Fundação japonesa budista atribui

Palestiniano Abu-Nimer é Prémio Niwano para a Paz pelo seu envolvimento no diálogo inter-religioso

| 28 Fev 2024

Mohammed Abu Nimer, Prémio Niwano para a Paz

Mohammed Abu Nimer: o prémio valoriza o seu empenhamento “no desenvolvimento comunitário em várias zonas de conflito”. Foto: Direitos reservados

 

O professor palestino-americano Mohammed Abu-Nimer foi o galardoado de 2024 do Prémio Niwano para a Paz, pelo seu “profundo envolvimento no diálogo inter-religioso e intercultural, na construção da paz e no desenvolvimento comunitário em várias zonas de conflito”.

A dedicação do académico de origem palestiniana à paz ultrapassa em muito os intuitos simplesmente pedagógicos, diz um comunicado da Fundação Niwano para a Paz divulgado na terça-feira, 27 de fevereiro, citado pelo portal de notícias do Vaticano, Vatican News.

“Em reconhecimento do compromisso de toda a vida do professor Abu-Nimer para com a paz e o diálogo inter-religioso e à luz do conflito em curso na sua terra natal, Israel/Palestina, que se transformou numa das guerras mais devastadoras da região, acreditamos que não poderia haver destinatário mais adequado e oportuno para o Prémio Niwano para a Paz deste ano”, destaca o comunicado.

O Prémio Niwano da Paz reconhece personalidades que se notabilizam pelo seu contributo significativo para a promoção da paz global e do diálogo inter-religioso. A cerimónia de entrega deste galardão está marcada para 14 de maio de 2024 em Tóquio, Japão, onde está a sede da fundação.

Esta instituição foi criada por Nikkyo Niwano (1906-1999), que fundou a organização budista leiga Rissho Kosei-kai em 1938 e era sensível ao ensinamento budista de que, para lá dos diferentes pontos de vista, ideologias ou crenças, “todos os seres humanos são igualmente capazes de alcançar a budeidade”. A fundação foi criada em 1978 de modo a concretizar a ideia de que é possível, mantendo as diferenças e a diversidade, vincar a importância de alcançar a paz.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This