Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

| 27 Out 2020

Chevy Chase, Maryland. Foto © Ana Luísa Pimentel

 

Em Washington DC a chegada do Outono tem sabor a aconchego, a recomeço, sente-se no ar que algo de novo está para acontecer. Os bosques e os parques (e há tantos espalhados pela cidade!) vestem-se de cores quentes, vermelho, laranja, amarelo, para aquecer o nosso olhar. Sabemos efectivamente que algo de extraordinário está para acontecer, a eleição que irá mudar o rosto deste país, seja qual for o resultado muitas dores estão ainda por ser sofridas, a contagem decrescente para o dia 3 de Novembro é como uma bomba relógio, a ansiedade está presente em cada olhar, mas não podemos ignorar os sinais da Natureza e confiar que algo muito maior que nós irá olhar-nos, cuidar-nos, garantir que a vida é mais do que esta espera pela notícia do dia seguinte.

A tradição de decorar as casas para a noite do Halloween convida muita gente para a rua, os dias são frescos e cheios de sol, fazemo-nos acompanhar de uma camisola leve e caminhamos pelos bairros à procura da última novidade, a mais assustadora, a mais artística, a mais estranha e incompreensível, esta é enfim a época de todos os excessos. Nada por aqui sugere contenção ou sobriedade, apenas o oposto é verdade, a manifestação da liberdade individual não tem limites. Perdemo-nos em mais umas quantas micro-notícias diárias, não existem dias aborrecidos por estes lados, apenas tanta coisa a acontecer ao mesmo tempo, protestos violentos espalhados pelo país, a consciência da discriminação racial ao rubro, DC tem 50% de população afro-americana e eu simplesmente não os vejo, de tal forma vivemos numa cidade segregada.

Se no início da pandemia estávamos apenas gratos por ter uma casa, trabalho, um porto seguro para nos resguardarmos, sete meses mais tarde manifesta-se um cansaço e uma sensação de isolamento dolorosos, que nos empurram para tomar novos riscos, a bem do nosso equilíbrio mental. Os restaurantes abriram, as esplanadas multiplicam-se, fecham-se ruas ao trânsito para abrir passagem às bicicletas, e DC deixa de ser um lugar fantasma para dar lugar ao seu brilho de cidade vibrante e plena de ofertas culturais. Estamos em final de Outubro, a pandemia cresce descontroladamente; enquanto a Europa se vê a braços com um novo pico de infeções, por aqui na verdade nunca chegou a decrescer, novamente o valor da liberdade individual acima de tudo o resto.

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres. Estamos em DC, sinto-me espectadora de um filme extraordinário a desenrolar-se diante dos meus olhos, e sinto-me impotente, sim extremamente impotente perante esta realidade. À frente da nossa casa temos um sinal a dizer “Vote”, exactamente a mesma palavra em inglês e em português. Mas aqueles que não votam, aqueles que há muito perderam a esperança de ver os seus interesses representados no Senado, esses nem sequer passam à frente da minha porta. Entretanto espero, e vejo o filme a desenrolar-se em frente aos meus olhos nesta espera de Outono.

Chevy Chase, Maryland. Foto © Ana Luísa Pimentel

 

Ana Luísa Pimentel vive em Washington DC, Estados Unidos da América, é psicóloga, natural de Lisboa e viveu 10 anos na Dinamarca na sua primeira experiência de expatriada. É mãe de três filhos e casada com o Luís. Considera “casa” o lugar onde se sente bem acolhida.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma coleção de livros infanto-juvenis que é uma missão para estas férias… e para o resto da vida

[O papel das estórias]

Uma coleção de livros infanto-juvenis que é uma missão para estas férias… e para o resto da vida novidade

Miúdos de férias rima com… leituras sérias. Calma: o objetivo era rimar, não assustar! Até porque os livros sobre os quais vos venho falar são, de facto, sobre temas sérios, mas não são nada aborrecidos. Ou, como diriam os miúdos a quem se dirigem: não são “uma seca”. Pelo contrário, podem ser uma lufada de ar fresco neste verão que se adivinha estar para aquecer.

Um casal em 2024

Um casal em 2024 novidade

“A D. Georgina e o Senhor Amaro comentam o trânsito dos jovens, ele irritado: isto é gente de fora, do karaté ou lá o que é, daquelas coisas chinesas de dar porrada. Ela, rancorosa: pois, deixam-nos vir para cá para aprenderem a fazer-nos mal, deviam era mandá-los a todos para a terra dele”. Um texto de Nuno Caiado, baseado num episódio real testemunhado em Lisboa.

Clientes de supermercados convidados a apoiar a Cruz Vermelha

Campanha Vale +

Clientes de supermercados convidados a apoiar a Cruz Vermelha novidade

Até ao próximo dia 26 de julho, uma nova edição da campanha Vale +, promovida pela Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), está a decorrer em 597 grandes superfícies de todo o país. Os clientes dos supermercados podem contribuir para esta iniciativa através da aquisição de vales monetários ou alimentares no ato de pagamento das suas compras, sendo que no próximo fim de semana, dias 20 e 21, donativos como bens alimentares e de higiene poderão ser diretamente entregues a voluntários que estarão em loja.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This