Os últimos apelos para que Israel desista do “plano ilegal de anexação”

| 1 Jul 20

Abu Dis, Palestina. Muro. Israel

O muro de separação (aqui, em Abu Dis, junto a Jerusalém) vai ser estendido, para alargar Israel, segundo a vontade do Governo de Telavive. Foto © WCC (Conselho Mundial de Igrejas)

 

Os palestinianos garantiram esta segunda-feira, 29, que estão prontos para retomar as negociações diretas com os israelitas. Num texto enviado à União Europeia, Nações Unidas, Rússia e Estados Unidos, citado pelo jornal La Croix, avisam, no entanto, que “se Israel declarar anexação a qualquer parte do território palestiniano, isso significará, necessariamente, o cancelamento de todos os acordos assinados”. Às zero horas desta quarta-feira, 1 de julho, dia em que o Governo israelita deve iniciar as deliberações sobre os planos de anexação de territórios na Cisjordânia, a Amnistia Internacional lança um último apelo às autoridades israelitas e à comunidade internacional: “a anexação é ilegal” e “crime de guerra”.

“O direito internacional é claro quanto a este assunto: a anexação é ilegal. O facto de Israel levar por diante esta política ilustra ainda mais a desconsideração cínica que tem face ao direito internacional. Tais políticas não alteram o estatuto legal do território e dos seus habitantes sob o direito internacional, nem retiram as responsabilidades de Israel enquanto potência ocupante, mas apontam para a ‘lei da selva’ que não deveria ter lugar no mundo de hoje”, sublinha o diretor-adjunto para o Médio Oriente e Norte de África da Amnistia Internacional, Saleh Higazi, em comunicado enviado ao 7MARGENS.

“A comunidade internacional deve fazer cumprir a lei internacional e reafirmar que a anexação de qualquer parte da Cisjordânia ocupada é nula e não tem efeito. Além disso, deve trabalhar para interromper imediatamente a construção ou a expansão de colonatos ilegais de Israel e de infraestruturas nos Territórios Palestinianos Ocupados como um primeiro passo para retirar os civis israelitas que vivem nesses colonatos”, defende Saleh Higazi.

De acordo com a Amnistia Internacional, a política de Israel estabelecer civis nestes territórios e deslocar a população palestiniana local contraria as regras fundamentais do direito internacional humanitário. “Os colonatos são criados com o único objetivo de estabelecer permanentemente judeus israelitas em terras ocupadas. Este é um crime de guerra sob o direito internacional”, considera o responsável daquela organização de direitos humanos.

No texto enviado pelas autoridades palestinianas ao “quarteto” (ONU, União Europeia, Estados Unidos e Rússia), estas admitem que haja “pequenas mudanças nas fronteiras que serão mutuamente acordadas, com base nas fronteiras de 4 de junho de 1967”, data a partir da qual Israel começou a ocupar a Cisjordânia.

“Ninguém tem tanto interesse quanto os palestinianos em alcançar um acordo de paz e ninguém tem tanto a perder quanto os palestinianos na ausência da paz”, assumem, acrescentando que estão “prontos para aceitar a presença de um terceiro mandato [da ONU] para (…) garantir o cumprimento do acordo de paz sobre segurança e fronteiras”.

Em relação ao estatuto de Jerusalém, considerada cidade santa por árabes e judeus (além de cristãos) e um dos obstáculos do conflito entre israelitas e palestinianos, estes últimos mantêm o desejo de tornar a parte oriental da cidade, ocupada e anexada por Israel, e declará-la capital do seu Estado.

Esta segunda-feira, uma petição assinada por mais de cem personalidades judaicas na área jurídica foi também entregue às autoridades israelitas. Alguns dos mais reputados advogados e juízes judeus de diversos países do mundo pediram a Israel que “siga o caminho da lei” e não avance com os planos de anexação, noticiou o Jewish News.

Estes representantes de comunidades judaicas não têm dúvidas: “A anexação violaria fundamentalmente uma proibição central do direito internacional de aquisição de território através da ameaça ou uso da força”. Os signatários consideram ainda que “tal ato também seria contrário a outros princípios do direito internacional [e] minaria o direito do povo palestiniano à autodeterminação”.

