Plataforma de Apoio aos Refugiados

“Packs anti-experiência” para ajudar Cabo Delgado

| 6 Set 2021

Amnistia, Cabo Delgado, refugiados, deslocados, Moçambique

Há mais de 730 mil pessoas deslocadas em Cabo Delgado. Segundo a UNICEF, em março, cerca de 250 mil desses refugiados eram crianças. Foto © Amnistia Internacional.

 

Glosando os “pacotes de experiências”, vales que permitem usufruir de diversos serviços de lazer, que se vendem em vários espaços comerciais, a Plataforma de Apoio aos Refugiados lançou os “packs anti-experiência”. Quem os adquirir ajudará diretamente a Missão do Serviço Jesuíta aos Refugiados, a Cáritas Moçambique e a UNICEF Moçambique no trabalho que desenvolvem a favor de 730 mil vítimas do conflito de Cabo Delgado, em Moçambique, protagonistas de “histórias que ninguém deveria ter vivido”.

Medo, dor, fome e exílio são os quatro “pack anti-experiência”, que podem ser comprados no site dedicado à iniciativa ou em lojas FNAC, por quantias que oscilam entre 20 e 50 euros.

Um pack anti-experiência.

A aquisição de um “pack anti-experiência” é uma excelente ideia; útil e urgente. É que, como refere a apresentação, “a província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, enfrenta uma situação de emergência face à crise humanitária provocada pela violência armada. O país atravessa uma onda de violência que já provocou mais 2500 mortes e 730 000 deslocados. Os ataques não pararam, nem abrandaram e, por isso, desde o momento em que este texto foi escrito, até ao momento em que foi publicado, estes números já terão aumentado”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This