Oxigénio medicinal deve ser direito humano básico, defende Igreja na Índia

| 27 Abr 21

COBAS_6800_testing_machine_at_NCDC,_Delhi_May_14,_2020

Um centro de testes do Centro Nacional de Controlo de Doenças em Nova Deli, Índia. Foto © Press Information Bureau, Government of India <https://data.gov.in/sites/default/files/Gazette_Notification_OGDL.pdf>, via Wikimedia Commons.


O cardeal George Alencherry exortou o governo da Índia a considerar o oxigénio medicinal como um direito humano básico, visto que o país enfrenta uma escassez sem precedentes deste gás que salva vidas, o que está a causar a morte de centenas de pacientes com Covid-19, relatou uma agência de notícias católica.

A este pedido, juntou-se o apelo dos responsáveis da Igreja Católica para que a Índia coloque militares a gerir a crise provocada pela pandemia.

Com a Covid-19 a ceifar diariamente milhares de vidas na Índia, e depois de notícias de que hospitais públicos e privados na capital Nova Delhi e em outros estados recusaram receber doentes graves com coronavírus, que precisavam de oxigénio para suporte básico, o cardeal Alencherry deixou um forte apelo ao Governo, citado pela UCA News.

O executivo deve tratar “a disponibilidade de oxigénio medicinal como um direito humano básico”, defendeu o atual arcebispo maior de Ernakulam-Angamaly, e tomar “todas as medidas necessárias imediatamente para torná-lo disponível para as pessoas que estão a lutar arduamente para sobreviver em hospitais e centros de saúde”, disse ele em um apelo ao governo federal.

Por sua vez, os líderes católicos pediram também ao governo federal que envie militares para lidar com a crise antes que ela se agrave ainda mais. Segundo o bispo Theodore Mascarenhas, os militares têm os recursos e a mão-de-obra necessários para aliviar a atual situação de “calamidade nacional”.

“A segunda onda de Covid-19 é certamente uma calamidade nacional e toda a nação está lutando enquanto milhares estão morrendo e centenas de milhares são infectados diariamente”, afirmou o bispo Theodore Mascarenhas, ex-secretário-geral da Conferência dos Bispos Católicos da Índia.

“O governo federal deve considerar o envio de militares para ajudar a administração civil a lidar efetivamente com essa situação alarmante de pessoas que vivem com medo”, defendeu esta terça-feira à UCA News.

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This