Pandemia provoca “a maior emergência educativa da história”

| 11 Set 20

educacao Bangladesh_ Sonali Chakma _ Save the Children

De acordo com o relatório da Save the Children, há 9,7 milhões de crianças em risco de não regressarem à escola este ano. Foto: Sonali Chakma, Save the Children.

 

Dois terços das crianças pobres não tiveram qualquer contacto com os seus professores durante o confinamento e oito em cada dez dizem ter aprendido “pouco ou nada” desde o encerramento das escolas. Os dados são revelados no relatório “Protect a Generation” (em português, Proteger uma Geração), divulgado esta quinta-feira pela organização de defesa dos direitos das crianças Save the Children, e tem por base um inquérito realizado a 25 mil crianças e adultos em 37 países onde a instituição desenvolve programas de ajuda.

Entre os menores que não tiveram aulas enquanto estavam em casa, 17% dizem ter sido alvo de violência. A percentagem baixa para 8% entre aqueles que tiveram acesso a aulas virtuais. O estudo revela ainda que, no grupo das crianças mais pobres, aqueles que tiveram acesso à Internet para aceder ao ensino à distância correspondem a menos de 1%.

As conclusões do estudo levam a Save the Children a considerar que a pandemia provocou “a maior emergência educativa da história”, com 9,7 milhões de crianças em risco de não regressarem à escola este ano.

O aumento das desigualdades no ensino durante o período de confinamento devido à pandemia de covid-19 é um dos temas em destaque na mensagem da Congregação para a Educação Católica dirigida esta quinta-feira, 10 de setembro, a alunos e professores de todo o mundo, e divulgada pelo L’Osservatore Romano.

“Cerca de dez milhões de crianças não terão acesso à educação nos próximos anos, aumentando a lacuna educacional já existente”, assinala a carta, apontando para a uma estimativa semelhante à Save The Children, e alertando ainda para a “situação dramática das escolas e universidades católicas” que, sem o apoio económico do Estado, “correm o risco de fechar ou de redimensionamento radical”.

Apesar disso, a Congregação para a Educação Católica convida todos a “unir esforços numa ampla aliança educacional para formar pessoas amadurecidas”, visando “uma humanidade mais fraterna” e sublinha que “é hora de olhar para frente com coragem e esperança”.

O drama das crianças “chefes de família”

Um outro relatório divulgado esta semana, elaborado pela Comissão Justiça e Paz da Igreja Católica da África do Sul, alerta para a marginalização e risco de exploração a que estão sujeitas as crianças “chefes de família”. Trata-se de crianças órfãs, cujos pais faleceram ou as deixaram sós para irem trabalhar longe de casa.

“O nosso pai só volta para casa no Natal. Ele compra-nos comida suficiente para duas semanas, depois deixa-nos novamente. E morremos de fome durante o resto do ano”, pode ler-se num dos testemunhos incluídos no relatório.

Marginalizados pela sociedade, que não os consideram “produtivos”, estes menores são frequentemente “depredados pelos seus próprios familiares que, após a morte dos seus pais, lhes tiram a herança”, explica o documento. A Comissão Justiça e Paz sul-africana salienta ainda como as crianças chefe de família apresentam “sintomas de autocomiseração e baixa autoestima, tanto que estão convencidas de que merecem a indiferença da sociedade”.

A Igreja sul-africana propõe o lançamento de programas especiais, em colaboração com o Governo e as organizações da sociedade civil, com o objetivo de promover uma verdadeira “regeneração moral que estimulará novamente o sentido de responsabilidade da sociedade e a vontade das famílias alargadas de cuidar dos filhos dos seus familiares falecidos ou ausentes”.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This