Presidenciais em França

Padre católico pede aos bispos que ergam a voz contra Marine Le Pen

| 19 Abr 2022

As principais instituições que representam os muçulmanos e os judeus de França apelaram já ao voto no Presidente da República cessante, Emmanuel Macron, que no domingo, 24 de Abril, disputa a segunda volta das presidenciais com a candidata de extrema-direita Marine Le Pen. Os bispos católicos têm estado silenciosos, mas um conhecido sacerdote da diocese de Lyon, Christian Delorme, veio pedir-lhes que ergam a voz contra a extrema-direita num texto de opinião publicado na edição do diário Le Monde (ligação reservada aos assinantes), datado de 20 de Março (o jornal surge ao meio dia nas bancas com a data do dia seguinte),

Já em 2017 os bispos franceses não tomaram posição quando Macron também disputou a segunda volta com a extremista Le Pen (na imagem, cartazes dessa eleição). Foto © Lorie Shaull from St Paul, United States, CC BY 2.0, via Wikimedia Commons.

 

As principais instituições que representam os muçulmanos e os judeus de França apelaram já ao voto no Presidente da República cessante, Emmanuel Macron, que no domingo, 24 de Abril, disputa a segunda volta das presidenciais com a candidata de extrema-direita Marine Le Pen. Os bispos católicos têm estado silenciosos, mas um conhecido sacerdote da diocese de Lyon, Christian Delorme, veio pedir-lhes que ergam a voz contra a extrema-direita num texto de opinião publicado na edição do diário Le Monde (ligação reservada aos assinantes), datado de 20 de Março (o jornal surge ao meio dia nas bancas com a data do dia seguinte). De resto, garante o sacerdote, a maioria dos prelados não simpatiza com Marine Le Pen — contar-se-ão “pelos dedos de uma mão” os que serão susceptíveis de votar nela.

“É preciso que os bispos da França, pelo menos os mais corajosos de entre eles, saibam dizer: ‘Nenhum voto cristão deve ir, domingo, 24 de Abril de 2022, para a extrema-direita!’” Para o sacerdote, “é preciso que, em todo o caso, a maioria dos baptizados e dos sacerdotes o gritem em alto e bom som”.

O voto no presidente cessante não é “um novo cheque em branco”, diz Christian Delorme. É que, diz ele, há em França “demasiados sofrimentos, demasiadas desigualdades, demasiadas raivas”, em consequência das políticas seguidas há decénios, para não se registarem mudanças significativas. “Mas as duas candidaturas não são comparáveis. Uma não está fechada a mais humanidade, a outra leva-nos ao caos.”

No texto publicado na edição que coincide com o dia do debate entre os dois candidatos na televisão pública francesa, Christian Delorme denuncia ainda a deriva dos católicos franceses que, em grande número, têm votado em candidatos que contrariam os valores do cristianismo. Os números da primeira volta das eleições presidenciais “são terríveis”, afirma o sacerdote, referindo um estudo do Institut Français d’Opinion Publique (IFOP), realizado para o diário La Croix, que indica que, somadas as votações em Marine Le Pen, Eric Zemmour e Nicolas Dupont-Aignan, a extrema-direita foi a escolha de 40% dos católicos praticantes.

“Este é um fracasso considerável para a Igreja e para o cristianismo em geral”, constata Christian Delorme. O sacerdote interroga-se sobre o que subjaz a estas escolhas políticas. “Mas de que cristianismo se trata? Não certamente de um cristianismo segundo o testemunho de Jesus de Nazaré, que pregou o acolhimento do estrangeiro, a fraternidade universal! Este é um cristianismo sem Jesus! É um cristianismo transformado em ideologia de ódio. De um cristianismo de exclusão do outro”. Ou seja, sublinha Christian Delorme, trata-se “de um cristianismo pervertido, de uma heresia contemporânea. De uma instrumentalização política do cristianismo como não faltou ao longo da história, e como é evidenciado também hoje pelo actual patriarca ortodoxo de Moscovo encorajando e abençoando a agressão russa contra a Ucrânia”.

O sacerdote lionês, muito comprometido com os migrantes, qualifica esta “extrema-direitização” do catolicismo francês como “uma tragédia, pelo menos tão aflitiva (para um cristão, em todo caso!) quanto a ultra-descristianização de nossa sociedade”. As consequências desta tendência são perniciosas: “Contrariamente ao que pensam os promotores do retorno a um catolicismo identitário, que pretendem fazer reviver a mensagem cristã em França, o que está em vias de acontecer acelerará ainda mais a descristianização do país, porque a mensagem não pode ser salva traindo-a ou adocicando-a.”

Christian Delorme diz não saber “se os bispos correrão o nobre risco de dizer isto nos próximos dias”, acrescentando que, seja como for, esta radicalização em massa é um tema que reclama a urgente reflexão de teólogos e de pastores.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This