Padre Avelino Cardoso (1931-2021), uma vida ao serviço do mundo do trabalho e da Igreja

| 9 Fev 2021

O padre Avelino Cardoso, assistente dos movimentos operários da Ação Católica durante décadas, morreu nesta segunda-feira, 8 de fevereiro, com 89 anos. Este é o testemunho da equipa diocesana da LOC/MTC enviado ao 7MARGENS.

Padre Avelino Cardoso

Padre Avelino Cardoso: “O mundo operário valia bem um sacerdote a tempo inteiro. Foi esta a história da minha vida”. Foto: Direitos reservados

 

“O Mundo operário vale bem um sacerdote a tempo inteiro! Foi esta a história da minha vida”. Era assim que o padre Avelino Cardoso, antigo assistente diocesano e nacional da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC) se referia à sua opção pastoral de servir a Igreja no serviço ao mundo do trabalho.

O padre Avelino Cardoso morreu segunda-feira, 8 de fevereiro, depois de uma doença prolongada e agravada por covid-19, que contraiu, em ambiente hospitalar, na primeira semana de fevereiro. Assistente nacional e diocesano da Liga Operária Católica e Juventude Operária Católica (JOC), quando, em 14 de julho de 2007 celebrámos, no Auditório Vita em Braga, os seus 50 anos de padre, ele próprio contou:

“Sou o quinto filho de uma família operária. Naquela altura perguntavam frequentemente: ‘que queres ser quando fores grande’ e eu respondia que queria ser padre. O meu pai era carpinteiro e a minha mãe tecedeira. Porque éramos pobres, não pude entrar no seminário no tempo devido, pois no ano de fazer a quarta classe eu era o único aluno e tive de esperar mais um ano para acompanhar os que vinham da anterior.

“Estive como trabalhador infantil na oficina de carpintaria de meu pai. Depois, fui para o seminário. Quando concluí o curso, olhei para os meus colegas e muitos deles estavam cheios de dúvidas, que eu nunca tive. Tive, isso sim, medo de não ter dúvidas. Percorri o mundo, estive em França com os nossos emigrantes, onde vivi o Maio de 1968, estive em Inglaterra, no Canadá e no Brasil. Mas a maior parte da minha vida foi de entrega aos Movimentos Operários da Acção Católica, em particular a LOC/MTC e a Pastoral Operária. Resisti a muitos convites para outras coisas, para estar neste serviço. Sempre me senti feliz neste trabalho. Sempre, sempre, sempre! O mundo operário valia bem um sacerdote a tempo inteiro. Foi esta a história da minha vida”.

 

Testemunhos de uma vida cheia

Mas toda a gente sabe que foi algo mais. A história de vida do padre Avelino foi muito mais rica do que aquela simples e curta comunicação e a prová-lo foram os diversos testemunhos das pessoas que passaram pelo palco naquele dia.

Olívia Lopes, de Joane, uma das mais antigas coordenadoras diocesanas da LOC/MTC, disse: “Quando fui eleita presidente diocesana chamei o padre Avelino e disse-lhe que não era capaz. Ele disse-me ‘Não tenhas medo…’ e a verdade é que com Deus e o padre Avelino lá fomos caminhando.”

Conceição Carvalho, antiga operária têxtil, que em 1986 partiu de Mogege (Famalicão) para Lisboa como dirigente da LOC, referiu: “Tive muitas dificuldades, mas o padre Avelino foi de grande ajuda. E senti nele um grande amor pela classe operária, ele ama os mais pobres.”

Hermínia Mirra, militante de base do grupo da LOC/MTC da Carreira (Famalicão) também deu o seu testemunho: “O padre Avelino é uma pessoa simples. Sempre dirigiu palavras amigas e mansas. Esteve presente sempre nas horas mais difíceis da minha vida.”

Américo Monteiro, hoje coordenador nacional da LOC/MTC naquele dia de emoções fortes, referiu que gostava de apresentar a mais bela canção ou o mais belo poema, mas que não era esse o jeito dele. “O padre Avelino foi o grande impulsionador da minha vida”, disse. “Teve sempre a preocupação em nos sentirmos nas nossas responsabilidades. Quando éramos convidados para outros sítios e o padre Avelino estava presente, nós sentíamo-nos mais seguros. Estou feliz por tê-lo encontrado na minha vida.”

Diana, de Vila Nova de Sande, acabada de chegar de uma missão de dois anos no Brasil, depois de ter sido dirigente da JOC, disse: “O padre Avelino é alguém que deixa marcas. Quando fui convidada para dirigente, ele ajudou-me a descobrir que as dificuldades não eram obstáculos. Quando acabei o meu mandato quis ser missionária e o padre Avelino ajudou-me a descobrir o momento certo.”

Filipa Carvalho, naquela altura, coordenadora diocesana da JOC de Braga, disse: “É a celebração de uma vida, quero dirigir uma palavra amiga e carinhosa pelo seu testemunho vivo de entrega à Pastoral Operária. Os assistentes têm um papel importante na formação, ajudam-nos a conhecer Jesus Cristo fora das paredes da Igreja.”

Rui Oliveira, então vice-coordenador diocesano da LOC/MTC, encerrou a série de testemunhos: “É difícil descrever a vida do padre Avelino, a sua forma como se dirige às pessoas, a sua opção de vida pelos mais pobres, o seu contributo para o crescimento do Movimento. Ele continua a ser como uma seara viva que cresce e dá frutos.”

 

Partidas e regressos

Nascido a 16 de setembro de 1931 em Ronfe, Guimarães, foi ordenado a 14 de julho de 1957. Nesse mesmo ano foi nomeado prefeito do Colégio D. Diogo de Sousa, em Braga; em agosto de 1966 foi prestar serviço para Paris, França, junto dos emigrantes portugueses, até 1969, ficando como assistente diocesano da Juventude Rural e Agrária Católica Feminina (JARC).

Em setembro de 1970 regressou a Ronfe, Guimarães, colaborando com o pároco da vila. No ano de 1980 é nomeado para o serviço da emigração em Londres e é nomeado assistente dos Organismos Operários Católicos. Em 1987, reassume a assistência diocesana da LOC/MTC e, entre 1988 e 1992, presta serviço como assistente nacional da JOC e LOC/MTC. Volta depois ao lugar de assistente diocesano. Entre 1983 e 2000, fez, por quatro vezes, férias apostólicas no Brasil, em lugares sem padres.

Avelino Cardoso era ainda um dos fundadores da Associação dos Padres do Prado, em Portugal, e desde 1994 membro da CNASTI (Confederação Nacional de Ação Contra o Trabalho Infantil).

Outra missão de grande relevância que assumiu na sua vida e constituiu um marco importante na formação cristã e de cidadania de muitos jovens, foi como professor de Educação Moral e Religiosa, em Guimarães e em Joane. Este serviço permitiu-lhe conhecer e ajudar muitos adolescentes e jovens no seu crescimento como cidadãos e cristãos, apoio que se prolongou, muitas vezes, pela vida fora.

Nos últimos anos de vida, já debilitado na sua saúde, regressou à residência em Ronfe, onde recebia e assistia muitos trabalhadores e suas famílias, que o procuravam constantemente.

 

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This