Pandemia triplicou o trabalho das mulheres, diz o Movimento de Trabalhadores Cristãos

| 8 Mar 21

“A pandemia triplicou o nosso trabalho: além de sermos mães e trabalhadoras, assumimos a responsabilidade de sermos professoras dos nossos filhos/as no cumprimento dos seus deveres escolares, perante um sistema educativo que se trasladou para as nossas casas com as plataformas virtuais.”

“Além de sermos mães e trabalhadoras, assumimos a responsabilidade de sermos professoras dos nossos filhos/as.” Foto © Christina-wocintechchat | Unsplash

 

Num comunicado a propósito do Dia Internacional da Mulher, que se assinala nesta segunda-feira, 8 de Março, as mulheres do Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos (MMTC) dizem que esta nova condição que as mulheres tiveram de assumir “implicou mais gastos para a [sua] já precária economia familiar: custos altos de internet a companhias privadas.”

A condição de muitas agrava a situação: há mulheres e mães que “são analfabetas e/ou com limitada escolaridade”, o que dificulta “o trabalho com as novas tecnologias (tablets, telemóveis e computadores), isto tudo porque tiveram de tirar os seus filhos das escolas”.

Outra realidade agravada durante este período foi a violência doméstica, recordam: “Em muitos dos nossos países a política de confinamento nos nossos lares representou um aumento da violência intrafamiliar e abusos a menores pelos seus próprios familiares.”

No texto, o MMTC – que tem neste momento como co-presidente a portuguesa Fátima Almeida, de quem o 7MARGENS acaba de publicar uma reflexão sobre a pandemia – recorda como nasceu o Dia Internacional, “em memória do acontecimento transcendental que marcou a história do trabalho e a luta sindical no mundo inteiro, o 8 de março de 1908: nesta data, 129 mulheres morreram num incêndio na fábrica Cotton, de Nova York, Estados Unidos, logo após se terem declarado em greve com permanência no seu lugar de trabalho”. O motivo: “uma redução do turno de trabalho para 10 horas, um salário igual ao dos homens realizando as mesmas atividades e acabar com as más condições de trabalho que existiam.”

 

Contributo das mulheres ainda é subvalorizado

Por isso, este movimento católico internacional diz que assume o lema da comemoração deste ano: “Mulheres líderes: Por um futuro igualitário no mundo da covid-19”. E justifica: “O nosso contributo quotidiano na construção de relações de igualdade e da vivência do bem-estar integral das nossas famílias, comunidades e povos, continua a ser subvalorizado e ignorado, por uma sociedade de consumo e de descarte.”

O MMTC destaca “o contributo das mulheres na economia familiar e comunitária e na atenção à pandemia”, muitas vezes também como “técnicas e profissionais da saúde”, e enquanto “líderes, guias espirituais e promotoras de saúde integral”.

As mulheres, acrescenta o texto, continuam “a lutar contra uma sociedade de iniquidades, patriarcal e discriminatória”, sofrem “políticas de segregação, criminalização das [suas] lutas e o femicídio, diariamente”. E são “objecto de comércio sexual” e do “crime organizado (cartéis, paramilitares, gangues, traficantes…) imerso nas mesmas estruturas dos nossos Estados”, que “aproveitou a pandemia para inovar os seus mecanismos de enriquecimento ilícito, com um crescimento da indústria do sequestro, do tráfico de pessoas, de drogas e armas”.

Com este diagnóstico da realidade, as mulheres do MMTC dizem que se deve apostar num mundo “fundamentado numa economia social e solidária, no cuidado” das famílias e da “nossa Mãe Terra”, bem como na promoção de “relações intergeracionais, de equidade e das novas práticas de masculinidades livres de violência”.

É importante que os governos locais, regionais e nacionais promovam e garantam o desenvolvimento humano integral, tendo como referência os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável proclamados pela ONU. Para isso, as mulheres do MMTC dizem comprometer-se também “a velar pela nossa Casa Grande, para a vivência de uma Vida Plena, expressa na ternura, amor e solidariedade”.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This