Enviado pelo Papa à Ucrânia

“Ouvem-se as sirenes, há muitos mortos”, mas o cardeal Krajewski não desiste da sua missão

| 16 Set 2022

Esta é a quarta vez que o cardeal polaco Konrad Krajewski, prefeito do Dicastério para o Serviço da Caridade, visita a Ucrânia desde o início da guerra. Sem esconder a emoção, partilha o seu testemunho num vídeo gravado a partir de Odessa, cidade onde se encontra antes de prosseguir viagem rumo ao norte do país. “A situação é muito difícil. Mesmo esta noite as sirenes foram ouvidas. Há muitos mortos, mas procedemos ao longo da fronteira russa para estar com as pessoas”, conta no vídeo divulgado esta quinta-feira, 15, pelo Vatican News, e que pode ser visto acima.

“Queremos estar diante da cruz com todas as viúvas, com os filhos de homens mortos e feridos e, estando assim como Maria, sentimos que Jesus diz aos ucranianos: ‘eis a tua Mãe’. Se seguirmos Nossa Senhora das Dores, haverá milagres aqui na Ucrânia”, afirma esperançoso o esmoleiro do Papa, que tem bem presente o que o levou até ali. “A minha tarefa, por parte do Santo Padre, é estar aqui com o povo, ter confiança e repetir todos os dias que confiamos em Jesus. Repetir: ‘Jesus eu confio em vós'”.

O cardeal explica que esta sua quarta missão é “diferente”. “Estou em Odessa, a 3.600 quilômetros do Vaticano, e, viajando da fronteira ucraniana ao Nordeste do país, visitamos todos os lugares onde há comunidades religiosas, sacerdotes e voluntários que nunca deixaram os seus fiéis nestes duzentos dias”, e que precisam, eles próprios, de ajuda.

Para Krajewski, é essencial esta proximidade da Igreja, que assim partilha o drama do “povo ucraniano martirizado”. “Viemos confirmar as pessoas na fé, dar esperança, estar perto delas”, afirma. No fundo, é a isso que se resume a missão – “estar com as pessoas” – e já não é nada pouco.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This