Enviado pelo Papa à Ucrânia

“Ouvem-se as sirenes, há muitos mortos”, mas o cardeal Krajewski não desiste da sua missão

| 16 Set 2022

Esta é a quarta vez que o cardeal polaco Konrad Krajewski, prefeito do Dicastério para o Serviço da Caridade, visita a Ucrânia desde o início da guerra. Sem esconder a emoção, partilha o seu testemunho num vídeo gravado a partir de Odessa, cidade onde se encontra antes de prosseguir viagem rumo ao norte do país. “A situação é muito difícil. Mesmo esta noite as sirenes foram ouvidas. Há muitos mortos, mas procedemos ao longo da fronteira russa para estar com as pessoas”, conta no vídeo divulgado esta quinta-feira, 15, pelo Vatican News, e que pode ser visto acima.

“Queremos estar diante da cruz com todas as viúvas, com os filhos de homens mortos e feridos e, estando assim como Maria, sentimos que Jesus diz aos ucranianos: ‘eis a tua Mãe’. Se seguirmos Nossa Senhora das Dores, haverá milagres aqui na Ucrânia”, afirma esperançoso o esmoleiro do Papa, que tem bem presente o que o levou até ali. “A minha tarefa, por parte do Santo Padre, é estar aqui com o povo, ter confiança e repetir todos os dias que confiamos em Jesus. Repetir: ‘Jesus eu confio em vós'”.

O cardeal explica que esta sua quarta missão é “diferente”. “Estou em Odessa, a 3.600 quilômetros do Vaticano, e, viajando da fronteira ucraniana ao Nordeste do país, visitamos todos os lugares onde há comunidades religiosas, sacerdotes e voluntários que nunca deixaram os seus fiéis nestes duzentos dias”, e que precisam, eles próprios, de ajuda.

Para Krajewski, é essencial esta proximidade da Igreja, que assim partilha o drama do “povo ucraniano martirizado”. “Viemos confirmar as pessoas na fé, dar esperança, estar perto delas”, afirma. No fundo, é a isso que se resume a missão – “estar com as pessoas” – e já não é nada pouco.

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

Entrevista do Papa à AP

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

A polémica gerada pelas declarações do Papa Francisco sobre a homossexualidade, na entrevista que concedeu à agência Associated Press (AP), não nasceu do facto de ele ter dito que a Igreja e todos os bispos deviam denunciar como “injusta” qualquer lei que criminalize ou discrimine pessoas LGBT, mas sim daquilo que ele não disse: ser homossexual é um pecado. O Papa referiu-se também ao Caminho Sinodal Alemão como um processo ideológico, censurou o “hábito” de todo o cidadão ter uma arma, referiu as críticas de que tem sido alvo como sendo naturais e afirmou que se renunciasse acabaria os seus dias retirado como bispo emérito de Roma.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This