Caso arquivado por prescrição dos factos

Padre e artista Marko Rupnik sob suspeita de abusos e violência

| 5 Dez 2022

Marko Ivan Rupnik, padre jesuíta, arte

Marko Ivan Rupnik, padre jesuíta, artista e teólogo, sob suspeita de ter abusado de mulheres. Foto © Centroaletti, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

 

A Companhia de Jesus reconheceu, num comunicado datado do último dia 2, mas dado a conhecer apenas esta segunda-feira, 5, que o padre Marko Ivan Rupnik, jesuíta e artista de renome mundial, se encontra proibido de exercer o ministério presbiteral em várias das suas dimensões.

O motivo tem que ver com uma queixa apresentada em 2021 no Dicastério para a Doutrina da Fé (DDF), do Vaticano, a qual se relaciona com abusos e violência sobre religiosas, ainda que a matéria não seja explicitamente referida no comunicado dos Jesuítas – o que se diz é que os factos a que se referem as sanções “não envolveram menores”.

No comunicado agora difundido pela Casa Interprovincial Romana da Companhia de Jesus, e que foi enviado ao 7MARGENS (mas não disponibilizado em nenhuma página dos jesuítas e apenas reproduzido num blog italiano), refere-se que as conclusões da investigação sobre as denúncias acerca do padre Rupnik, realizada por um instrutor externo à Companhia, foram enviadas ao DDF. Este Dicastério, por comunicação de início de outubro último à Companhia, decidiu pelo encerramento do caso, por terem prescrito os factos em questão.

Soube-se agora que, ao mesmo tempo que decorreu a investigação, os responsáveis pela Companhia impuseram a Marko Rupnik a proibição de confessar, bem como de exercer direção espiritual e acompanhamento de exercícios espirituais. Ficou ainda proibido de exercer atividades públicas sem a autorização do seu superior local.

O esclarecimento adianta também um facto relevante: “Estas medidas continuam ainda hoje em vigor, como medidas administrativas, mesmo depois da resposta do Dicastério para a Doutrina da Fé”.

Marko Ivan Rupnik, inferno, ressurreição, Ljubljana

Descida aos Infernos e Ressurreição (2006), obra de Rupnik e artistas do Centro Aletti no Colégio São Estanislau em Ljubljana (Eslovénia). Foto © Giovanna60 at Italian Wikipedia, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

Quem é, afinal, o presbítero a quem se referem estas informações? Para os menos atentos ou familiarizados com os ambientes católicos, o padre Rupnik tornou-se mundialmente conhecido pelos seus mosaicos dourados de grandes dimensões, em terracota dourada. Eles figuram hoje em locais tão diversos como a emblemática capela Redemptoris Mater, no Palácio Apostólico no Vaticano, encomendada pelo Papa João Paulo II, a catedral de Almudena, em Madrid, a recém-decorada fachada da Basílica de Aparecida, no Brasil, e, no caso português, é também dele o painel monumental que está por detrás do altar-mor, na Igreja da Santíssima Trindade, em Fátima.

Foi ainda autor do logotipo do Ano da Misericórdia (2015/2016) e dos mosaicos da gruta de Santo Inácio, em Manresa, na Catalunha, cuja inauguração, em 31 de julho, com a presença do superior-geral da Companhia de Jesus, marcou também a abertura dos 400 anos sobre a canonização do fundador dos Jesuítas.

Mas Marko Rupnik é também um conhecido teólogo e autor de dezenas de livros sobre arte, espiritualidade e teologia, e muito solicitado para exercícios inacianos, bem como conferências e palestras, um pouco por todo o mundo. O último sinal de reconhecimento aconteceu na última semana, quando a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (Brasil) lhe atribuiu um doutoramento honoris causa, no âmbito do qual fez uma conferência sobre o tema “Educar pela beleza”.

É, pois, com comoção e perplexidade que muitos setores que aprenderam a admirar e, mesmo, a seguir este jesuíta, veem a circulação de notícias que apontam para práticas abusivas sobre mulheres. Ainda que o Vaticano, ao que tudo indica, estivesse há muito tempo a par deste caso, deixou criar a ideia de que se tratava de um intocável. O próprio Papa Francisco recebeu o padre Rupnik em audiência privada, já em 2022.

Entretanto, lendo as notícias que começaram por ser apenas de dois sites italianos e que desde domingo e, sobretudo, nesta segunda-feira, cresceram exponencialmente um pouco por todo o mundo, o comunicado da Companhia de Jesus está a servir para dois fins completamente diferentes: para mostrar que a Cúria investigou e atuou, tal como a Companhia de Jesus e, em sentido inverso, para pôr em relevo contradições e graves lacunas que a informação veiculada encerra.

O que, por omissão, chama mais a atenção na “Declaração” dos Jesuítas de Roma é a ausência de referência às vítimas. Isso mesmo foi sublinhado ao 7MARGENS por uma fonte próxima dessas vítimas: “Os crimes do padre Marko prescreveram. E os sofrimentos e traumas das suas vítimas, também prescreveram? Que respeito têm o Dicastério [da Doutrina da Fé] e a Companhia de Jesus pelas dores dos que sofrem, para não encontrarmos uma palavra para nós no comunicado?”

Outro ponto do comunicado que é questionado diz respeito à prescrição dos atos denunciados. O jornal italiano Il Messaggero desta segunda-feira, 5, cita uma mulher de nome (fictício) Vera que refere nunca ter sido abusada, mas ter estado, ao longo dos anos, perto de um bom número de casos de religiosos e ex-religiosos que denunciaram Rupnik por abuso de poder e abuso sexual.

O que ela conta é que já em 1998, quando os atos em questão, que ela conhecia, ainda não tinham prescrito, foi falar sobre o assunto com o padre Francisco J. Egaña, então delegado para as casas internacionais da Companhia de Jesus, em Roma. “Ele foi muito gentil e ouviu-me com atenção, mas nada aconteceu, depois daquela reunião”, lamenta Vera. E reflete deste modo sobre a experiência vivida: “A minha dor foi grande, juntamente com a consciência de que tinha feito tudo o que estava ao meu alcance (…) Como em tantos outros casos, a verdade sobre os abusos na Igreja dificilmente encontra ouvidos prontos para ouvir e corações abertos para encontrar soluções capazes de evitar danos maiores, trazer alívio e cura às almas feridas e orientar aqueles que, por motivos diversos, têm sido causa de tanto sofrimento, rumo ao equilíbrio psico-físico-espiritual”.

Enfim, o comunicado da Companhia de Jesus levanta ainda uma terceira objeção, que respeita às proibições impostas há algum tempo –provavelmente ainda em 2021. Sendo louvável a decisão dos responsáveis jesuítas, a verdade é que são múltiplos os sinais de que o visado continuou tranquilamente a fazer a sua vida, em Itália e pelo mundo, com catequeses, homilias, retiros… E há mesmo eventos já anunciados na internet para os próximos meses. Por outras palavras: Marko Rupnik dá a impressão de ser pouco afetado pelas penas que lhe foram atribuídas. Um dos sites que divulgou o caso no último fim de semana aponta vários exemplos deste comportamento.

Resta anotar que a hierarquia católica parece jogar contra a própria instituição, quando procura encobrir este tipo de situações, incluindo nos casos em que toma medidas. Na verdade, muitas pessoas jamais tinham ouvido falar deste padre, teólogo e artista. Não foi por nenhum destes estatutos, no entanto, que ele passou a ser conhecido.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This