Em mensagem aos paroquianos

Padre afastado em Lisboa diz-se vítima de denúncia “falsa” e “caluniosa”

| 23 Mar 2023

padre mario rui pedras durante celebracao da vigilia pascal na igreja de sao nicolau, em lisboa, em 2019, foto FB Paróquia de São Nicolau

O padre Mário Rui Pedras (ao centro), durante a celebração da vigília pascal na Igreja de São Nicolau, em Lisboa, em 2019. Foto © Paróquia de São Nicolau.

 

O padre Mário Rui Pedras, pároco de São Nicolau e da Madalena, em Lisboa, assumiu numa mensagem publicada esta quarta-feira, 22, no site das suas paróquias ter sido um dos quatro clérigos afastados preventivamente pelo cardeal-patriarca, Manuel Clemente, por constar da lista de alegados abusadores entregue pela Comissão Independente. No seu comunicado, garante estar inocente e ser ele próprio vítima de uma “profunda injustiça”, com base numa “denúncia anónima, falsa, caluniosa, sem qualquer elemento útil ou prestável para investigação”.

“A denúncia anónima, sendo anónima, não dá a conhecer a identidade de quem a haja feito; não refere o nome da inventada vítima (quem denunciou anonimamente poderia indicar um qualquer nome); não se indica o local onde os falsos abusos teriam sido perpetrados; não fornece qualquer pista para levar a cabo uma investigação, referindo, por exemplo, o nome de potenciais testemunhas que tivessem algum conhecimento sobre o tema. Nada.”, sublinha Mário Rui Pedras na sua mensagem.

O pároco, que é também diretor do Departamento do Turismo do Patriarcado de Lisboa e do Departamento da Mobilidade, e ainda assistente nacional da Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEGE), diz ter ficado “profundamente chocado” quando foi chamado ao Patriarcado na passada segunda-feira, 20 de março, e soube da acusação, considerando que a sua “honra” e “reputação” estão a ser afetadas “por um golpe cobarde”.

Padre há 41 anos, Mário Rui Pedras é ainda conhecido pela sua posição tradicionalista em termos litúrgicos (na sua paróquia, celebram-se missas segundo o rito tridentino) e por ser o diretor espiritual e confessor do líder do Chega, André Ventura. Negando totalmente as acusações e dizendo-se alvo de uma “abjeta e monstruosa difamação”, o clérigo garante que ao longo da sua vida sacerdotal não praticou “o que quer que fosse de censurável, seja pelo prisma da lei canónica, pelo prisma da lei civil ou da ética comportamental”.

Agora, irá “fazer tudo o que estiver ao alcance para desmascarar quem [o] difamou”, adianta. “Analisarei quais as vias possíveis para reclamar judicialmente a reparação que me é devida, sabendo, todavia, que o caráter anónimo da denúncia poderá comprometer este meu propósito”, escreve no comunicado.

“Quem não deve não teme. E eu não temo. Tudo farei para que a verdade seja reposta”, conclui.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This