Pontificado de Pio XII e o nazismo

Papa abre acesso a 40 mil documentos sobre os judeus

| 23 Jun 2022

vaticano da acesso a documentos sobre judeus foto direitos reservados

Trata-se da documentação completa da atividade pontifícia, compreendendo cerca de 40 mil arquivos digitais, que podem agora ser acedidos online. Foto: Direitos reservados.

 

O Vaticano decidiu abrir o acesso ao público em geral de cerca de 170 volumes de documentos relativos aos judeus e referentes ao pontificado do Papa Pio XII.

A notícia, difundida esta quinta-feira, 23, pela Sala de Imprensa da Santa Sé, esclarece que a medida foi solicitada pelo Papa Francisco e que é operacionalizada pelo Arquivo Histórico da Secretaria de Estado – Seção de Relações com Estados e Organismos Internacionais (ASRS).

Trata-se da documentação completa da atividade pontifícia, compreendendo cerca de 40 mil arquivos digitais, que podem agora ser acedidos online.

Nesta primeira fase, serão disponibilizados apenas 70 por cento dos documentos, antes de serem integrados nos volumes finais que se encontram em fase de elaboração.

Este conjunto vastíssimo de materiais, cuja consulta já tinha sido aberta a investigadores no início de março de 2020, tem por título “Ebrei” (Judeus), “porque o seu objetivo é preservar os pedidos de ajuda dos judeus de toda a Europa, recebidos pelo Papa durante as perseguições nazi-fascistas”, esclarece o Vaticano.

Num artigo publicado no L’Osservatore Romano, o arcebispo Paul Gallagher, responsável do Vaticano para as Relações com os Estados, escreve que “a disponibilização da digitalização desta série irá permitir aos descendentes daqueles que procuraram ajuda encontrar vestígios dos seus entes queridos a partir de qualquer parte do mundo”.

 

Centro Wiesenthal oferece documento histórico

Na quarta-feira, 22, o Centro Simon Wiesenthal entregou ao Papa Francisco um fac-símile do documento em que Adolf Hitler teorizou o extermínio de judeus. No encontro, Francisco denunciou o antissemitismo e “a ameaça contínua do populismo”.

Na audiência no Vaticano, estiveram presentes 30 personalidades de diferentes países ligadas ao Centro Wiesensthal, incluindo o rabi Marvin Hier, fundador e diretor executivo da instituição.

Dirigindo-se ao Papa, o rabino, citado pela Askanews, enfatizou o facto de este encontro ocorrer 80 anos depois da Conferência de Wannsee, na qual 15 oficiais nazis, oito deles estudantes de doutoramento de algumas das melhores universidades, tomaram a decisão, concordando com as ordens de Hitler, de realizar um assassinato em massa de todos os judeus na Europa.

“Por isso, Santidade – observou Marvin Hier –  viemos aqui hoje apresentar aos Arquivos do Vaticano um dos documentos mais significativos da história da humanidade: uma cópia de uma carta original, datilografada e assinada por Hitler, em 16 de setembro de 1919, na qual ele delineia abertamente a necessidade do extermínio definitivo do povo judeu na Europa.”

O original da carta de Hitler que agora foi entregue ao Papa está em exposição no Museu da Tolerância, no Centro Simon Wiesenthal, em Los Angeles. “O que começou como a opinião de um homem tornar-se-ia a política de estado da Alemanha nazi 22 anos depois, levando ao assassinato sistemático de um terço dos judeus do mundo”, salientou o responsável do Centro.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This