Pandemia e bioética

| 12 Set 20

Foto Misericórdia de Bragança - covid-19; Idosos

Lar de idosos da Misericórdia de Bragança durante a quarentena. Foto cedida pela Misericórdia de Bragança.

 

O combate à pandemia do novo coronavírus suscita uma reflexão sobre várias questões relativas à bioética.

Desde logo, a do primado do valor da vida humana sobre considerações de outro tipo, como as de ordem económica. Para salvaguarda de vidas humanas, sociedades de todos os cantos do mundo enfrentam uma crise económica sem paralelo. Não deixa de ser contestado esse primado por várias pessoas, de forma mais ou menos explícita, ou mais ou menos absoluta.

Por vezes, e algo surpreendentemente, essa contestação provém de setores conservadores muito empenhados no combate a outros atentados à vida humana, como o aborto e a eutanásia. Nessa linha, é enaltecida a opção do governo sueco (por sinal, um governo de esquerda) que não adotou medidas tão restritivas e, por isso, não terá provocado uma tão acentuada queda da atividade económica como a de outros países europeus (entre eles, o nosso), pese embora o número de mortes devidas a tal pandemia tenha superado largamente o dos países nórdicos seus vizinhos (e também de Portugal) que adotaram tais medidas mais restritivas. Há até quem tenha feito cálculos económicos sobre o custo dessas vidas perdidas em comparação com os maiores ou menores prejuízos económicos dos vários países, querendo com isso negar o tradicional e lapidar princípio de que as vidas humanas não têm preço.

Há que considerar, por um lado, que as diferenças na queda da atividade económica poderão não ser apenas, ou principalmente, reflexo do maior ou menor empenho na proteção da saúde e da vida. Os países nórdicos vizinhos da Suécia (que não seguiram a mesma estratégia) também tiveram quedas da atividade económica menores do que as dos países do sul da Europa e um dos fatores que para tal contribuiu poderá estar relacionado com uma menor dependência das receitas do turismo.

Também importa ter presente que um maior desleixo no “desconfinamento” acabou por ter reflexos económicos negativos, como se viu quando Portugal foi colocado na “lista negra” de muitos dos países de origem dos turistas que nos visitam habitualmente. De onde deve concluir-se que a saúde e a economia não estão necessariamente em oposição, também são interdependentes (um menor cuidado com a saúde pode traduzir-se em prejuízos económicos e vive-versa).

Mas a verdade é que a vida humana não tem mesmo um preço… É o pressuposto de todos os bens terrenos (não o de todos os bens ultra-terrenos, certamente). A sua perda é, mais do que a de qualquer outro desses bens, irremediável. É certo que a crise económica que atravessamos pode provocar a fome a muitas pessoas e a tal ninguém poderá ser indiferente. Mas não podemos aceitar isso como uma fatalidade. Há formas de o evitar. Um esforço acrescido de solidariedade (muito superior ao que estamos habituados e até ao que era exigido noutras crises) pode evitar a fome, sendo que não há forma de remediar perdas de vidas humanas.

Dir-se-á que o risco de contrair doenças e perdas de vidas humanas há de estar sempre presente na vida social e pretender eliminá-lo levaria a uma impraticável quarentena permanente. Nunca se exerceriam atividades laborais perigosas (como a construção civil) ou se utilizariam automóveis, comboios ou aviões, se quiséssemos eliminar tal risco. Mas, a este respeito, estão já definidas regras de prevenção (de segurança no trabalho ou de segurança rodoviária) que, se forem observadas, tornam tal risco ética e socialmente aceitável. Como não dispomos ainda de conhecimentos que nos permitam fixar com precisão regras análogas relativas ao coronavírus, há que seguir um princípio de precaução (“mais vale prevenir do que remediar”) até que essa fixação seja possível.

Outra questão que o combate a esta pandemia tem colocado em maior evidência é o de que o valor da vida humana não se vai perdendo com o avançar da idade. Esse valor também não pode ser calculado em função da maior ou menor expectativa de anos de vida futura. Não é por as principais vítimas a salvar serem pessoas de idade avançada ou já não “produtivas” que deixam de se justificar todos os sacrifícios por que passámos e por que ainda passaremos. E também não é por isso que são menos lamentáveis as mortes (em lares, designadamente) que não foi possível evitar ou não foram evitadas.

