Padre do Opus Dei condenado por abusos sexuais

| 7 Jul 20

Cópia de Manuel Cociña y Abella, Opus Dei, Foto Direitos Reservados

Manuel Cociña y Abella (à direita) é o primeiro padre do Opus Dei a ser condenado por abusos sexuais pela Santa Sé, mas há outras investigações a decorrer. Foto: Direitos Reservados.

 

O Vaticano condenou por abusos sexuais o padre espanhol Manuel Cociña y Abella, pertencente ao Opus Dei, noticiou o jornal Religión Digital. O clérigo, de 72 anos, considerado uma figura proeminente dentro da prelatura pessoal (espécie de diocese autónoma, que apenas responde ao Papa e não aos bispos), terá abusado de vários estudantes que viveram em residências universitárias da Obra, em diversas cidades espanholas, ao longo dos últimos 30 anos.

A investigação, de acordo com a notícia de sábado, 4 de Julho, foi iniciada na sequência da queixa feita por um dos jovens, em agosto de 2018, depois da visita do Papa Francisco ao Chile, país onde a vítima reside atualmente. O jovem relatou ter sofrido abusos por parte de Manuel Cociña em pelo menos sete ocasiões, no Colégio Mayor Almonte, em Sevilha, entre 2002 e 2003. O padre aproveitava as confissões para solicitar atos de cariz sexual e oferecia massagens de relaxamento que terminavam com “toques nos órgãos genitais”.

A esta denúncia, somaram-se entretanto testemunhos de mais quatro jovens que terão sofrido abusos semelhantes em várias residências da instituição onde o padre exerceu funções.

Em setembro de 2018, após ter tido conhecimento da primeira queixa formal, o atual prelado do Opus Dei, Fernando Ocáriz, ordenou uma investigação e decidiu adotar, como medidas cautelares, a restrição da atividade pastoral do padre Manuel Cociña ao centro em que residia naquele momento (e continua a residir), na cidade de Granada, e a proibição de manter o contacto com menores de 30 anos, até que a Santa Sé tomasse uma decisão.

Os resultados da investigação foram enviados em dezembro à Congregação para a Doutrina da Fé e a sentença final, à qual o Religión Digital teve acesso, foi conhecida no passado dia 30 de junho. Manuel Cociña fica proibido de exercer o seu ministério em público durante cinco anos e, nos cinco anos seguintes, poderá exercê-lo unicamente no seu local de residência. O padre fica ainda “indefinidamente” interdito de dar atenção pastoral a pessoas com menos de 30 anos.

Em entrevista ao jornal digital chileno Kairós News, o jovem que fez a primeira denúncia lamenta não ter tido acesso à sentença e diz-se “indignado” com o facto de a condenação principal ser por apenas cinco anos. “Cinco anos não é nada. Não o expulsaram do Opus Dei. (…) E eu ainda por cima não posso recorrer dessa sentença”, sublinha.

A vítima, hoje com 36 anos e advogado de profissão, acusa ainda a prelatura de já saber de abusos cometidos por Manuel Cociña “desde 2011” e de não ter feito nada, até 2018, para além de ir transferindo o padre de residência em residência. O jovem manifesta também o seu descontentamento com o facto de a instituição permanecer agora em silêncio, não tendo emitido nenhum comunicado sobre a condenação.

Manuel Cociña y Abella, que foi reitor da Basílica de São Miguel, em Madrid, conviveu diretamente com o fundador do Opus Dei, Josémaría Escrivá de Balaguer, e chegou a estar em várias listas de “candidatos” a bispo para se tornar o primeiro bispo numerário (membro da prelatura) de Espanha. Tornou-se agora o primeiro padre numerário da prelatura a ser condenado por abusos sexuais. De acordo com a Kayrós News, existem mais denúncias contra padres da Obra em países como o Uruguai e os Estados Unidos da América, mas as investigações ainda estão a decorrer.

O 7MARGENS contactou o gabinete de imprensa do Opus Dei em Espanha para obter uma reação à decisão da Santa Sé, mas até final do dia de segunda-feira, 6 de julho, não obteve qualquer resposta.

Em 2015, o Papa Francisco determinou um julgamento canónico contra um professor de um colégio do Opus Dei em Espanha, que abusara de um aluno da escola. Na ocasião, o Papa escreveu uma carta à família e o Colégio Gaztelueta, no País Basco, comprometeu-se a investigar o caso até ao fim, enquanto a prelatura em Espanha prometia “o mais rápido esclarecimento dos factos”. O professor seria condenado a 11 anos de prisão, em 2019, por um juiz espanhol.

No início de 2019, o vigário regional dos Estados Unidos do Opus Dei pediu desculpas públicas a uma mulher que foi vítima de “má conduta sexual” por parte do padre John McCloskey. A organização católica pagou 875 mil dólares à vítima, num acordo extrajudicial. O caso aconteceu em 2002, mas só nessa altura foi tornado público. O padre sofria já de Alzheimer e estava há anos afastado de todas as atividades, de acordo com o que a prelatura informou na ocasião.

 

 

Artigos relacionados

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Queremos multiplicar o número de leitores do 7MARGENS.
Todos os apoios são relevantes. E a ajuda para que seja cada vez mais vasta a nossa comunidade de leitores é imprescindível: com mais leitores poderemos ter mais apoios e com estes podemos fazer mais e melhor informação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Abertura da nova sede do CELAM

Francisco relembra as três idolatrias

Recusem a mediocridade espiritual, o pragmatismo dos números e o funcionalismo que sempre ameaçam a marcha do Povo de Deus, recomendou o Papa Francisco aos bispos latino-americanos na sua mensagem por ocasião da inauguração da nova sede do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

É notícia

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Cultura e artes

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This