Padre Martins na visita do bispo à Ribeira Seca: “Quem segura a Igreja são as pessoas”

| 15 Jul 19 | Cristianismo, Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Últimas

Momento da intervenção final do padre Martins Júnior, agradecendo ao bispo Nuno Brás e à comunidade da Ribeira Seca. Imagem extraída de um vídeo do Diário de Notícias, do Funchal.

 

“Quem segura a Igreja são as pessoas”, não as paredes, a engenharia ou a arquitectura, disse o padre José Martins Júnior, agora oficialmente administrador paroquial da Ribeira Seca (Machico, diocese do Funchal), no agradecimento que fez, no final da missa deste domingo. O acontecimento assinalou a reconciliação da diocese com a paróquia da Ribeira Seca e o seu responsável – mesmo que sem jurisdição oficial – dos últimos 42 anos. E a frase pode ser lida como uma alusão ao facto de há meio século um bispo diocesano não visitar a paróquia, que Martins Júnior considerava abandonada pela diocese.

O clima foi de festa, como o próprio previra, mas o padre Martins falou de uma “travessia no deserto” que a comunidade católica fez neste tempo. Mas, acrescentou, “nunca nos sentimos deserto”, sublinhando antes a alegria pelo momento de reconciliação. O bispo Nuno Brás, pelo seu lado, confessou a vontade que tinha de “celebrar a eucaristia” na Ribeira Seca: “Desde que cheguei à Madeira, pedia a Deus esta graça”, afirmou o bispo madeirense.

Na homilia, o bispo afirmou que “não faz sentido não nos aproximarmos uns dos outros e de todos aqueles que precisam de Jesus”, desafiando a comunidade paroquial da Ribeira Seca a que deixe “o seu conforto” por causa de quem “necessita de ajuda”. Isso é que  “é que é ser próximo”, acrescentou.

O padre Martins Júnior deixou ainda uma promessa: “Vamos continuar a aprofundar o papel do cristão dentro da Igreja e com a nossa boa vontade de redescobrir a face de Cristo, a face da Igreja e a caminhar para as fontes do evangelho, para as origens, nós queremos imitar o Papa Francisco que quer realmente entrar nos caminhos do autêntico Evangelho.”

(Na ligação anterior, pode ver-se uma galeria de fotos; aqui está o vídeo com um excerto da intervenção final do padre Martins Júnior)

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

Cultura e artes

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós novidade

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco