Papa ajoelha e beija os pés a líderes sul-sudaneses a pedir compromisso pela paz

12 Abr 19Destaques, Estado, Política e Religiões, Igreja Católica, Newsletter, Últimas, Vaticano/Santa Sé

 

 

Gesto foi criticado por articulistas que recordam que Francisco não ajoelha diante do sacrário por causa da ciática de que sofre; Vaticano fala de um “sinal extraordinário para invocar o compromisso dos líderes sul-sudaneses pela paz”. Papa confirma desejo de visitar o país, acompanhado do arcebispo de Cantuária.

Rosto sereno, o Papa Francisco dirige-se aos responsáveis do conflito no Sudão do Sul e pede-lhes: “A vós, que assinastes o acordo de paz, peço-vos como irmão: permanecei na paz.” Gesto imediato, volta-se para o seu tradutor, pede-lhe em italiano “acompanha-me” e vai junto do Presidente sul-sudanês e dos restantes líderes e beija-lhes os pés (como se pode ver no vídeo acima, do Vatican Media e da TV2000). 

“Gesto do servo dos servos de Deus”, “comovente e surpreendente”, como escreve o responsável pelo pelos serviços informativos do Vaticano, Andrea Tornielli? Um “sinal extraordinário para invocar o compromisso dos líderes sul-sudaneses pela paz, como o define a Sala de Imprensa do Vaticano? Ou uma atitude indigna, ajoelhando-se perante criminosos de guerra, como se apressaram a criticar alguns jornalistas? Ou ainda pondo em contraste a recusa do Papa em aceitar beijos na mão e a sua dificuldade em ajoelhar perante o sacrário e a forma como se foi ajoelhar perante aquelas pessoas?

O pequeno discurso do Papa concluiu o retiro espiritual que os líderes sul-sudaneses fizeram quarta e quinta, no Vaticano, e que foi preparado em conjunto pelo arcebispo de Cantuária e líder espiritual dos anglicanos, Justin Welby, com o apoio do Vaticano. A guerra civil no mais jovem país do mundo, que se tornou independente em 2011, já terá provocado mais de 400 mil mortos desde 2013 e cerca de quatro milhões de deslocados e refugiados.

A iniciativa tem uma razão de fundo: o Sudão do Sul alcançou a sua independência depois de décadas de conflito, porque a maioria da sua população é cristã, por oposição ao norte, onde domina o islão. Grupos de cristãos, apoiados também pelos argumentos de vários responsáveis religiosos, defenderam a autonomia e independência do país em relação ao Sudão norte.

 

À frente do povo, as mãos unidas!

Sul-sudaneses em fuga: o jovem país foi devastado em seis anos por uma guerra civil que provocou 400 mil mortos e quatro milhões de deslocados: o Papa quer um “forte compromisso dos responsáveis com o próprio povo”. Foto © ACN Portugal

 

“Peço com o coração: vamos em frente. Haverá muitos problemas, mas não se espantem. Continuem, resolvam os problemas. Vocês iniciaram um processo; que acabe bem! Haverá lutas entre vocêsmas que sejam dentro dos gabinetes. À frente do povo, as mãos unidas! Assim, de simples cidadãos, podem converter-se em pais da nação. Permitam-me pedir isso com o coração, com meus sentimentos mais profundos”. O Papa referiu a palavra mais de 30 vezes e afirmou: “A paz é possível, não me cansarei de repetir isso.” Mas exige um “forte compromisso dos responsáveis com o próprio povo”.

A escutar o Papa, estavam vários líderes políticos, entre os quais o Presidente Salva Kiire os doisvice-presidentes designados: Rebecca Nyandeng De Mabiore Reik Machar, líder da oposição. No próximo dia 12 de Maio, todos tomarão posse dos cargos na sequência do acordo assinado em Setembro. Também os responsáveis do Conselho de Igrejas do Sudão do Sul, que reúne diferentes confissões cristãs. Diante de todos eles, o Papa garantiu: “Confirmo o meu desejo e a minha esperança de que, com a graça de Deus, possa ir em breve à vossa amada nação, juntamente com os meus irmãos aqui presentes, o arcebispo de Cantuária e o ex-moderador da Igreja Presbiteriana”, John Chalmers.

O Papa insistiu na preocupação com o destino dos sul-sudaneses: “Os meus pensamentos dirigem-se principalmente para as pessoas que perderam os seus entes queridos e as suas casas, para as famílias que se separaram e nunca voltaram a encontrar-se, para todas as crianças e idosos, para as mulheres e homens que sofrem terrivelmente devido aos conflitos e às violências que espalharam a morte, a fome, a dor e as lágrimas”.

Um dos parágrafos do discurso (que pode ser lido aqui na versão espanhola) fala especificamente sobre o “olhar do povo”. Francisco afirmou: “O olhar de Deus está posto especialmente sobre vós e é um olhar que vos oferece a paz. Mas também há um outro olhar sobre vós: o olhar do vosso povo, um olhar que expressa o ardente desejo de justiça, de reconciliação e de paz.”

“Desejo assegurar a minha proximidade espiritual a todos os vossos compatriotas, em particular aos refugiados e doentes, que ficaram no país com grandes expectativas e a respiração suspensa, esperando o resultado deste dia histórico”, afirmou o Papa. “E, como Noé esperou que a pomba lhe levasse o ramo da oliveira para mostrar o fim do dilúvio e o começo de uma nova era de paz entre Deus e os homens, assim o vosso povo espera o vosso regresso à pátria, a reconciliação de todos seus membros e uma nova era de paz e prosperidade para todos”.

Francisco acrescentou, em jeito de apelo final: “Espero de todo o coraão que se respeite o armistício – por favor, respeitem o armistício! –, que as divisões políticas e étnicas sejam superadas e que a paz seja duradoura, pelo bem comum de todos os cidadãos que sonham em começar a construir a nação”.

No final, cada um dos presentes recebeu uma Bíblia, oferecida e assinada no momento pelo Papa e por Justin Welby. Em cada exemplar, havia uma dedicatória: “Busca o que une. Supera o que divide”.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Freira Indiana apela ao Vaticano contra a sua expulsão da ordem

A irmã Lucy Kalappura, da Congregação das Irmãs Clarissas Franciscanas, que protestou contra o bispo Franco Mulakkal devido à suposta acusação de violação de uma freira, apela ao Vaticano que evite a sua expulsão da ordem a que pertence, depois de lhe terem sido instauradas alegadas “ações disciplinares”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Bicentenário do Báb, “Manifestante de Deus” e fundador da Fé Bahá’í novidade

Uma das particularidades da religião bahá’í é ter na sua origem dois Profetas: o Báb e Bahá’u’lláh. E se na terminologia bahá’í os fundadores das grandes religiões mundiais são referidos como “Manifestantes de Deus” (porque manifestam características divinas), a origem dupla da Fé Bahá’í levou alguns autores a referir os seus fundadores como “Manifestantes Gémeos”.

A crise do capital, uma doença demolidora

Tenho para mim que o problema pode ser mais largo e profundo. Prefiro centrá-lo mais na longa e constante crise da doença destruidora do capitalismo mundial, nas suas mais diversas formas. Um sistema que, verdadeiramente, se encontra doente e não funciona em benefício da maioria da população.

Cultura e artes

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco