparecidos, tendo afetado 8 milhões de pessoas em 11 regiões. Quantia equivalente foi destinada aos “grupos de migrantes bloqueados entre a Polónia e a Bielorrússia e em auxílio da Cáritas Polaca para enfrentar a emergência migratória na fronteira entre os dois países, devido à situação de conflito que já dura mais de 10 anos”, informou o Vaticano esta terça-feira, 18 de janeiro.

O Senhor a receber das mãos do servo

O Senhor a receber das mãos do servo novidade

Sendo hoje 6 de Janeiro (19 de Janeiro no calendário gregoriano), no calendário juliano (seguido por grande parte dos cristãos ortodoxos em todo o mundo), celebramos a Festa da Teofania de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo, isto é, a festa da manifestação ou revelação ao mundo da Sua divindade, no mistério do Seu Baptismo no rio Jordão, das mãos de São João Baptista.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This