Pandemia e bioética

| 12 Set 20

Foto Misericórdia de Bragança - covid-19; Idosos

Lar de idosos da Misericórdia de Bragança durante a quarentena. Foto cedida pela Misericórdia de Bragança.

 

O combate à pandemia do novo coronavírus suscita uma reflexão sobre várias questões relativas à bioética.

Desde logo, a do primado do valor da vida humana sobre considerações de outro tipo, como as de ordem económica. Para salvaguarda de vidas humanas, sociedades de todos os cantos do mundo enfrentam uma crise económica sem paralelo. Não deixa de ser contestado esse primado por várias pessoas, de forma mais ou menos explícita, ou mais ou menos absoluta.

Por vezes, e algo surpreendentemente, essa contestação provém de setores conservadores muito empenhados no combate a outros atentados à vida humana, como o aborto e a eutanásia. Nessa linha, é enaltecida a opção do governo sueco (por sinal, um governo de esquerda) que não adotou medidas tão restritivas e, por isso, não terá provocado uma tão acentuada queda da atividade económica como a de outros países europeus (entre eles, o nosso), pese embora o número de mortes devidas a tal pandemia tenha superado largamente o dos países nórdicos seus vizinhos (e também de Portugal) que adotaram tais medidas mais restritivas. Há até quem tenha feito cálculos económicos sobre o custo dessas vidas perdidas em comparação com os maiores ou menores prejuízos económicos dos vários países, querendo com isso negar o tradicional e lapidar princípio de que as vidas humanas não têm preço.

Há que considerar, por um lado, que as diferenças na queda da atividade económica poderão não ser apenas, ou principalmente, reflexo do maior ou menor empenho na proteção da saúde e da vida. Os países nórdicos vizinhos da Suécia (que não seguiram a mesma estratégia) também tiveram quedas da atividade económica menores do que as dos países do sul da Europa e um dos fatores que para tal contribuiu poderá estar relacionado com uma menor dependência das receitas do turismo.

Também importa ter presente que um maior desleixo no “desconfinamento” acabou por ter reflexos económicos negativos, como se viu quando Portugal foi colocado na “lista negra” de muitos dos países de origem dos turistas que nos visitam habitualmente. De onde deve concluir-se que a saúde e a economia não estão necessariamente em oposição, também são interdependentes (um menor cuidado com a saúde pode traduzir-se em prejuízos económicos e vive-versa).

Mas a verdade é que a vida humana não tem mesmo um preço… É o pressuposto de todos os bens terrenos (não o de todos os bens ultra-terrenos, certamente). A sua perda é, mais do que a de qualquer outro desses bens, irremediável. É certo que a crise económica que atravessamos pode provocar a fome a muitas pessoas e a tal ninguém poderá ser indiferente. Mas não podemos aceitar isso como uma fatalidade. Há formas de o evitar. Um esforço acrescido de solidariedade (muito superior ao que estamos habituados e até ao que era exigido noutras crises) pode evitar a fome, sendo que não há forma de remediar perdas de vidas humanas.

Dir-se-á que o risco de contrair doenças e perdas de vidas humanas há de estar sempre presente na vida social e pretender eliminá-lo levaria a uma impraticável quarentena permanente. Nunca se exerceriam atividades laborais perigosas (como a construção civil) ou se utilizariam automóveis, comboios ou aviões, se quiséssemos eliminar tal risco. Mas, a este respeito, estão já definidas regras de prevenção (de segurança no trabalho ou de segurança rodoviária) que, se forem observadas, tornam tal risco ética e socialmente aceitável. Como não dispomos ainda de conhecimentos que nos permitam fixar com precisão regras análogas relativas ao coronavírus, há que seguir um princípio de precaução (“mais vale prevenir do que remediar”) até que essa fixação seja possível.

Outra questão que o combate a esta pandemia tem colocado em maior evidência é o de que o valor da vida humana não se vai perdendo com o avançar da idade. Esse valor também não pode ser calculado em função da maior ou menor expectativa de anos de vida futura. Não é por as principais vítimas a salvar serem pessoas de idade avançada ou já não “produtivas” que deixam de se justificar todos os sacrifícios por que passámos e por que ainda passaremos. E também não é por isso que são menos lamentáveis as mortes (em lares, designadamente) que não foi possível evitar ou não foram evitadas.

Casos de recusa de cuidados de saúde necessários a pessoas idosas pelo facto de o serem, e que se verificaram em vários países, foram justamente condenados (“uma bancarrota moral” – foi assim que os qualificou há dias o director-geral da Organização Mundial da Saúde). Estamos hoje mais sensíveis à discriminação das pessoas em razão da sua idade: discriminação a que se vem designando “idadismo” e que se coloca a par do racismo e do sexismo.

