Notícias em 52 idiomas

Os média do Vaticano já falam Mongol

| 31 Jan 2024

Papa manteve encontro com representantes de vários credos, na Mongólia. Foto © Vatican Media/Agência Ecclesia.

O Papa durante o encontro com representantes de vários credos, na Mongólia. Foto © Vatican Media/Agência Ecclesia

 

Depois do coreano, do hebraico e do macedónio – os últimos três idiomas a serem adicionados ao Vatican News – chegou a vez do mongol. Desde esta quarta-feira, 31 de janeiro, os média do vaticano incluem conteúdos em 52 idiomas diferentes.

A novidade “é um dos frutos da recente visita à terra do eterno céu azul, que tocou os corações dos católicos mongóis, mas também os de muitas pessoas de outras convicções religiosas, que ficaram positivamente impressionadas com o grande testemunho humano e espiritual do Papa Francisco”, afirma o cardeal Giorgio Marengo, Prefeito Apostólico de Ulan Bator.

“A viagem à Mongólia em setembro de 2023 foi extraordinária”, diz por seu lado o diretor editorial dos média do Vaticano, Andrea Tornielli, acrescentando: “Por causa do testemunho que todos nós recebemos daquela Igreja pequena e ainda nascente, dedicada ao serviço do próximo… A foto tirada por um drone com o Sucessor de Pedro, juntamente com todos os católicos do país, que são 1.500, permaneceu histórica. Como sinal de atenção a essa pequena comunidade, para favorecer a comunhão, graças à colaboração do cardeal Marengo, decidimos abrir uma página do Vatican News no idioma mongol, elevando assim para 52 o número de idiomas utilizados pelo sistema de média do Vaticano no momento. É um reconhecimento a esses nossos irmãos e ao seu testemunho evangélico na Mongólia”.

Para já, todas as alocuções do Angelus dominical e as catequeses das quartas-feiras serão traduzidas e publicadas na página do portal do Vaticano em mongol. Em breve, está também prevista a produção de conteúdos da Rádio Vaticano neste idioma.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This