Padres brasileiros denunciam TV católicas que apregoam posições de Bolsonaro sobre a pandemia

| 26 Jan 21

Enfermagem

Enfermeiros no Hospital de Santa Maria, em Brasília: os padres criticam as televisões católcas que veiculam falsidades sobre a covid, incluindo do Presidente brasileiro, tendo em conta a situação de ruptura em várias regiões do país. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

 

Grupos de padres de todos os Estados do Brasil acabam de dirigir uma carta-apelo aos mais altos responsáveis da Igreja Católica para que intervenham e impeçam canais católicos de televisão de difundir informações falsas ou deturpadas, nomeadamente relativas à pandemia do covid-19.

“É inadmissível – referem os padres – que, na contramão, pregadores católicos despreparados, quando não ideologizados, minimizem as medidas sanitárias básicas, como o uso de máscaras, a higienização das mãos, o distanciamento social, e indisponham as pessoas contra a única medida capaz de debelar o vírus, que é a vacina, como, aliás, vem fazendo sistematicamente o Presidente da República, com sua política irresponsável e genocida.”

“Há tempos – diz a carta – estamos sofrendo com essas inverdades que alguns canais católicos disseminam, confundindo sobretudo o povo simples de nossas comunidades, que os escutam como se estivessem ouvindo o próprio Deus.”

A carta refere ainda haver “pessoas que possuem escasso conhecimento” sobre assuntos relevantes para a vida dos que as ouvem, mas que  “acreditam saber mais que os outros consistentemente preparados”.

Num tempo em que “as instituições tradicionais perderam seu poder de influência e de respaldo à verdade”, acrescenta o texto, “qualquer líder religioso que se serve das redes para transmitir suas mensagens, tem garantida a difusão de sua fala em escala geométrica”. Isso é tanto mais nefasto quanto quem nelas aparece “se arroga para si o falar em nome de Deus, de Jesus Cristo ou da Igreja”. E acrescenta: “Pessoas visivelmente despreparadas falam com tanta convicção e arrogância sobre assuntos que não conhecem, que acabam por transmitir uma opinião absurda como se fosse a mais pura verdade”, denuncia a tomada de posição.

Referindo-se em especial à grave situação que o Brasil vive, decorrente da pandemia e da inação e desinformação advinda das próprias autoridades do poder central, os padres subscritores recordam as mais de 210.000 vítimas da covid-19 e o esforço que a Igreja Católica tem estado a fazer para atenuar e combater os efeitos da pandemia. E observam, a propósito:

“O povo católico que segue estes canais não pode ser prejudicado por quem para eles representa o próprio Jesus Cristo, que não veio para enganar, ‘roubar, matar e destruir’ (Jo 10,9), mas – segundo suas próprias palavras na sinagoga de Nazaré – veio para anunciar a Boa Notícia aos pobres, proclamar a liberdade aos prisioneiros, dar visão aos cegos, pôr em liberdade os oprimidos (cf. Lc 4, 18), para que ‘todos tenham vida e a tenham com abundância’ (Jo 10, 10).”

O texto, que foi divulgado esta semana pela página de informação do Instituto Humanitas da Unisinos, é subscrito pelos coletivos Padres da Caminhada e Padres Contra o Fascismo, os quais instam os bispos a “dar um basta nisso”, sob risco de a Igreja Católica vir a cair “num descrédito imenso, numa sociedade que já a escuta muito pouco”.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This