Trabalho realizado por Íris, no âmbito da disciplina de EMRC do Agrupamento de Escolas Abade de Baçal (Bragança)

Trabalho realizado por Íris, no âmbito da disciplina de EMRC do Agrupamento de Escolas Abade de Baçal (Bragança)

 

Contraditória com essa redescoberta do princípio de que a vida humana nunca perde dignidade e não tem menor valor na sua fase terminal ou quando é marcada pela doença, é a legalização da eutanásia (que decorre do princípio contrário, ou seja, de que há situações em que a vida humana deixa de merecer proteção e, por isso, pode ser suprimida com o aval da ordem jurídica). Legalização que o Parlamento português (como o de Espanha e o de França) se prepara para aprovar.

Uma outra questão suscitada pelo combate à pandemia do coronavírus é a do valor da autonomia individual, também em confronto com o da vida humana e com o da saúde pública. Vão-se multiplicando em várias cidades da Europa manifestações contra medidas limitadoras da autonomia individual, não só as relativas à atividade económica, mas a obrigações menos gravosas, como a do uso de máscaras. Invoca-se a autonomia individual contra a “ditadura sanitária”. Invoca-se a liberdade de cada pessoa assumir, por sua conta e sob sua inteira responsabilidade, contra qualquer paternalismo, os riscos que entender. Em Berlim, uma manifestação dessas foi inicialmente proibida, mas um tribunal autorizou-a com a (óbvia) condição de serem respeitadas as regras que ela pretendia contestar.

Esta situação pandémica revela bem os limites do relevo da autonomia individual. Cada pessoa (porque é pessoa e não apenas indivíduo) não é uma ilha isolada. Todos dependemos de todos. Com muita frequência, a conduta de cada pessoa repercute-se, positiva ou negativamente, na vida de outras pessoas. E com muita frequência a saúde ou doença de uma pessoa repercute-se na saúde ou doença de outras pessoas. É esta a base do conceito de “saúde pública”.

Essa realidade e esse conceito devem estar presentes quando, por exemplo, se discute, também com invocação da autonomia individual, a legalização da droga. Para além da incongruência de defender em nome da liberdade o consumo e venda de substâncias que criam dependência e destroem a liberdade na sua raiz, há que considerar como os malefícios da droga não se limitam a cada uma das pessoas que dela se torna dependente. Refletem-se em toda a sociedade, desde logo no ambiente familiar e laboral dessa pessoa. É por isso que os Estados, de uma ou de outra forma, adotam políticas de combate ao consumo de droga (como em relação ao alcoolismo) e não são indiferentes a esse consumo, como se de uma questão puramente individual se tratasse.

Mas no caso de uma pandemia, e ainda mais desta pandemia, é ainda mais evidente que nenhuma pessoa é uma ilha, que a infeção de uma pessoa não lhe diz respeito apenas a ela e se repercute na vida de outras pessoas. Pode até ela em quase nada ser prejudicada com tal infeção (dela nem sequer se aperceber por não ter sintomas), mas isso não impede que contribua para o crescimento exponencial das infeções e para que outras pessoas por elas venham a sofrer danos graves e até a morte. As medidas de restrição da liberdade de uma pessoa (a do uso de máscara, como outras) não se destinam tanto a protegê-la contra as suas próprias opções e escolhas, mas a proteger outras pessoas. Por isso, é egoísta a atitude de quem, em nome da autonomia individual, recusa tais medidas.

Essa mesma realidade da interdependência (nenhuma pessoa é uma ilha) não serve apenas de limite à autonomia individual. Também fundamenta a postura necessariamente solidária que deve guiar o combate a esta pandemia. Nenhuma pessoa, nenhum grupo e nenhum país se poderá dela livrar enquanto alguma outra pessoa, grupo ou país dela também não se livrar. Também por isso tem plena justificação que o acesso à vacina ou a tratamentos necessários para tal combate não sejam privilégio de alguns, mas de acesso verdadeiramente universal.