Casos de recusa de cuidados de saúde necessários a pessoas idosas pelo facto de o serem, e que se verificaram em vários países, foram justamente condenados (“uma bancarrota moral” – foi assim que os qualificou há dias o director-geral da Organização Mundial da Saúde). Estamos hoje mais sensíveis à discriminação das pessoas em razão da sua idade: discriminação a que se vem designando “idadismo” e que se coloca a par do racismo e do sexismo.

Trabalho realizado por Íris, no âmbito da disciplina de EMRC do Agrupamento de Escolas Abade de Baçal (Bragança)

Trabalho realizado por Íris, no âmbito da disciplina de EMRC do Agrupamento de Escolas Abade de Baçal (Bragança)

 

Contraditória com essa redescoberta do princípio de que a vida humana nunca perde dignidade e não tem menor valor na sua fase terminal ou quando é marcada pela doença, é a legalização da eutanásia (que decorre do princípio contrário, ou seja, de que há situações em que a vida humana deixa de merecer proteção e, por isso, pode ser suprimida com o aval da ordem jurídica). Legalização que o Parlamento português (como o de Espanha e o de França) se prepara para aprovar.

Uma outra questão suscitada pelo combate à pandemia do coronavírus é a do valor da autonomia individual, também em confronto com o da vida humana e com o da saúde pública. Vão-se multiplicando em várias cidades da Europa manifestações contra medidas limitadoras da autonomia individual, não só as relativas à atividade económica, mas a obrigações menos gravosas, como a do uso de máscaras. Invoca-se a autonomia individual contra a “ditadura sanitária”. Invoca-se a liberdade de cada pessoa assumir, por sua conta e sob sua inteira responsabilidade, contra qualquer paternalismo, os riscos que entender. Em Berlim, uma manifestação dessas foi inicialmente proibida, mas um tribunal autorizou-a com a (óbvia) condição de serem respeitadas as regras que ela pretendia contestar.

Esta situação pandémica revela bem os limites do relevo da autonomia individual. Cada pessoa (porque é pessoa e não apenas indivíduo) não é uma ilha isolada. Todos dependemos de todos. Com muita frequência, a conduta de cada pessoa repercute-se, positiva ou negativamente, na vida de outras pessoas. E com muita frequência a saúde ou doença de uma pessoa repercute-se na saúde ou doença de outras pessoas. É esta a base do conceito de “saúde pública”.

Essa realidade e esse conceito devem estar presentes quando, por exemplo, se discute, também com invocação da autonomia individual, a legalização da droga. Para além da incongruência de defender em nome da liberdade o consumo e venda de substâncias que criam dependência e destroem a liberdade na sua raiz, há que considerar como os malefícios da droga não se limitam a cada uma das pessoas que dela se torna dependente. Refletem-se em toda a sociedade, desde logo no ambiente familiar e laboral dessa pessoa. É por isso que os Estados, de uma ou de outra forma, adotam políticas de combate ao consumo de droga (como em relação ao alcoolismo) e não são indiferentes a esse consumo, como se de uma questão puramente individual se tratasse.

Mas no caso de uma pandemia, e ainda mais desta pandemia, é ainda mais evidente que nenhuma pessoa é uma ilha, que a infeção de uma pessoa não lhe diz respeito apenas a ela e se repercute na vida de outras pessoas. Pode até ela em quase nada ser prejudicada com tal infeção (dela nem sequer se aperceber por não ter sintomas), mas isso não impede que contribua para o crescimento exponencial das infeções e para que outras pessoas por elas venham a sofrer danos graves e até a morte. As medidas de restrição da liberdade de uma pessoa (a do uso de máscara, como outras) não se destinam tanto a protegê-la contra as suas próprias opções e escolhas, mas a proteger outras pessoas. Por isso, é egoísta a atitude de quem, em nome da autonomia individual, recusa tais medidas.

Essa mesma realidade da interdependência (nenhuma pessoa é uma ilha) não serve apenas de limite à autonomia individual. Também fundamenta a postura necessariamente solidária que deve guiar o combate a esta pandemia. Nenhuma pessoa, nenhum grupo e nenhum país se poderá dela livrar enquanto alguma outra pessoa, grupo ou país dela também não se livrar. Também por isso tem plena justificação que o acesso à vacina ou a tratamentos necessários para tal combate não sejam privilégio de alguns, mas de acesso verdadeiramente universal.