Já na semana passada, inúmeros representantes religiosos, das Nações Unidas, da Liga Árabe e da União Europeia (com o apoio expresso de Portugal) tinham manifestado uma enorme preocupação com as possíveis consequências da concretização dos planos israelitas, que consideram ser “contrários ao direito internacional” e comprometer as negociações para a paz na região.

Aclamado como “histórico” por Israel, este plano foi proposto pelo presidente norte-americano Donald Trump e confere a Israel a possibilidade de estender a soberania aos colonatos dispersos na Cisjordânia, prevendo a criação de um Estado palestiniano desmilitarizado num território fragmentado, sem Jerusalém Oriental como capital. A implementação do plano deverá ficar decidida esta quarta-feira, 1 de julho.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Eventos decorrem até dia 29

Semana Laudato si’ 2022

A Semana Laudato Si’, evento de uma semana de duração que marca o sétimo aniversário da encíclica do Papa Francisco sobre o cuidado da criação, contará com uma série de celebrações globais e a primeira apresentação pública do trailer oficial de O Convite, um novo filme com o Papa Francisco.

China

Repressão contra uigures não para

O município de Konasheher, no centro da região uigur chinesa (Xinjiang), detém, segundo um levantamento da Associated Press (AP), a maior taxa de prisão conhecida no mundo: mais de 10.000 uigures (um em cada 25 habitantes) estão presos, acusados pelos tribunais chineses de atos de terrorismo.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

E quando o Papa nos ler sobre o Sínodo? novidade

  O surgir da hipótese sinodal (com as características anunciadas para este caminho 2021-23) apareceu-nos como que o acender de um facho de luminoso gás (Ar-Sopro-Espírito) na imensa escuridão das noites desiludidas, por comuns pseudo-vivências, afinal queridas...

Tríptico e eco

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

Enquanto há corrupção, há desesperança

“Se o Estado é forte, esmaga-nos. Se é fraco, perecemos.” Terá sido assim que noutro tempo Paul Valéry (1871-1945) se referiu àquele que é um dos mais fraturantes assuntos da praça pública portuguesa ao longo da última década: a corrupção. 

Cultura e artes

Emissão filatélica

Lenda da Nazaré em selo sobre mitos europeus

A história é conhecida e desde a semana passada está também evocada num selo de correio, numa emissão filatélica dedicada a mitos da Europa: em 14 de Setembro de 1182, Fuas Roupinho, alcaide-mor de Porto de Mós, andava à caça, quando encontrou o que parecia ser um veado. Lançando-se em sua perseguição, acabou no alto de uma falésia, à beira de cair. Invocou Nossa Senhora e o cavalo manteve-se erguido apenas pelas patas traseiras, enquanto o veado desaparecera – seria, afinal, a figura do demónio…

Pré-publicação

Qual é a religião de Deus?

Na próxima quinta-feira, 19 de maio, será apresentado no Porto Todos Nós Somos Sendo (ed. Contraponto), o livro que completa uma trilogia de conversas entre frei Fernando Ventura e Joaquim Franco. O 7MARGENS antecipa um excerto da obra, na qual frei Fernando e Joaquim questionam: “qual é a religião de Deus?” 

Filme no Dia Internacional

Aprender a “Viver Juntos em Paz” 

Em sintonia com os objetivos do Dia Internacional de Viver Juntos em Paz, que esta segunda-feira, 16 de maio, se celebrou, a organização Aliança das Civilizações, da ONU, lançou o filme All of Us [Todos nós], do realizador Pierre Pirard, em parceria com outras organizações internacionais.

Exposições, música e debates

“Diakuyu”: uma iniciativa para ajudar os ucranianos, e agradecer-lhes também

Uma exposição solidária com recolha de fundos para apoio aos refugiados ucranianos em Portugal está patente desde esta quinta-feira, 12, na Galeria Santa Maria Maior, em Lisboa. O título da exposição, Diakuyo, ou “obrigado” em ucraniano, foi escolhido por se tratar de “uma homenagem e agradecimento ao povo ucraniano, que não está está só a lutar em causa própria, mas para a defesa de valores universais da humanidade como a liberdade e a justiça”, explica a organização em nota enviada ao 7MARGENS.

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This