Nada disto significa que as restrições da liberdade em nome da defesa da saúde pública devam ser ilimitadas. Essas restrições devem ser necessárias e proporcionais. Esta questão tem sido suscitada em vários países a respeito da liberdade religiosa, a qual, de acordo com os vários documentos internacionais de proteção dos direitos humanos, comporta a liberdade de culto com uma dimensão pública e coletiva. Em França, por exemplo, um acórdão do Conseil d´État (tribunal equivalente ao nosso Supremo Tribunal Administrativo), de 18 de maio, considerou desproporcionada a proibição total de atos de culto durante o período de confinamento e determinou que o Governo deveria limitar as restrições à liberdade de culto ao estritamente necessário às exigências sanitárias de combate à pandemia.

Ainda a propósito da liberdade religiosa no confronto das exigências do combate à pandemia, também se tem suscitado a questão do tratamento desigual das atividades de culto religioso em relação a atividades económicas, como se aquelas fossem menos “essenciais” do que estas. Trata-se de uma inaceitável discriminação, não só porque “nem só de pão vive o homem”, mas porque ela não encontra fundamento na ordem jurídica. Na verdade, e no que diz respeito à Constituição portuguesa, a liberdade religiosa é das poucas liberdades que não pode ser, em qualquer caso, afetada pela declaração do estado de emergência (como decorre do artigo 19,º, n.º 6, desse diploma), o que já não sucede com a liberdade da atividade económica.

 

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Igreja Católica

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (5) – Vizinhos de Aveiro: Cidadania ativa em prol da comunidade

Mãos à obra (5) – Vizinhos de Aveiro: Cidadania ativa em prol da comunidade

A sexta-feira 13 de março de 2020 foi um dia marcante. Na sequência do agravamento dos casos de covid19 em Portugal, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa decretou o estado de emergência e avisou que a pandemia podia ser grave e duradoura, exortando os portugueses a mobilizarem-se. Nesse mesmo dia, respondendo ao apelo, surgiram os Vizinhos de Aveiro (VA), um coletivo cívico de apoio à comunidade, sobretudo aos grupos de risco.

Breves

Ler Saramago em conjunto num zoom de Lisboa a Roma novidade

O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, foi a obra escolhida para dar o mote ao encontro organizado por dois clubes de leitura, um de Roma, outro de Lisboa, que decorrerá via Zoom, dia 16 de abril, às 18h00. Uma segunda sessão, na qual participará Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, terá lugar a 25 de junho, também às 18h00. A inscrição é gratuita e está aberta a todos.

Monge condenado a dois anos de cadeia na Turquia por dar comida novidade

O padre Sefer Bileçen, padre Aho no nome monástico, da Igreja Siríaca Ortodoxa, ofereceu comida a um grupo que bateu à porta do seu mosteiro. O Ministério Público turco disse que o grupo era do PKK e acusa-o de prestar auxílio a uma organização terrorista, como o Governo turco considera o PKK, que reivindica há décadas a independência do Curdistão.

Bênção de uniões homossexuais em debate na TSF

“Há portas que não devem ser fechadas, porque Deus é que está do outro lado dessas portas”, dizia, a terminar o debate, Jorge Teixeira da Cunha, padre e professor de Teologia Moral na Universidade Católica Portuguesa (UCP), no Porto. No programa Olhe Que Não, que passou nesta quarta-feira, 7 de abril, ao início da tarde, na TSF, com moderação do jornalista Pedro Pinheiro, discutiu-se o documento da Congregação para a Doutrina da Fé, do Vaticano, que respondia “negativo” a uma pergunta sobre se a Igreja não pode abençoar uniões homossexuais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Persistência da desigualdade: O que Kuznets não viu novidade

A área das desigualdades tem um problema que muitas outras áreas da economia não têm: falta de dados. Esta situação deve-se não só ao facto de no passado não se ter registado da melhor forma, ou de todo, dados a nível de desigualdades, como também ao facto de não ser fácil aferir a realidade, por exemplo, dos rendimentos mais altos da sociedade, para chegar aos indicadores.

A necessidade de fricção na comunicação novidade

A comunicação é a capacidade que o ser humano desenvolveu para sobreviver ao longo dos milénios da nossa existência sobre a Terra. Por isso, qualquer coisa que afecta a nossa capacidade de comunicar, afecta a nossa sobrevivência. Assim, é legítimo questionar o que os meios de comunicação estão a fazer ao nosso modo de comunicar. Não me refiro, propriamente, aos que protagonizam esses meios, como os jornalistas, mas aos meios em si, sobretudo, os mais recentes como os que encontramos nos nossos telemóveis.

Saberei ser quem sou?

Que me fosse concedido o desejo de aquietar a consciência, aquele dom invejável dos sábios discretos;
às tantas, vivo cansada de uma mente desobediente a perturbar cada instante que a vida me dispõe.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis novidade

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã” novidade

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This