Nada disto significa que as restrições da liberdade em nome da defesa da saúde pública devam ser ilimitadas. Essas restrições devem ser necessárias e proporcionais. Esta questão tem sido suscitada em vários países a respeito da liberdade religiosa, a qual, de acordo com os vários documentos internacionais de proteção dos direitos humanos, comporta a liberdade de culto com uma dimensão pública e coletiva. Em França, por exemplo, um acórdão do Conseil d´État (tribunal equivalente ao nosso Supremo Tribunal Administrativo), de 18 de maio, considerou desproporcionada a proibição total de atos de culto durante o período de confinamento e determinou que o Governo deveria limitar as restrições à liberdade de culto ao estritamente necessário às exigências sanitárias de combate à pandemia.

Ainda a propósito da liberdade religiosa no confronto das exigências do combate à pandemia, também se tem suscitado a questão do tratamento desigual das atividades de culto religioso em relação a atividades económicas, como se aquelas fossem menos “essenciais” do que estas. Trata-se de uma inaceitável discriminação, não só porque “nem só de pão vive o homem”, mas porque ela não encontra fundamento na ordem jurídica. Na verdade, e no que diz respeito à Constituição portuguesa, a liberdade religiosa é das poucas liberdades que não pode ser, em qualquer caso, afetada pela declaração do estado de emergência (como decorre do artigo 19,º, n.º 6, desse diploma), o que já não sucede com a liberdade da atividade económica.

 

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Igreja Católica

 

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas” novidade

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Eurorpeia a 23 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia

Mais de 220 milhões de crianças são vítimas de exploração sexual

No Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Pessoas, assinalado esta quarta-feira, 23 de setembro, as Missões Salesianas alertaram para o facto de existirem atualmente no mundo mais de 150 milhões de meninas e 73 milhões de rapazes vítimas de exploração sexual, ou obrigados a manter relações sexuais sem o seu consentimento. Outros dois milhões de menores são ainda vítimas de tráfico para fins de exploração sexual, de acordo com a Organização Internacional de Trabalho. Para combater esta “forma de escravidão do século XXI”, os Salesianos têm em marcha projetos de educação e prevenção em diversos países, nomeadamente na Nigéria, Índia e Gana.

Cardeal Tolentino recebe o hábito dominicano

O cardeal José Tolentino Mendonça vai receber o hábito dominicano, no próximo dia 14 de novembro, no Convento de São Domingos, em Lisboa. A iniciativa surgiu da Ordem dos Pregadores (nome pelo qual são conhecidos oficialmente os dominicanos), devido à amizade de longa data que os une ao cardeal e ao reconhecimento da sua forte identificação com o carisma dominicano. “Foi um convite que lhe fizemos e ele aceitou de imediato por se identificar com o carisma de São Domingos, e deu-se a feliz coincidência de, quando ele foi feito cardeal, ter ficado titular da igreja de São Domingos e São Sisto, em Roma. Ele próprio assumiu nesse dia a sua ligação aos Dominicanos”, recordou frei Filipe Rodrigues, mestre de noviços e dos estudantes à agência Ecclesia.

Padre polaco acusa cardeal Dziwisz de encobrir abusos de menores

O padre polaco Isakowicz-Zaleski divulgou no seu blogue pessoal a carta que terá entregue em mãos ao cardeal Stanislaw Dziwisz, arcebispo de Cracóvia, em 2012, na qual denunciava a prática de atos de pedofilia por parte de um outro padre, Jan Wodniak. Zaleski acusa Dziwisz de ter encoberto tais atos, o que o levou a traduzir a carta para italiano e enviá-la, um ano depois, diretamente à Congregação para a Doutrina da Fé, no Vaticano. Wodniak viria a ser condenado em 2014. Dziwisz diz nunca ter recebido a carta de Zaleski.

Justiça angolana encerra todos os templos da IURD no país

No mesmo fim de semana em que foram retomados os cultos religiosos em Luanda, suspensos desde março devido à pandemia de Covid-19, a justiça angolana iniciou um processo de encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) no país. Desde novembro do ano passado que a IURD tem estado envolvida em diversas polémicas em Angola. Em agosto, a Procuradoria-Geral da República tinha já apreendido sete templos em Luanda, no âmbito de um processo-crime por alegadas práticas dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exportação ilícita de capitais.

Secretário de Estado dos EUA pressiona Vaticano para não assinar acordo com China

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo escreveu que a Santa Sé está a “pôr em risco” a sua autoridade moral se renovar o acordo com Pequim. “Há dois anos a Santa Sé chegou a um acordo com o Partido Comunista Chinês, na esperança de ajudar os católicos chineses. Mas o abuso dos fiéis por parte do PCC só piorou. O Vaticano estaria a arriscar a sua autoridade moral se renovasse o acordo”, escreveu Pompeo.

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar novidade

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana”

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco