Papa ajoelha e beija os pés a líderes sul-sudaneses a pedir compromisso pela paz

| 12 Abr 19 | Destaques, Estado, Política e Religiões, Igreja Católica, Newsletter, Últimas, Vaticano/Santa Sé

 

 

Gesto foi criticado por articulistas que recordam que Francisco não ajoelha diante do sacrário por causa da ciática de que sofre; Vaticano fala de um “sinal extraordinário para invocar o compromisso dos líderes sul-sudaneses pela paz”. Papa confirma desejo de visitar o país, acompanhado do arcebispo de Cantuária.

Rosto sereno, o Papa Francisco dirige-se aos responsáveis do conflito no Sudão do Sul e pede-lhes: “A vós, que assinastes o acordo de paz, peço-vos como irmão: permanecei na paz.” Gesto imediato, volta-se para o seu tradutor, pede-lhe em italiano “acompanha-me” e vai junto do Presidente sul-sudanês e dos restantes líderes e beija-lhes os pés (como se pode ver no vídeo acima, do Vatican Media e da TV2000). 

“Gesto do servo dos servos de Deus”, “comovente e surpreendente”, como escreve o responsável pelo pelos serviços informativos do Vaticano, Andrea Tornielli? Um “sinal extraordinário para invocar o compromisso dos líderes sul-sudaneses pela paz, como o define a Sala de Imprensa do Vaticano? Ou uma atitude indigna, ajoelhando-se perante criminosos de guerra, como se apressaram a criticar alguns jornalistas? Ou ainda pondo em contraste a recusa do Papa em aceitar beijos na mão e a sua dificuldade em ajoelhar perante o sacrário e a forma como se foi ajoelhar perante aquelas pessoas?

O pequeno discurso do Papa concluiu o retiro espiritual que os líderes sul-sudaneses fizeram quarta e quinta, no Vaticano, e que foi preparado em conjunto pelo arcebispo de Cantuária e líder espiritual dos anglicanos, Justin Welby, com o apoio do Vaticano. A guerra civil no mais jovem país do mundo, que se tornou independente em 2011, já terá provocado mais de 400 mil mortos desde 2013 e cerca de quatro milhões de deslocados e refugiados.

A iniciativa tem uma razão de fundo: o Sudão do Sul alcançou a sua independência depois de décadas de conflito, porque a maioria da sua população é cristã, por oposição ao norte, onde domina o islão. Grupos de cristãos, apoiados também pelos argumentos de vários responsáveis religiosos, defenderam a autonomia e independência do país em relação ao Sudão norte.

 

À frente do povo, as mãos unidas!

Sul-sudaneses em fuga: o jovem país foi devastado em seis anos por uma guerra civil que provocou 400 mil mortos e quatro milhões de deslocados: o Papa quer um “forte compromisso dos responsáveis com o próprio povo”. Foto © ACN Portugal

 

“Peço com o coração: vamos em frente. Haverá muitos problemas, mas não se espantem. Continuem, resolvam os problemas. Vocês iniciaram um processo; que acabe bem! Haverá lutas entre vocêsmas que sejam dentro dos gabinetes. À frente do povo, as mãos unidas! Assim, de simples cidadãos, podem converter-se em pais da nação. Permitam-me pedir isso com o coração, com meus sentimentos mais profundos”. O Papa referiu a palavra mais de 30 vezes e afirmou: “A paz é possível, não me cansarei de repetir isso.” Mas exige um “forte compromisso dos responsáveis com o próprio povo”.

A escutar o Papa, estavam vários líderes políticos, entre os quais o Presidente Salva Kiire os doisvice-presidentes designados: Rebecca Nyandeng De Mabiore Reik Machar, líder da oposição. No próximo dia 12 de Maio, todos tomarão posse dos cargos na sequência do acordo assinado em Setembro. Também os responsáveis do Conselho de Igrejas do Sudão do Sul, que reúne diferentes confissões cristãs. Diante de todos eles, o Papa garantiu: “Confirmo o meu desejo e a minha esperança de que, com a graça de Deus, possa ir em breve à vossa amada nação, juntamente com os meus irmãos aqui presentes, o arcebispo de Cantuária e o ex-moderador da Igreja Presbiteriana”, John Chalmers.

O Papa insistiu na preocupação com o destino dos sul-sudaneses: “Os meus pensamentos dirigem-se principalmente para as pessoas que perderam os seus entes queridos e as suas casas, para as famílias que se separaram e nunca voltaram a encontrar-se, para todas as crianças e idosos, para as mulheres e homens que sofrem terrivelmente devido aos conflitos e às violências que espalharam a morte, a fome, a dor e as lágrimas”.

Um dos parágrafos do discurso (que pode ser lido aqui na versão espanhola) fala especificamente sobre o “olhar do povo”. Francisco afirmou: “O olhar de Deus está posto especialmente sobre vós e é um olhar que vos oferece a paz. Mas também há um outro olhar sobre vós: o olhar do vosso povo, um olhar que expressa o ardente desejo de justiça, de reconciliação e de paz.”

“Desejo assegurar a minha proximidade espiritual a todos os vossos compatriotas, em particular aos refugiados e doentes, que ficaram no país com grandes expectativas e a respiração suspensa, esperando o resultado deste dia histórico”, afirmou o Papa. “E, como Noé esperou que a pomba lhe levasse o ramo da oliveira para mostrar o fim do dilúvio e o começo de uma nova era de paz entre Deus e os homens, assim o vosso povo espera o vosso regresso à pátria, a reconciliação de todos seus membros e uma nova era de paz e prosperidade para todos”.

Francisco acrescentou, em jeito de apelo final: “Espero de todo o coraão que se respeite o armistício – por favor, respeitem o armistício! –, que as divisões políticas e étnicas sejam superadas e que a paz seja duradoura, pelo bem comum de todos os cidadãos que sonham em começar a construir a nação”.

No final, cada um dos presentes recebeu uma Bíblia, oferecida e assinada no momento pelo Papa e por Justin Welby. Em cada exemplar, havia uma dedicatória: “Busca o que une. Supera o que divide”.

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Fale connosco